UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Nuenen, 07 de novembro de 1885

Vista do por-do-sol em Dordrecht ,CUYP

Vista do por-do-sol em Dordrecht, Amsterdam, Rijksmuseum

CLIQUE PARA AMPLIAR


Van Gogh comenta as formas que gosta de pintar e como eram feito pelos antigos holandeses:

” Quando penso em como os antigos holandeses preparavam seus quadros, constato que há relativamente pouco desenho propriamente dito. E contudo, eles desenham de uma maneira impressionante. Mas creio que na maioria dos casos eles começaram, continuaram e terminaram com pincel.

Eles não prenchiam. Por exemplo,um Van Goyen. Acabo de ver dele, na coleção Dupper, um carvalho numa duna sob uma tempestade, e de Cuyp, uma vista de Dordt.

Uma técnica impressionante, mas feita com nada, como que espontânea, e não se preocupando com a cor, aparentemente não se pode ser mais simples.

Mas quer se trate de figuras ou paisagens, sempre houve, entre os pintores, uma tendência a convencer as pessoas de que um quadro era algo mais do que uma representação da natureza como a veriamos num espelho, algo mais que uma imitação; vale dizer que é uma diversão.”

Aelbert Cuyp foi um grande interprete da paisagem holandesa no estilo italiano. Suas primeiras paisagens como “Uma cena no rio com distantes moinhos” são influenciadas pela paleta monocromática de Van Goyen, e algumas delas mostram Dordrecht, sua cidade natal. O trabalho dos pintores de Utrecht, especialmente Jan Both, que retornou da Itália em 1641, ajudou a direcionar o interesse em pintar paisagens de larga escala no estilo italiano.

Cuyp nasceu em 20 de outurbo de 1620. Ele foi filho de Jacob Gerritsz. Cuyp, pintor de retratos e animais. De seu pai recebeu os primeiros treinamentos, ajudando a completar o fundo das paisagens para pinturas comissionadas. Percebe-se nas obras de Cuyp, alguns retratos ocasionais como ” Retrato de um homem barbado ” o que reflete seu treinamento com seu pai, que após algum tempo logo faz com que Aelbert siga seu próprio estilo. Apesar da maioria das paisagens retratarem a cidade natal, o pintor fez desenhos de todas suas longas viagens pela Holanda.

Quando era jovem viajou com seu pai para Itália, o que lhe rendeu seu novo estilo e logo inseriu em sua pintura elementos de fundo largos em suas cenas panoramicas, preenchendo-as com uma acalorada luz e atmosfera. O motivo ocasionalmente clássico e efeitos luminosos de estilo italiano encontrado em seus trabalhos mais maduros derivam de uma associação com Both, e talvez outros pintores que Cuyp pode ter tido contato em Utrecht, e não exatamente a uma viagem á Itália. Embora não hajam documentos, desenhos de paisagens e de cidades indicam viagens dentro da Holanda e pela Alemanha.

Em 1658 ele casou com Cornelia Bosman, uma rica viuva de um oficial da marinha e depois disso aparentemente pintou pouco provavelmente devido um aumento em suas atividades na igreja e falta de pressões financeiras.

Cuyp aparentemente trabalhou para um largo número de famílias importantes e foi claramente um artista importante em sua cidade, embora pouco se saiba sobre organização ou produção de um atelier. É mencionado apenas um pupilo do pintor, Barent van Calraet cujo o irmão Abraham se não foi pupilo certamente foi seguidor. Aparenta que muitos dos trabalhos de Abraham van Calraet foram autografados por engano como se fossem pinturas de Cuyp no início do século XX quando Hofstede de Groot incluiu mais de 800 entradas no catálogo. É notavel ainda no fim do século XVIII muitos seguidores e imitadores de Cuyp como Jacob Van Strij.

Arnold Houbraken, um conterraneo do pintor percebeu que o pintor tinha um carater impecável, e os alguns documentos diziam respeito ao envolvimento com a reforma da Igreja Holandesa. Ele foi registrado morto no dia 7 de Novembro de 1691 e enterrado na Igreja Augustiniana de Dordrecht.

_______________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

2 Respostas to “UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH”

  1. nicolle perez Says:

    e muito interesante reparei na forma do desenho, cuando eu creser vou ser artista, me amarro muito em desenhos tipo antigo quem nen esse

  2. esquizofia Says:

    Maravilha querida Nicolle
    Perceba as formas que estão presentes ao teu redor, e busque a beleza e afetos além do que existem. E não esqueça de treinar bastante o desenho e formas, pois as técnicas ajudam, mas não fazem tudo…
    Abraços afinados

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: