Archive for Agosto, 2011

Receitas Caseiras: Moqueca de camarão nordestina

Agosto 24, 2011

Corisco- Mundinho, me fale uma coisa. É verdade que aquela moqueca que tinha no rastapé noutro dia era de sua mulher?

Raimundo NonatoNão homi, era de todos do arraiá…

Corisco- Certo… Mas foi ela que fez?

Raimundo NonatoNão, foi euzin…

Corisco- Esta eu queria ver… um cabra macho como você na cozinha? Num credito…

Raimundo Nonato Deixa de ser assim home… Tu sabe que não tem mais estas coisas. Até cabra-macho vai pra cozinha e ajuda na casa.

Corisco- Tu tem razão…Mas no meu caso a única coisa que eu sei fazer na cozinha é construir e montar a cozinha… Foi eu que fiz a lá de casa. E por falar em cozinha, minha comadi Fulozinha quer a receita de tua moqueca de camarão que é arretada demais.

Raimundo NonatoEla quer mesmo é…. Mas é pra levar pra festa beneficente do pessoar da seca?

Corisco- Esta mesma… Tu pode passar?

Raimundo Nonato Mas é claro Corisco… Estas coisa quando não é de pai pra filho é de inxirido pra conhecido…

Corisco- Sempre com a molestia do seu humor… Pode dizer que eu guardo aqui na cuca, memória que cabe tudo

Raimundo NonatoMas é muita coisa pra ingrediente… Mas vou confiar em ti… Anota aí …. 500 gramas de camarão médio rosado sem casca, 3 batatas grandes, 1 pimentão grande, 2 tomates grandes, 1 cebola grande, 1 maço de cheiro verde, 1 garrafa de 250 ml de azeite de dendê, 1 garrafa de 250 ml de leite de coco, Sal a gosto.

Corisco- Já acabou…? Tá tudo guardado. Tu não sabe que minha cabeça é que nem de anta esfomeada. É só falar em comida que paremo pra prestar atenção.. Agora explica como faz..

Raimundo Nonato


Cozinhe a batata com casca por 5 minutos, para que ela fique um pré-cozida. Lave o camarão com água e limão antes do preparo e deixe escorrer. Refoga em uma cassarola larga os 250 ml de dendê com todo o camarão, além de uma pequena porçaõ da cebola, pimentão , tomate cortado em cubos durante 5 minutos. Enquanto está refogando corte o restante da cebola, tomate, pimentão e também as batatas em rodelas graudas, junto com o cheiro verde bem picado. Adicione o todo o conteudo do leite de coco no refogado misturando levemente. Em seguida acrescente as rodelas de batata seguidas da cebola, pimentão, tomate, cheiro verde e umas pitadas sal. Tampe por alguns minutos e mexa levemente organizando as camadas dos ingrediente (camarão em baixo, com as batatas e os vegetais em cima. Observe por mais alguns minutos o sabor e consistência grossa e apurada do caldo. Sirva com arroz branco.

Corisco- Eita que com esta moqueca e um arrozinho o evento vai ser um sucesso. E a Felomena que é toda invejosa vai querer saber logo quem fez para poder desdenhar… Mas não esquenta não Raimundinho… Que ela vai se empanturra que nem pensará na fofoca… Vou correndo contar esta pra minha Fulozinha que me espera… Obrigado cumpadi Nonatin e até mais ver…

Raimundo Nonato- Até logo Corisco… Eu sei que tu vai chegar tão rápido quanto um cangaçeiro com fome…


 

Tréplicas, réplicas…

Agosto 24, 2011

Réplica: capa do disco do Paladin- Charge (1972)

 

Tréplica: capa do disco do Quinteto Violado (1972)

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Agosto 23, 2011
Saint-Remy-de-Provence,25 de junho de 1889

OS GRANDES MESTRES DA LITERATURA

FRANÇOIS MARIE AROUET VOLTAIRE


Retrato deFrançois-Marie Arouet Voltaire  feito por Nicolas de Largillière (1718)

Van Gogh escreve suas composições e elocubrações da produção humana através da  literatura:

