Archive for Maio, 2011

Kinemasófico: O príncipe sapo

Maio 25, 2011

Neste domingo que se passou mais um encontro alegre entre crianças, adultos e o cinema ocorreu no bairro do Novo Aleixo. Desta vez o cinema contava uma história muito antiga de um lugar muito distante, uma história cheia de aventura com

O PRINCIPE SAPO

Título Original: “Faerie Tale Theatre”: The Tale of the Frog Prince

Ano: 1982

Diretor: Eric Idle

País: Estados Unidos

Duração : 54 minutos

Sinopse (Resumo da História do Filme) : Um rei e uma rainha que tentaram de várias maneiras ter um bebê sem sucesso. Logo eles tentam a ajuda de uma feiticeira que diz que eles terão o filho com uma condição: que ela seja a madrinha da criança. Depois que a criança nasceu chegou o dia do batizado e o rei e a rainha não convidaram a feiticeira que muito aborrecida lançou um feitiço na festa transformando o príncipe num sapo verde. Quando o sapinho se tornou um  jovem eis que aparece uma bela princesa por quem o sapinho cria um forte afeto, mas como ele conquistará seu coração  se ele é um sapo verde e gosmento? Consiguirá ele mostrar suas virtudes e que é um nobre sapo?

Após o cinema foi criada mais uma atividade com o cinema unido com a música clássica. Tratam-se dos curtas da coleção Polish Animation of classical music, ou seja uma produção da TV polonesa com grandes nomes do cinema experimental que produzem animações para um fundo de música clássica. Foi passado e discutido os ritmos, timbres, instrumentos (solos ou não) e a sensibilidade de passar para imagem. Esta atividade foi seguida da já tradicional criação literária das crianças e como ninguém é de papel, pipoca e refrigerante.
Abaixo a imagens dos curtas para as músicas  “Carmen Habanera” de Georges Bizet, “O Velho Castelo” de Modest Musorgski e  “Pandeiro Chinês”  de Fritz Kreisler. Eles foram dirigidos respectivamente pelos talentosos Aleksandra Korejwo, Maciej Cwiek e Anna Dudek.


_____________________________________________________________________________________________________

O Kinemasófico é um vetor cinematográfico que a Afin realiza todos os domingos à boca da noite, contando com um curso artístico (teatro, cinema…), sempre com a apresentação ao final da atividade de um cinema. Mais informações, clique aqui.

Tréplicas, réplicas…

Maio 25, 2011

Réplica: Lord of the flies (Senhor das moscas)- Peter Brook (1962)

Tréplica: Lord of the Flies (Senhor das moscas)- Herry Hook (1990)

Festival de Cannes 2011: levantamento cadavérico

Maio 24, 2011

Acabou o festival de Cannes e até aí nenhuma novidade. Vários bons diretores passaram pelo festival, como anteriormente. Obviamente eles não fizeram seus cinemas para o festival. O cinema é uma produção da vida e para os cineastas pra valer ele é um processual de construção existencial. Logo seus cinemas não são para Cannes e sim para o mundo.

Entretanto o festival ocorreu mostrando estas novas produções e uma banca que botou banca decidiu quem eram os melhores aos seus olhos… Sabemos que no mundo dos festivais rola também a grana e que prêmios como este atraem todo tipo de gente. O prêmio deste ano estava sendo disputado por bons diretores como Almodovar, Jean-Pierre e Luc Dardenne, Nuri Bilge Ceylan, Nanni Moretti, Aki Kaurismäki entre outros.

A vitória da Palma de ouro por Terrence Malick não representa nenhum espanto, alegria ou decepção. Cannes é um prêmio e alguém tinha que ganhar. Mas se as pessoas que se dispõe a uma análise não possuem elementos de ler o mundo, artisticamente não importa quem seja o vencedor. Os jurados incluiam Robert de Niro, Jude Law, Uma Thurman, o kickboxer Johnnie To Kei-Fung, a filha de Bergman e Liv, Linn Ullmann, o diretor Olivier Assayas e o diretor de Chade Mahamat-Saleh Haroun.

A escolha por Malick não agradou por ser um americano e conter Brad Pitt (e Sean Penn). “A árvore da vida” conta a história de três irmãos americanos que crescem juntos e logo se presencia a desilusão e uma “realidade” onde não deve haver a inocência. Será necessário assistir a película malickiana para sabermos mais do resultado desta produção. Porém Malick já havia recebido notoriedade por outros filmes como Cinzas no Paraíso, Terra de Ninguém e o filme de guerra americano Além da Linha Vermelha onde tenta demonstrar  criticamente um campo de guerra, mas não deixa de se fincar como uma batalha com méritos.

Mesmo com outros diretores mais envolvidos artisticamente, a escolha de “A árvore da vida” não reflete em algo bom ou ruim, mas como se tem que escolher, que se escolha aquele que ultrapassa e cria de uma forma mais convincente novas formas de ser, perceber, olhar. Isto mostra que os festivais não fazem cinema e que só julga uma pequena parte do que se produz, e mesmo assim depende do crivo de alguém. Precisamos produzir ver o cinema sem os olhos de p-ecados.

Palma de Ouro (melhor filme)
  A árvore da vida, de Terrence Malick (EUA)

Prêmio de interpretação feminina

Kirsten Dunst, por Melancolia (Dinamarca/ Suécia/ França/Alemanha)

Prêmio de interpretação masculina

Jean Dujardin, por The artist (França)

Diretor- Encenação
  Nicolas Winding Refn, por Drive (EUA)

Roteiro
  Hearat Shulayim Footnote, de Joseph Cedar (Israel)

Grande prêmio (Ex-aequo)
 Empate entre O garoto de bicicleta (Bélgica/França), de Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne, e Once upon a time in Anatolia (Turquia), de Nuri Bilge Ceylan

Palma de Ouro Curta-metragem
  Cross country (Inglaterra), de Marina Vroda

Prêmio Câmera de Ouro (para diretor estreante)
  Las acacias (Argentina/Espanha), de Pablo Giorgelli

Prêmio de júri
  Polisse, de Maiwenn Le Besco (França)

Prêmio de júri Curta Metragem
 Badpakje 46 Realizado por Wannes Deestoop (Bélgica)

 Primeiro Prêmio da Cinéfondation
Der Brief Realizado por Doroteya Droumeva (Bulgária)

Segundo Prêmio da Cinéfondation
Drari Realizado por Kamal Lazraq (Marrocos)

Terceiro Prêmio da Cinéfondation
Ya-Gan-Bi-Hang Realizado por Son Tae-gyum (Coréia)

Prize of Un Certain Regard Ex-aequo
ARIRANG Realizado por KIM Ki-Duk (Coréia)
HALT AUF FREIER STRECKE Realizado por Andreas DRESEN (Alemanha)

Prémio Especial do Júri Un Certain Regard
ELENA Realizado por Andrey ZVYAGINTSEV(Rússia)

Prémio de encenação Un Certain Regard
BÉ OMID É DIDAR Realizado por Mohammad RASOULOF (Irã)



UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Maio 24, 2011
Arles, 17 ou 18 de dezembro de 1888

Sr. Bruyas (1850), COUTURE




Mr.Bruyas, Montpellier, Musée Fabre
Van Gogh continua nesta carta o relatode uma visita ao museu e de uma ala inteira com retratos do colecionador e negociante de arte Alfred Bruyas (Brias):

” Gauguin e eu fomos ontem a Montpellier para ver o museu e especialmente a sala Brias. Existem lá muitos retratos de Brias, feitos por Delacroix, por Ricard, por Courbet, por Cabanel, por Couture…”

Thomas Couture foi um pintor academic francês mais conhecido por seus retratos e pinturas históricas como no caso de “Os romanos da decadência” que criou uma grande sensação no Salão de Pintura de 1847. Seu uso direto dos constrastes tonais provavelmente influenciou seus  mais famosos  Édouard Manet. Puvis de Chavannes, Felix Perret e Henri Fantin-Latour.

Ele nasceu em 21 de dezembro de 1815 na cidade de Senlis (Oise). Depois de passar parte sua infância em sua cidade natal, aos 11 anos se mudou com a família para Paris, onde ele estudou na escola de artes industrial (Escola de Artes e Ofícios- École des Arts et Métiers)  e posteriormente na Escola de Belas Artes de Paris (Ecole des Beaux-Arts).  Seues primeiros estudos foram com Baron Antoine Jean Gros com quem desenvolveu seu  . Um academicista de estatura, ele combinou o leve presente nas cores do século XVIII e o direto do clasicismo do séc. XIX em seus trabalhos mais importantes . Ele estudou também com Paul Delaroche, vencendo o Prêmio de Roma em 1837, depois de ter perdido o prêmio por 6 vezes, e por isso ele pensou que o problema era com a Escola de Belas Artes e não com ele . Ele começou exibindo pinturas históricas e do cotiano no Salão de 1840, obtendo várias medalhas.

Com seu sucesso Couture abriu um atelier independente pretendendo desafiar a Escola de Belas Artes na produção dos melhores novos pintores históricos. O resultado foi diversos de seus pupilos terem alcançado o reconhecimento e nome na história da arte.

A tecnica inovadora de Couture ganhou muita atenção e ele recebeu diversas comissões do governo entre as décadas 1840 e 1850. Contudo, ele nunca completou as duas primeiras comissões, enquanto a terçeirra começou com um misto de criticismo. Triste com a recepção desfavorável dos murais, em 1860 ele deixou Paris por um tempo, retornando a sua cidade natal onde continuou ensinando jovens artistas que lhe procuravam. Em 1867 ele zombou do estabelecimento acadêmico publicando um livro sobre suas próprias idéias e métodos de trabalho.

Ele morreu em 30 de março de 1879 na cidade francesa de Villiers-le-Bel, Île-de-France, sendo enterrado no Lachaise Cemetery, em Paris.

Fotografia de Thomas Couture

Thomas Couture- Os Romanos da decadência (1847). França, Museu d’Orsay

________________________________________________________________________
Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Cri-ações: Dorothea Tanning

Maio 23, 2011

Cri-ações em cortes

Fugas da presente ameça do real

Brotando sur-realidades

que produzem outras forma de relação

existência leve e frugal


Esculpir não só formas e quadros

mas palavras que se expandem

e comunicam  em uma poiesis sur-real

produções que não cessam nunca

nem que os ventos nos soprem


Photo graphein: Michael Lavine

Maio 23, 2011

Histórias das músicas brasileiras

Maio 22, 2011

Cristina Buarque é uma sambista paulista de uma  família de músicos que incluem Chico Buarque, Ana de Hollanda (Ministra da Cultura), Miucha todos filhos de Sérgio Buarque de Hollanda. Lançada por Paulo Vanzolini com a música “chorava no meio da rua” Cristina era considerada por Paulo “desde criança a mais afinada de todos (Os Buarques), mas muito tímida”. Ela gravou com diversos outros sambistas como Clementina de Jesus, Geraldo Pereira, Nelson Cavaquinho, Mauro Duarte, Candeia, Velhas Guardas da Mangueira e Portela.

Com diversos discos lançados, Cristina participou de diversos projetos como Noel Rosa (Sem Tostão) juntamente com Henrique Cazes, os 100 anos de Estácio de Sá, a Barca do Choro, os piqueniques dos sambistas, e os projetos da gravadora Kuarup.

—————-———————-———————————-——–———————–

De rock nunca gostei, não. Sempre gostei mesmo de samba. Ouvia os discos dos meus irmãos mais velhos. Araci de Almeida, Ciro Monteiro, Mário Reis, Carmem Miranda, era o que eu curtia mais. O choro só fui conhecer depois. Gostava de sambas mais antigos mesmo.

Minha primeira participação foi quando eu tinha 16 anos, num disco de Paulo Vanzolini, que era muito amigo dos meus pais. Minha mãe era contra essa história de cantar, mas ele conseguiu convencê-la. Na verdade, era um disco promocional para dar de presente. Não era para ser comercializado.

Depois o Chico me chamou para gravar “Sem fantasia”. Participei também de um disco do Chico Maranhão. Foram várias participações até gravar um disco meu.

Comecei a frequentar a casa de Candeia por volta de 1969, 1970. Ele já morava em Jacarepaguá. Quando eu vinha de São Paulo, costumava frequentar um lugar chamado Orfeão Portugal, onde Candeia se apresentava às vezes. Lembro que ele chegava numa limusine e o motorista o tirava na cadeira de rodas. A limusine era do Natal.

Eu gravei em 1974 e fui conhecer Manacéia depois. Eu ainda morava em São Paulo. Em 1975 fui apresentada ao Monarco. Ele combinou com Manacéia e Dona Neném de fazer um peixe e me convidou. Foi aí que conheci todos. Alvaiade ainda era vivo. Foi uma tarde maravilhosa. Eles cantaram muito samba e eu levei um gravadorzinho e comecei a gravar.

Eu sempre gravei o que gosto. E gosto de mostrar as músicas. Não gosto de gravar músicas conhecidas. Até mesmo nas rodas de samba, eu gosto de ver as pessoas ouvindo pela primeira vez. Mas não tive a intenção de ser pioneira.

Eu gravei muito menos do que gostaria de ter gravado. O ideal era fazer um disco a cada dois anos. Em quantidade eu gravei muito pouca coisa. Por exemplo, a Clara gravou muita coisa, e só não gravou mais porque morreu. A Beth Carvalho também gravou muita coisa da Portela.

Acho que o cantor tem que reverenciar o compositor. Gravar o samba mais próximo, mais fiel ao que o compositor fez. E não achar que o compositor tem que agradecer ao cantor pelo sucesso.

Tem uma coisa muito bonita, numa entrevista do Ciro Monteiro, em que ele fala mais ou menos assim: “Eu tive a honra de gravar o primeiro sucesso do Geraldo Pereira e tive a felicidade de ele me dar o último sucesso antes de morrer”. Ou seja, a elegância com que ele fala, a admiração pelo Geraldo Pereira.

Eu gravei menos discos do que gostaria de ter gravado. Gravei em 1974, 1976, 1978 e 1981. Depois só em 1985. Gravei em 90, mas só saiu no Brasil em 1994. Aí comecei a fazer um monte de coisa. Dois discos sobre Noel Rosa. Em 2000, um sobre Wilson Batista. Fiz o primeiro trabalho com o Terreiro Grande. Ao mesmo tempo o disco com a Banda Glória de São Paulo e o disco em homenagem ao Mauro Duarte. Esses três embolaram. Agora, por último, o Candeia com Terreiro Grande.

SAMBAS ENREDOS

Que eu me lembre, o último desfile que me emocionou foi Kizomba, da Vila Isabel. Eu nem conhecia o samba da Vila e gostava muito do samba da Mangueira. Mas quando eu acordei e vi o desfile, eu chorava e acordava meus filhos para ver.

Desfilei na Portela em 1984. Depois desfilei na ala da Surica, mas aquelas fantasias de ala me incomodavam muito. Desfilei na Mangueira em homenagem ao Chico. Mas para desfilar na Mangueira, tinha que desfilar também na Portela. Então nesse mesmo ano, desfilei em um carro com vários artistas. Depois desfilei algumas vezes no carro com a Velha Guarda e resolvi parar. Eu não sei sambar, mas para desfilar você tem pelo menos que saber o samba, não dá para desfilar muda. Mas com esses sambas não dá vontade.

Uma vez eu acompanhei a disputa do samba. Tinha um samba do Bolacha (Mauro Duarte) com Wilson Moreira e Walter Alfaiate. Aí o Paulão 7 Cordas falou que o samba era muito bonito, mas não ia ganhar. Quando cantaram o samba, a primeira coisa que perguntaram foi: “Cadê o refrão? Onde nós vamos fazer a paradinha?” O samba caiu quando ainda havia uns 16 na disputa.

Hoje o mais importante é o espetáculo. É muito dinheiro que rola. O carnaval virou outra coisa e eu não me interesso por essa coisa. Não podemos negar que é um espetáculo, mas não é mais escola de samba. Pode ser espetacular, pode ser lindo, mas eu não me interesso por isso, não.

Cristina Buarque e o grupo Terreiro Grande. Vai uma?

Mauro “Bolacha” Duarte com Cristina Buarque em Moçambique

Jards Macalé, Cristina Buarque e Barão do Pandeiro que juntos fizeram uma série de shows

Cristina é só alegria e samba. Presente nos botecos cariocas (principalmente de Paquetá onde mora) Cristina é voz ativa nas rodas de sambas

Capa de um dos projetos que Cristina particpou em 1983 “Cadáver Pega Fogo Durante o Velório”

Notas que encetam

Maio 21, 2011

Augusto Boal- o vivo nome do Teatro do Oprimido

  • Nesta semana vindoura (de 26 a 29 de maio) acontece Feira Paulista de Teatro do Oprimido no Centro de arte e cultura de Hortolândia. A mostra contará com apresentação de 10 grupos entre eles grupos internacionais do Peru, Canadá. No total, serão selecionados 10 grupos. Todas peças abordarão temas relacionados ao Teatro Popular ou ao Teatro do Oprimido.
  • E o projeto mais presente do espaço Teatro Oficina as Cortynas Liricas traz neste final de semana. Hoje (21)  o trio Choro de Câmara que conta com Deise Trebitz (piano), Rodrigo Y Castro (flauta),  Zé Barbeiro (violão 7 cordas)  interpreta músicas de Ernesto Nazareth pianista muito importante na música brasileira e que tocou diversos estilos. No domingo será apresentado uma viagem musical arabesca que vai do Magreb (Egito, Tunisia, Marrocos) passando pela Turquia, Palestina, Albânia, Gécia, Romênia, Macedônia e Bulgária. Tudo em um só espetáculo com Gabriel Levy (acordeom) e Grupo MUTRIB. Salem.
  • Atenção estudantes de todo o Brasil.As inscrições para a edição 2011 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estarão abertas nesta segunda. Para se inscrever no ENEM é só entrar no sítio do INEP. Entre aqui para se inscrever. As datas do exame foram confirmadas para os dias 22 e 23 de outubro. Interessados baixem a para baixar o edital. A primeira edição de 2012 também já está com sua portaria publicada e ocorrerá nos dias 28 e 29 de abril. Agora vamos estudando que o Enem é a porta para a universidade pública ou particular (via Prouni ou FIES).


  • Já está disponivel para baixar a revista de Saúde Mental e Teatro do Oprimido – Metaxis  produzida pelo Centro de Teatro do Oprimido. Em sua 7ª edição a publicação traz um panorama das atividades na área da saúde mental iniciado a partir de 1994, na Casa das Palmeiras com a Dra. Nise da Silveira, no Hospital Psiquiátrico Dom Pedro II com o grupo as Princesas de Dom Pedro, e no Hospital Psiquiátrico Jurujuba com o grupo Pirei na Cenna. A revista enfoca principalmente o projeto Teatro do Oprimido na Saúde Mental.

  • O Instituto Moreira Salles (IMS) do Rio de Janeiro está lançando um livro de memórias e exposição da trajetória do ilustrador romeno nacionalizado americano Saul Steinberg. Com uma obra inteligente e crítica daquilo que sociologicamente insistem rotular como realidade. Atento com o que acontecia do mundo, ele criou um racha na subjetividade linha dura dos americana. A exposição corre entre 28 de maio e 21 de agosto no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro. Do Rio a exposição vai para Pinacoteca do Estado de São Paulo a partir do dia 2 de setembro. 
  • O Museu Casa do Pontal, do Rio de Janeiro, e o Museu Nacional de Brasília inauguraram nesta semana exposição “O Brasil na Arte Popular que conta com 1.500 obras de 70 artistas populares de 13 estados pertencentes ao Museu da Casa do Ponta. A mostra vai até o dia 26 de julho com entrada franca.
  • Uma das bandas que mais ficaram conhecida da 3a geração de ska-rock (3rd tone) foram os americanos do Sublime que terminou devido a morte do líder Bradley Nowell nos anos 90 agora estão de volta com um novo vocalista e guitarrista Rome Ramirez. Agora com um novo nome, Sublime with Rome, o grupo se apresentará amanhã (22) no Rio no palco do Circo Voador as 20 horas. Ingressos só com cambistas.
  • A talentosa cantora maranhence que amarronzeceu no gosto da mídia e que nas palavras de um jornalista canta uma mistura de Clara Nunes com Roberto Carlos. A cantora entretanto agora é empresária e tem seu próprio selo o Marrom Music que agora vai lançar seu primeiro disco: da própria dona da gravadora, que afirma que vai gravar o que bem quiser sem ninguém para censurar de Armando Manzanero à Charles Aznavour. Conhecedora de samba e com uma vivência passada com outros nomes importantes do samba e da música negra, esperamos que a Marrom Music traga o som dos quintais e terreiros com suas caixinhas de fósforo, tamborim, repique, surdo e aquela cervejinha.

  • Uma das bandas mais engajadas, o Pearl Jam está com todo o fôlego. Depois de anunciar que voltam ao Brasil (para Brasilia, Rio, São Paulo e Belo Horizonte) em novembro eles já estão comemorando antecipadamente seus 20 anos cheio de envolvimentos e projetos. Além do já noticiado documentário que sairá em setembro, eles estão preparando um livro (escrito e copilado por Jonathan Cohen e Mark Wilkersone) e a trilha sonora para a ocasião. E haverá uma grande festa de 20 anos que começará com o engajamento no festival do Dia do Trabalhador americano em setembro no Alpine Valley Music Theatre na cidade de East Troy, Wisconsin e que contará com convidados como the Strokes, Queens of the Stone Age, Mudhoney, Joseph Arthur, Liam Finn, Glen Hansard e John Doe do  X. A renda será revertida em parte para a Fundação Vitalogy. De lá a banda voará ao Canadá. Haja rock.
  • O francês Miguel Chevalier, um dos pioneiros em arte digital, está expondo obras interativas em “Power Pixels” uma mostra repleta de jardins digitais inerativos  que brotam, crescem e morrem de acordo com o contato com o público .Ela ocorre no Rio de Janeiro esta semana no Oi Futuro do Flamengo, e em Ipanema a partir do dia 26 de graça.
  • A Biblioteca Nacional (BN) que é localizada no Rio de Janeiro está com duas mostras abertas ao público em comemoração aos seus 200 anos.A Biblioteca Nacional uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo e guarda 9 milhões de obras. A primeira mostra é “A chave do tamanho: leituras infantis nas estantes da Biblioteca Nacional” que traz leituras e diversas atividades para crianças até dia 30 de junho. A segunda é “Mostra: Nelson Werneck Sodré: o ideal pela pátria” que traz a história, os livros e cartas (a Drummond, Fidel Castro, Érico Verissimo, etc).
  • Se manda Fortaleza que no Centro Cultural Dragão do mar a semana tá boa. Hoje rola as 18 hrs a Contação de Histórias – Histórias de Ananse, lendas Africanas. Na Terça e quinta (24 e 26) ocorre das  14h às 17h30 a Oficina Encontros de Gravur onde os interessados deverão trazer um kit de goivas e matrizes em MDF e se escrever via educativomac@dragaodomar.org.br. E de terça a seta ocorre o projeto Itaú Cultural – Rumos Artes Visuais 2011 – 2013 – Oficina Teórica Portfólio de Artista, além de palestra com a historiadora e curadora Janaína Melo na terça as 18 horas e pulação com  Antonio Nóbrega que apresenta aula-espetáculo com canções, danças e peças instrumentais sobre uma linha de tempo cultural brasileira de extração popular as 19 horas.

  • O Centro Cultural São Paulo está com a exposição “Henfil nos 20 anos da Gibiteca” em cartaz até 17 de julho, com entrada gratuita. A mostra traça um panorama da obra do cartunista, cujos desenhos se caracterizavam pelo forte teor político-social, trazendo diversos materiais como charges, livros, debates e uma programação musical.
  • O sócio do finado Cine Belas artes, André Sturm, foi indicado para assumir o cargo de diretor do Museu da Imagem e do Som (MIS). A idéia governamental é para que Sturm torne o local mais próximo do público, por meio de exibições de filmes comerciais do acervo do museu e da ampliação de oficinas e atividades. A decisão ainda precisa da aprovação do conselho, mas que tudo indica… Sturm salvará a administração da viradona paulista.
  • Em São Paulo três festivais prometem movimentar o fim de semana da cidade gigante: Natura Nós, MPB Total e Carnafacul, que ocorrem hoje e amanhã. O Natura Nós que ocorre na na Chácara do Jockey trará Jack Johnson, Jamie Cullum, Laura Marling, Roberta Sá, Palavra Cantada, Toquinho e Maria Gadú. O Carnafacul, festival universitário ocorre no Anhembi e traz muitas coisas horripilantes para mostrar que universitário é tapado mesmo. E o MPB Total traz Lenine, Vanessa da Mata e Arnaldo Antunes.
  • Não houve grande novidades na divulgação das pessoas mais influentes da revista Forbes. Eis que o topo da lista, no cume do Olimpo está Lady Gaga. Ela desbancou a débil e reacionário Oprah Winfrey, seguida do cachorrinho poodle Justin Bieber, dos engajados U2 e do dianesco Elton John.. Além disso Lady Gaga bateu outro recorde esta semana. Ela que tem 32 milhões de fãs no Facebook foi a primeira pessoa que superou os 10 milhões de seguidores no Twitter. Ta pra tí… assim gaga não fica gagá.

  • A cidade de Recife está em festa neste fim de semana. Hoje no Teatro Santa Isabel se apresenta com entrada grátis o percursionista Naná Vasconcelos junto com a Orquestra Jovem de Pernambuco.Amanhã (22) o Pátio de Sâo Pedro a partir das 19 horas o lançamento do novo CD do grupo Samba de Coco Raízes de Arcoverde com participação especial de Maciel Salú e Gustavo Azevedo,Banda Finlândia (Argentina), com tudo gratuito. No mesmo dia ocorre as 12 horas o 20º Encontro do Clube do Samba de Recife na Praça Central do Morro Conceição que traz entre outras atrações Karynna Spinelli, Alessandra Leão e Adryana BB com entrada de 1kg de alimento não perecível, ou 1 Vidro com Tampa Plástica para o IMIP. 
  • Estão abertas as inscrições para participar sem apresentação de trabalhos do XV Congresso Brasileiro de Folclore que ocorre de 11 a 15 de julho em S.J. dos Campos, São Paulo. Durante o evento, os participantes terão oportunidade de contato com manifestações folclóricas as mais diversas, como dança, música, artes plásticas e literatura, etravés de conferências, oficinas, mesas redondas, debates e palestras.
  • Um dos grandes nomes do cinema, o cineasta dinamarquês Lars Von Trier foi expulso do Festival de Cannes nesta quinta após criar uma brincadeira dizendo simpatizar com Hitler. Trier fez isto ao ser provocado por jornalista acéfalo (tem no mundo todo). Em comunidado o conselho dirigente do festival “lamenta profundamente que o evento tenha sido usado por Lars Von Trier para expressar comentários que são inaceitáveis, intoleráveis, e contrários aos ideais de humanidade e generosidade que presidem sobre a existência do festival.” Trier explicou que não tem nada contra nenhum povo e nem é nazista. Mas para o festival é persona non grata.
  • Outro que vem dando suas espetadas é o americano Peter Fonda em uma entrevista coletiva ele xingou o maleficente Barack Obama, chamando-o de “traidor de merda” da causa ambiental devido a péssima atuação americana na conteção vazamento de petróleo no golfo do México, em 2010. Petróleo não é água, não…

  • O cineasta David Lynch estará lançando ainda este anomais um álbum de música eletrônica. Porém ainda não se sabe o título e nem quando sairá o album. As informações serão divulgadas nesta semana no festival de Ibiza, onde David dará uma palestra via Skype. Lynch já havia composto a música “Falling” da série de TV Twin Peaks criada por ele, além de colaborar com outras bandas e de ter criado seu selo David Lynch MC, que lançou a cantora afegã Ariana Delawari. Além deste projeto, ele está com uma exposição de pintura e escultura, e um documentário sobre sua relação com a meditação”Transcendendo Lynch” que estréiou ontem e foi filmado por um fã brasileiro Marcos Andrade. Respire…
  • Um evento importante na Área de Saude Mental é II Fórum Paulista da Luta Antimanicomial será realizado no dia 28 de Maio de 2011 das 8h30 às 16 hrs na sede da Associação Franco Rotelli e que terá várias discussões e vivências. As inscrições serão, associacaofrancorotelli@hotmail.com. A sede da Associação Franco Rotelli será inaugurada hoje (21) das 14h00 às 18h00 com atividades que fazem parte da Semana da Luta Antimanicomial. 
  • Começa hoje na Caixa Cultural do Rio de Janeiro o curso extensivo “História da Filosofia em mais 40 Filmes” que nesta segunda edição traz mais 40 cinemas com diversos temas filosóficos para serem debatidos.O curso será realizado de 21 de maio de 2011 a 24 de março de 2012, sempre aos sábados das 10:30 às 15 horas, totalizando 40 aulas. Ao final da exibição de cada filme, Alexandre Costa e Patrick Pessoa, alternadamente, iniciam o debate. Diversos cineastas terão cinemas usados no debate de diversos pensadores comoPlatão, Descartes, Kant, Marx, Nietzsche, Benjamin, Heidegger, Sartre e Foucault. Os cinemas estarão divididos em 10 temas. Diretores como Ingmar Bergman (Gritos e sussurros), Alfred Hitchcock (Psicose), Louis Malle (Um sopro no coração, Trinta anos esta noite), David Lynch (Veludo Azul), Ettore Scola (Um dia muito especial), Alain Resnais(O ano passado em Marienbad ) , Carlos Saura (Bodas de Sangue), Federico Fellini(A estrada da vida), Yasujiro Ozu (Era uma vez em Tóquio), Stanley Kubrick (2001), Leon Hirszman (Eles não usam Black-tie), Glauber Rocha (Terra em transe) Yasuzo Masumura (Cega Obsessão) Friedrich Murnau (A ultima gargalhada) e Jean-Luc Godard (O desprezo, Alphaville). Entrada franca com senhas a partir das 10 horas.
  • A partir de terça (24) a Caixa Cultural do Rio de Janeiro traz a mostra “Andy Warhol 16mm” que traz algumas obras de Warhol completas pela primeira vez ao Brasil como Sleep e Empire com 5 e 8 horas de duração respectivamente. A mostra vai até dia 05 de junho e ainda trará The Chelsea Girls, The life of Juanita Castro, Outer and inner space, Screen Tests, Kiss, Mario Banana#1, Salvador Dalí e The Velvet Underground in Boston entre outros.

Album “Born this way” de Lady Gaga vazou

Maio 20, 2011

Capa de Born This Way (Edição de Luxo)- Clique para ampliar

Depois que várias faixas do novo disco de Lady Gaga “Born this way” de 2011 foram disponibilizadas por aí, o novo álbum de Gaga vazou para a internet ontem, quatro dias antes do lançamento oficial. Histeria total. Legal!!!?

O problema é que além de diversos links falsos de rapidshare, mediafire, megaupload, hotfile, etc, muito dos que foram postados por aí tinham virus. Além disso no próprio forum  da Lady gaga há informações de que em alguns locais do mundo o álbum ja foi lançado (como na Alemanha). Esperamos que não entrem em enrascadas por aí.

Este bloguinho acho um torrent que pode ter a edição de luxo (Deluxe edition) com 2 cds, aparentemente sem virus. Há possibilidade de ouvir o novo álbum de Lady Gaga via streaming no site tabloidal inglês Metro.

