UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Nuenen, 07 de novembro de 1885

Paisagem com dois carvalhos (1641) ,VAN GOYEN

Paisagem com dois carvalhos, Amsterdam, Rijksmuseum

(99,5 X110,5 cm)

CLIQUE PARA AMPLIAR


Van Gogh comenta as formas que gosta de pintar e como eram feito pelos antigos holandeses:

” Atualmente nada me agrada mais do que o trabalho com pincel- até para desenhar do que fazer o esboço a carvão.

Quando penso em como os antigos holandeses preparavam seus quadros, constato que há relativamente pouco desenho propriamente dito. E contudo, eles desenham de uma maneira impressionante. Mas creio que na maioria dos casos eles começaram, continuaram e terminaram com pincel.

Eles não prenchiam. Por exemplo,um Van Goyen. Acabo de ver dele, na coleção Dupper, um carvalho numa duna sob uma tempestade, e de Cuyp, uma vista de Dordt”

Jan Josephsz. Van Goyen foi um dos principais pioneiros da paisagem naturalista no início do século XVII na Holanda. Seus muitos desenhos mostram que ele viajou extensivamente a Holanda e outros paises. Em 1634 ele foi retratado pintando em Haarlem, na casa de Isaac, o irmão de Salomon van Ruysdael, que também foi um dos pioneiros da paisagem realista da Holanda.Como Ruysdael, trabalhou principalmente em verdes e cinzas

Van Goyen nasceu no dia 13 de janeiro de 1596 em Leiden. Começou a treinar pintura aos dez anos e logo teve como mestre Isaac van Swanenburgh. Porém ele partir para Haarlem para praticar pintura com o pintor Esaias van de Velde. Em 1618 ele retorna a Leiden e casa com Annetje Willemsdr. van Raelst. Depois de retornar para Leiden ele se mudou para Haia em 1631, onde trabalhou até sua morte. Seus primeiros trabalhos são datados de 1620.

Sua filha Margaretha casou com o seu pupilo Jan Steen, o famoso pintor de cenas cotidianas, em 1649 e a outra filha, Maria casou com o pintor Jacques de Claeu.

A obra de Jan van Goyen representa um ponto alto na retratação da paisagem holandesa. Seus primeiros trabalhos são vivos e coloridos, traindo a tradição flamenca. Mais tarde ele simplificou suas paisagens, graças a influência de seu mestre Esaias.

No curso de sua carreira, Van Goyen usou cada vez menos cores, que ele aplicava a paleta de maneira rápida e folgada. Suas composições geralmente seguem um padrão estabelecido e sua alta velocidade obrigou à repetição. Este método eficiente de trabalho levou a uma produtividade imensa: mais de 1.200 paisagens pintadas por ele sobreviveram.

Van Goyen foi também foi um brilhante esbocista que nos deixou o legado de mais de 800 desenhos. Ele viajou pelo mundo com seu livro de desenho, mostrando paisagens pouco conhecidas. Muito dos elementos topológicos dos esboços passaram para sua pintura.

Seus últimos anos foram gastos, em Haia. Ele passava por dificuldades financeiras quando morreu em 27 de abril de 1656.

Suas pinturas retrando paisagens ficaram conhecidas no mundo todo. Em várias de suas pinturas ele retrata uma paisagem bucólica, com arvores e montanhas. Na pintura “Paisagem com dois carvalhos” , ele compõe uma cena na beira das dunas em algum lugar entre- Haia e Leyden- embora Van Goyen pintasse paisagens tanto inventada quanto observada. Esta tem o mais dramático contraste de qualquer de seus quadros. Composição extremamente simples. Ao longo do horizonte, à esquerda se estendem as dunas. A direita o chão se eleva, coberto de árvores. Em cima avulta o céu ocupando os 2/3 canônicos da superfície pictórica.

Aqui enfim um jogo virtuose de nuanças na luz e atmosfera. O ponto principal da narrativa é dado pelos carvalhos que minuciosamente descritos, arruinados pelo vento, estabelecem uma relação entre o céu e a terra. O peso dos carvalhos é equilibrado pela larga área de luz a seus pés. As duas pequenas figuras conversando sob as árvores e uma terceira, mais abaixo, na encosta, criam uma nota doméstica, com destaque a imensidão do horizonte.

_______________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

2 Respostas to “UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH”

  1. Filtros tipo Millex Says:

    MUITO BOM

  2. UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH « Says:

    […] desfolhada e tem destaque central na árvore torta que abriga vários pássaros e lembra um pouco o carvalho de Van Goyen. O constrate nas nuvens mostra a maestria da paisagem e também  uso da perspectiva muito bem […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: