Archive for Maio, 2010

Cri-ações: Fab Five Freddy

Maio 31, 2010

Andando pelas ruas

com a latinha na mão

e as ideias na cabeça

Mandando bronca no spray

na vibração deste sopro de cores

entrelineadas nas paredes espessas

Transformando as formas,

colocando um novo

para que um passante faça

Novas imagens criar

pois é na mudança libertadora

que o coletivo mostra sua graça




Criando novos espaços,

surgindo para o mundo


Arranha

Maio 31, 2010

A aranha arranha o aranha. Céu

Adentra o quarto e fica ao lado da menina que sonha

Em teias que a aranha não pode arranhar

Teias que se soltam e se prendem e que

dessossegando a vida

leva a aranha a continuar

tecendo e produzindo a sua teia produtiva

de afetos e arranhos somos.

Dennis Hopper segue sem destino

Maio 30, 2010

Donald Cammell, Dennis Hopper, Alejandro Jodorowsky e Kenneth Anger

Dennis Hopper , aquele ontem que partiu de vez com sua moto em busca do paraiso, foi um dos grandes transgressores no cinema Hollywoodiano sendo preso várias vezes e declarado fora da lei. Como diretor seu primeiro filme foi Easy Rider, conhecido no Brasil com Sem Destino. O filme teve como atores o próprio Hopper, Jack Nicholson e Peter Fonda. Em outros filmes que dirigiu trabalhou com Samuel Fuller, Sharon Farrell, Sean Penn (cujo amizade foi tanta que batizou o nome de seu filho de Dennis Hopper), Vicent Price, Jodie Foster entre outros. Trabalhou como segundo diretor em The Trip e escreveu o roteiro da maioria de seus filmes como diretor.

Grande parte de sua carreira entretanto foi como ator, onde participou de cinemas importantes como “Meu amigo americano” de Win Wenders, “A marca da forca” ao lado de Clint Eastwood, “Apocalipse Now” de Francis Ford Coppola, “Reborn” de Bigas Luna,  “Veludo Azul” de David Lynch, “Unidos pelo Sangue” de Sean Penn, “Basquiat” de Julian Schnabel, “Blackout” de Abel Ferrara,  e mais atualmente em “Fatal” de Isabel Coixet e “Palermo Shooting” de Win Wenders.

Notas Raosticas

Maio 29, 2010

  • A favela de Vigário Geral, no Rio de Janeiro  inaugurou esta semana um enorme centro cultural, o Centro Cultural Waly Salomão. Na inauguração além de milhares de moradores e de Omar Salomão, parente de Waly, a festa contou com Gilberto Gil, Adriana Calcanhotto, Jards Macalé, e os anfitriões do AfroReggae que tem suas raizes na favela e são os organizadores deste centro. Para que os que pensam que a favela só deve abrigar tiros e encrencas segura a pisada…

  • Um projeto de lei de autoria do senador Cristovão Buarque foi aprovado pela Comissão de Educação do Senado esta semana e fica decretado: todos os estudantes brasileiros de escolas públicas e privadas serão obrigados a assistirem, no período de um mês, a pelos menos duas horas de filmes nacionais. Se considerarmos a qualidade de pelo menos 80% do cinema brasileiro esta lei será uma tortura ou anulação da percepção. Se pensarmos ainda que a minoria do cinema brasileiro tem qualidade fica dificil obrigar estes estudantes, pois nem um pilhonésimo dos professores  tem a inteligência de assistir este 20% de produção criativa e realmente educativa. O cinema tem que entrar na escola, mas o cinema como criação de novas imagens e percepções, não interessa de onde vem estas imagens. Dá o play…

  • Falando em cinema brasileiro o diretor brasileiro Walter Salles (de Diarios de uma motocicleta e Central do Brasil) pretende finalmente, se tudo der certo e quiça, filmar uma adaptação do livro-marco da geração beat “‘On the Road’, que segundo Salles é um projeto de 40 anos. O livro conta a história de um escritor que viaja de carona pelos EUA embarcando em uma longa aventura de jazz, drogas e vagabundeação. O livro que inspirou gerações talvez não vire filme. Mas o sertão vai virar mar. Pé na tábua Sal…

  • Esta semana que está chegando traz consigo o Festival Varilux de Cinema que ocorre simultaneamente em 9 capitais (Belo Horizonte . Brasília . Curitiba . Fortaleza . Porto Alegre . Recife . Rio de Janeiro . Salvador . São Paulo) e traz entre os cinemas franceses 8 vezes de pé, Coco Chanel e Igor Stravinski, Hadewijch de Dumont, O refugio de Ozon,  entre outros. Então tire suas lentes pecadoras e enkineme-se.

  • Ouviram do Ipiranga? Já reboou  para todo mundo. Quem ainda não ouviu a nova versão do Hino Nacional interpretada pelo cantor Martinho da Vila com regência do maestro Leonardo Bruno e qu faz parte do Programa “Cedae nas Escolas” , baixe por aqui e sambe fundo… Só não se iluda que o Brasil vai ser campeão , com Maradona e Messi tango e samba são irmãos.

  • O cantor, compositor, amigo de Lula, Bono Vox da banda irlandesa U2 se submeteu a uma cirugia de emergência na coluna na semana passada e a banda anunciou que terá que adiar 16 shows de sua turnê “360º”, além de cancelar sua participação no festival Glastonbury, que aconteceria no dia 25 de junho na Inglaterra.

  • O estilista francês Jean Paul Gaultier é famoso por seu estilo vestual-artístico e pelos seus figurinos do cinema de Almodovar Kika e de trabalhos com Catherine Deneuve. Porém seu trabalho mesmo é na Hermes onde exercia a direção artística da maison francesa Hermès. Exercia pois ele anunciou seu desligamento da casa e seus ultimos trabalhos com a maison saem em agosto. Ele vai se dedicar a projetos pessoais de criação de moda, artes visuais e outros babados… Tápratí Cara Cortada!!

  • A Itália além de ter uma crise religiosa devido ao Vaticano, possui um primeiro ministro Berlusconesco bastante caponesco… Há um tempo atrás ele mandou tapar o seio de uma mulher em uma imagem centenária que tinha em seu gabinete, pois um seio que lhe peitava era algo imoral. Meses após esta destruição de um patrimônio foi descoberto seu caso com prostitutas. Pobres mulheres que tiveram este desprazer. Agora também nem adianta querer se refazer; não há voltas. Mas tentando mostrar-se uma amante das artes, a cidade de Roma inaugurou dois portentosos museus dedicados à arte contemporânea, projetados pela iraquiana Zaha Hadid e a francesa Odile Decq. O  MAXXI (Museu Nacional das Artes do Século XXI) de Hadid, sérá um dos mais conhecidos da Europa. O Museu de Arte Contemporânea de Roma, o Macro, já existia e foi reprojetado. Favor colocar na placa: Proibido entrar animais, pessoas de bermudas e regatas, bebados, e primeiros-ministros.

  • O Irã depois de libertar o cineasta Jafar Panahi deu mais uma amostra de sua incompreensão da importância e beleza de seu cinema, um dos mais inovadores do mundo. Desta vez o cinema mais novo de Abbas Kiarostami, “Copie conforme”, foi vetado de exibição pública devido principalmente ao vestido que a atriz Juliette Binoche usa. Porém o filme poderá ser exibido na universidade. Pior ainda, pois a verdadeira alegria do cinema do Irã é o povo.

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Maio 28, 2010

Nova Amsterdam, 28 de Outubro de 1883


O pátio da prisão em Newgate, DORÉ

O pátio da prisão em Newgate, Vincent Van Gogh Museum, Amsterdam

Ainda na carta em que Van Gogh escreve acerca da paciência para Theo, observamos a reflexão sobre os acontecimentos na passagem do tempo-espaço. Van Gogh suscinta que a paciência é uma qualidade que digna apenas de alguns, a paciência se encontra na ordem do acontecimento dos ‘bons encontros’, como diria espinozeando Deleuze. Um bom encontro se dá com coisas e com obras, sair da arte por meio da arte. Um encontro dignifica, mas para para tanto é necessário estar a espreita, ter paciência…

“Há uma frase de Gustave Doré que eu sempre achei muito bonita: Eu tenho a paciência de um boi. Vejo nesta frase ao mesmo tempo algo bom, uma certa honestidade decidida; enfim, esta frase contém muitas coisas: é uma verdadeira frase de artista. Quando pensamos em pessoas cujo espírito concebe coisas desse gênero, parece-me que raciocínio como aqueles que se ouvem demais entre os negociantes de quadros sobre ‘o dom dos artistas’ são um horrível grasnido de corvo. Eu tenho paciência, como é calmo, como é digno; talvez não o disséssemos se justamente não houvesse todo este grasnido de corvos.”

Paul Gustave Louis Christophe Doré foi um exímio ilustrador (além de pintor, caricaturista e gravurista) se destaca desde de muito jovem, quando realiza suas primeiras gravuras de “Os Trabalhos de Hércules”.

Gustave  Doré nasceu na cidade de Estrasburgo a 6 de janeiro de 1832. A inclinação artística é voltada para a representação do imaginário literário rica em detalhes e em tons cinzentos. Inicia bastante jovem sua carreira e, aos quinze anos já colabora com suas caricaturas em diversos jornais franceses.

A partir do ano de 1854 passa a ilustrar com frequência escritos literários, é neste ano que seus trablahos adornam as obras de Rabelais, segue-se A Divina Comédia, Dom Quixote de La Mancha, a Bíblia, os contos de Perrault entre outros. Doré trabalhou nas ilustrações de mais de 200 livros, mas paralelamente se dedicou à pintura e a escultura, mas não obteve tanto reconhecimento quanto seus desenhos.

Em 1869, Douglas Jerrold sugeriu que eles trabalhassem juntos em um retrato da cidade de Londres, e o resultado foi o livro de ilustrações Londres: uma peregrinação, livro que rendeu um grande sucesso gerando fama e novas oportunidades.

Gustave Doré morreu em em Paris, a 23 de janeiro de 1883, deixando por finalizar muitos trabalhos.

Ilustração do Dom Quixote original

_________________________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Almodovar e a mina

Maio 27, 2010

Almodovar possui um gosto música bastante amplo. Para constatar basta assistir a seus cinemas, e veremos que além das músicas de Alberto Iglesias, há cantoras  como Estrella Morente, Conchita Panades em Volver, Elis Regina, Chavela Vargas, Sara Montiel, La Lupe, Maysa, Lola Beltran e também a cantora Mina (que pintou entre os cinemas com várias músicas como Esperame en el cielo). Toda esta musicalidade almodovariana inclui também os homens e grupos musicais, porém em geral a voz que vibra em seus filmes é feminina.

Almodovar e Mina


Segundo ouvidos curiosos o diretor espanhol está em pre-produção de um cinema sobre a cantora italiana Mina, aquela que ajudou há dar voz a cinemas de Pedro. A encarregada para encenar a cantora segundo as boas linguas é a vivente atriz Marisa Parentes, que já acompanhou Pedrinho em algumas de suas caçadas.

A cantora Mina que iniciou sua carreira cantando em conjuntos de rock e o jazz, mas foi como cantora de uma música popular que ganhou fama mundial. Mina já cantou em espanhol, portugues e outra linguas e é amiga de Chico Buarque.

Esperamos que este cinema mostre todo o ouro e a beleza de Mina.


Sa-pho-nte Sa-phy-sis

Maio 26, 2010

A Átis


Não minto: eu me queria morta.
Deixava-me, desfeita em lágrimas:

“Mas, ah, que triste a nossa sina!
Eu vou contra a vontade, juro,
Safo”. “Seja feliz”, eu disse,

“E lembre-se de quanto a quero.
Ou já esqueceu? Pois vou lembrar-lhe
Os nossos momentos de amor.

Quantas grinaldas, no seu colo,
— Rosas, violetas, açafrão —
Trançamos juntas! Multiflores

Colares atei para o tenro
Pescoço de Átis; os perfumes
Nos cabelos, os óleos raros

Da sua pele em minha pele!
[…]
Cama macia, o amor nascia
De sua beleza, e eu matava
A sua sede” […}

Cai a lua, caem as plêiades e
É meia-noite, o tempo passa e
Eu só, aqui deitada, desejante.

— Adolescência, adolescência,
Você se vai, aonde vai?
— Não volto mais para você,
Para você volto mais não.