Com quatro singles já lançados por aí, o álbum estava parcialmente revelado. Hoje foi lançado uma nova faixa oficial remixada Scheiße. Abaixo deixamos a letra:


I’ll take you out tonight, wear whatever you like.
Scheiße-scheiße be mine, scheiße be mine.
Put on a show tonight, do whatever you like.
Scheiße-scheiße be mine, Scheiße be mine.

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Maio 20, 2011
Arles, 17 ou 18 de dezembro de 1888

Alfred Bruyas (1846), CABANEL



Alfred Bruyas, Montpellier, Musée Fabre
Van Gogh continua nesta carta o relatode uma visita ao museu e de uma ala inteira com retratos do colecionador e negociante de arte Alfred Bruyas (Brias):

” Gauguin e eu fomos ontem a Montpellier para ver o museu e especialmente a sala Brias. Existem lá muitos retratos de Brias, feitos por Delacroix, por Ricard, por Courbet, por Cabanel…”

Alexandre Cabanel  foi um pintor acadêmico francês de motivos históricos e mitológicos, nus femininos e retratos. Sua imagética erótica, baseada no historicismo, atraia a burguesia e a classe média. Ele foi um oponente determinado dos Impressionistas, especialmente Manet, apesar de que a recusa da forma da academia mostrar a importância de novas idéias e fontes de inspiração que eventualmente provam ser o que não é feito na academia.

O pintor nasceu em Montpellier em 1823. Seu talento em desenho se tornou evidente quando ele tinha 11 anos de idade.  Seus pais não tinham condição de pagar por seus treinamentos, mas em 1839, o departamento de seu pai o deu uma permissão para ele ir à Paris. Na cidade grande ele conseguiu entrar na École des Beaux-Arts de Paris aos 17 anos sendo aluno de François-Édouard Picot com quem aprendeu a pintar da maneira clássica e antiga, mas logo adotou um estilo mais moderno e natural de si próprio. Ele se apresentou pela primeira vez no Salão em 1843 com “Agonia no jardim”, além de ganhar o Prêmio de Roma dois anos depois com “Morte de Moises”. Ele pintou retratos de seu patrono Alfred Bruyas que mostraram mais claramente o direcionamento de sua arte quando esteve na Itália.

No retorno de Roma, Cabanel recebeu uma comissão do arquiteto Jean-Baptiste Cicéron Lesueur na decoração de 12 pendículos no Salão das des Cariatides no Hôtel de Ville (destruido em 1871). Várias comissões decorativas vieram como trabalhos no  Hôtel Pereire,  Hôtel Say e no Museu do Louvre. Muito foi destruido, mas o teto da Cabine dos desenhos (Cabinet des Dessins) no Louvre, O triunfo de Flora, que combina os contornos difíceis e acabamento cuidadoso da escola de Ingres com uma composição e cor que lembra os tetos do Rococó Francês, é provavelmente típico do talento de Cabanel para conseguir efeitos suntuosos.

Sua pintura mais  famosa “Nascimento de Vênus” mostra uma influência da arte de Ingres e foi exposta no Salão de 1863, e comprada por Napoleão III.  Neste mesmo ano ele se tornou professor da Escola de Belas Artes. Em 1867 outra pintura sua Paraiso Perdido foi feita para Ludwig II, Rei da Bavaria e no ano seguinte Ruth foi feita para Imperatriz Eugénie. Muitos dos seus retratos foram feitos pela aristocracia.
As pinturas de Cabanel foram sempre desenhadas e pintadas com um alto grau de virtuosidade acadêmica, cobinada com uma tendência de um forte sentimento, como pode-se notar na Morte de Francesca da Rimini e Paolo Malatesta (1870; Paris, Museu d’Orsay). Isto o fez popular durante a vida, mas foi uma combinação errada para o gusto das gerações futuras. Depois de sua morte sua reputação entrou em colapso.
O pintor partiu em 1889. Durante diversas vezes Cabanel foi júri do Salon e foi premiado pelo mesmo 3 vezes. Ele teve diversos pupilos que se tornaram famosos como Benjamin Constant, Eugène Carrière, Cormon, Bastien-Lepage, Aristide Maillol, etc. O pintor ainda ganhou o título de Oficial da legião de honra e membro do Instituto da França (junto com Jean-Léon Gérôme e Isidore-Alexandre-Augustin Pils). Durante sua vida o pintor recebeu muitas comissões principalmente de retratos, estilo do qual ele era especialista.

Retrato de Alexandre Cabanel
Considerada a grande obra de Cabanel “O nascimento de Vênus” de 1863 que hoje está no Museu d’Orsay em Paris.
________________________________________________________________________
Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.