Sapho de Lesbos- poetisa grega, amante do saber de todas as mulheres

tradução de Décio Pignatari

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Maio 25, 2010

Nova Amsterdam, 15 de Outubro de 1883


ESCOLA DE BARBIZON (L’Ecole de Barbizon)


 

Van Gogh escreve a seu irmão, que naquele momento enfretava dificuldades na Casa Goupil, já que Theo havia comentado antes do desejo se tornar pintor. Estar a espreita da paciência era o tema da carta. Theo vivia em Paris e Van Gogh busca explicar que pessoas como eles, pertenciam ao campo e que lá, somente lá é possível a purificação e união do homem com a natureza como entidade una:

Pense em Barbizon, esta história é sublime. Quando lá chegaram os primeiros que ali se iniciaram, eles estavam longe de revelar o que no fundo realmente eram. A região os formou; eles só tinham uma certeza, suponho: não se pode fazer nada de bom na cidade, é preciso ir ao campo, pensavam; é preciso que eu aprenda a trabalhar, que eu me torne totalmente diferente do que sou no momento, sim, algo oposto do que sou. Diziam a si mesmos: o que eu faço não vale nada, vou me renovar na natureza.

Barbizon é uma pequena cidade, localizada a sudoeste de Paris (França), dentro da Floresta de Fontainebleau. Nesta vila, lá pela métade do século XIX, deu-se uma reunião de pintores que tinham em comum a paixão em retratar a paisagem rural, cenas domésticas e da labuta na roça. Este movimento surgiu de uma grande admiração do Realismo, principalmente dos paisagistas holandeses do Século XVII.

Pintores como, Jean-François Millet (1814-1875), Constant Troyon (1810- 1865), François-Louis Français (1814-1897), Théodore Rousseau (1812-1867), Narcisse-Virgilio Diaz de la Peña (1807-1876), Jean-Baptiste-Camille Corot (1796-1875), Jules-Louis Dupré (1881-1889) e Charles-François Daubigny (1817-1878) lá se estabeleceram, formando assim uma colônia de artistas, a fim de passar longos ou curtos períodos em intenso trabalho artístico-produtivo. O local preferido de encontro era o Auberge Ganne (retratado na pintura acima) onde os pintores discutiam suas ações filosóficas frente a forma de pintar e agir. Durante a Revolução de 1848 o grupo se reuniu para definir sua posição artística: de fazer a natureza uma parte da pintura, além da vida dos trabalhadores.

Grande parte das obras que datam desse época são paisagens (´en plein air´) nas quais os pintores buscavam capturar a atmosfera e as emoções que pairava naquele momento e naquela região, haja visto que estes eram as representações mais precisas da realidade. Trabalhando nesse sentido, os pintores buscavam retratar a intesidade da natureza na sua
representação mais fidedigna.

Além de excelentes pintores, eles eram exímios gravuristas trabalhando com litografia, xilografia e água-forte. Estes trabalhos ajudaram a popularizar e preservar grande parte das produções da Escola de Barbizon até os dias atuais.

Atelier de Millet em Barbizon

 

 

_________________________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Cri-ações

Maio 24, 2010

Magritte pintou

um sem cabeça com cartola.

Mas de onde veio a idéia

de uma pintura tão viva?

Da cartola surreal

De sua cabeça cria-tiva

O Jogo da verdade – Karl Marx ‘nú e cru’

Maio 23, 2010

Jenny e Laura Marx

Jenny e Laura fizeram, um dia, ao pai, por brincadeira, uma série de perguntas, cujas respostas deveriam constituir uma espécie de “confissão”. Esse questionário e as respostas de Karl Marx, redigidas em inglês, referem-se aos anos de 1860-65.

A qualidade que mais aprecia:

Nas pessoas, a simplicidade; nos homens, a força; nas mulheres, a fraqueza.

O traço mais característico:

A unidade do objetivo.

A idéia da felicidade:

A luta.

A idéia da infelicidade:

A submissão.

O defeito que desculpa mais facilmente:

A confiança concedida sem refletir.

O defeito que lhe inspira mais aversão:

O servilismo.

A antipatia:

Martin Tupper.

A ocupação preferida:

Frequentar os sebos.

Os poetas preferidos:

Shakespeare, Ésquilo, Goethe.

O prosador preferido:

Diderot.

O héroi preferido:

Espartaco e Kepler.

A heroína preferida:

Gretchen.

A flor preferida:

O louro.

A cor preferida:

O vermelho.

O nome preferido:

Laura, Jenny.

O prato preferido:

Peixe.

A máxima preferida:

Nada do que é humano me é estranho.

O lema preferido:

Duvidar de tudo.