Reli com muito prazer Zadig, ou O destino, de Voltaire. É como Candide. Nele ao menos o poderoso autor deixa entrever que resta uma possibilidade de que a vida tenha um sentido, “embora conviessem na conversa que as coisas deste mundo nem sempre acontecem ao gosto dos mais sábios…”

Francois Marie Arouet Voltaire  é  um autor, crítico, ensaista, historiador e filosofo do iluminismo francês. Seu trabalho mais conhecido “Candido ou O otimismo” é um exame satírico em tetmas numerosos como religião, filosofia e governo, escrito com uma sagacidade rasgada e ceticismo que Voltaire empregou em tanto dos seus trabalhos.Traduzido para diversas línguas e adaptado para palcos e cinemas, a sua obra continua a ser bastante lida por mais de dois séculos. Ele escreveu 56 peças,além de dialogos, livros históricos, romances, histórias, poesia, poemas épicos, ensaios, trabalhos científicos, panfletos, resenhas de livros e mais de 20.000 cartas.

Nascido em Paris em 21 de novembro de 1694, filho mais novo de um tabelião, François Arouet, tinha o desejo de que seu filho seguisse seus passos e entrasse na profissão ligada a juridicidade via uma educação clássica por isso matriculou seu filho no Colégio Jesuita Louis-le-Grand em 1704.Nos sete anos seguintes, enquanto a orientação dos jesuítas, o espírito rebelde e questionador de Voltaire se desenvolveu. Ele desenvolveu o amor pelo teatro e começou a escrever poemas satíricos apresar da censura estrita das leis de seu tempo, algumas daquela que lhe levaram a infame prisão Bastilha em 1717 (há relatos à criticas ao regente Philippe II D’Orleans). Enquanto esteve na prisão ele começou a usar sua caneta com nome “Voltaire”, escreveu seu poema épico celebrando a vida de Henrique IV “Henriade”, e trabalhou na sua tragédia de sucesso Oedipe .

Em 1726, quando um jovem nobre da família Rohan se sentiu ofendido pelos escritos de Voltaire principalmente devido a entender que fora retratado como um tolo. Há quem diga que Voltaire o desafiou para uma luta de esgrima que acabou não acontecendo já que o nobre fez com que lhe espancassem e mandassem para Bastilha, sendo libertado somente após prometer deixar a França. Então ele fez residência na Inglaterra por três anos onde ele foi bem vindo por muitas figures literárias e assistiu muitas montagens de peças de William Shakespeare. Ele também continuou sua produção prodígia de ensaios e escreveu uma biografia para Charles II da Suécia. Ao retornar para França ele escreveu um número de peças, dramas e tragédias como Brutus (1730), Zaïre (1732), Eriphile (1732), Mahomet (1742), Mérope (1743), Sémiramis (1748).

Voltaire sempre foi um critico do sistema real e da correlação suja entre a monarquia e a igreja. As leis também eram alvos de críticas, já que o sistema judiciário na França era bastante injusto. Primeiro para obter uma hora com um juiz era necessário pagar e este juiz poderia prender sem necessidade de um julgamento graças a uma carta secreta de uma pessoa de influência. Além disso a justiça poderia confiscar todos bens dos presos.

Enquanto esteve inicialmente banida na França devido ao criticismo a igreja e ao estado na França, as Cartas de Voltaire a respeito da Nação Inglesa (1733) são consideradas um dos trabalhos literários definidores do iluminismo e da Revolução Americana de 1776. Posteriormente apareceram na França com o título de Cartas Filosóficas- Lettres Philosophiques (1734). Ele também ganhou a atenção da Madame de Pompadour cuja influência lhe fez ganhar posições como Historiógrafo Real e membro estimada Academia Francesa em 1746. Algum tempo depois, Voltaire viajou para Berlim onde foi convidado a viver na corte de Frederico II.

Pelo resto de sua vida o escritor passou pouco tempo na França, vivendo com freqüência em suas fronteiras. Alguns de seus livros foram produces mais maduras The Age of Louis XIV (1752), Micromegas (1752), Candido (1759), Tratado sobre a Tolerance (1763), L’Ingénu (1767), e La Princesse de Babylone (1768).

Embora seus últimos dias foram passados em Paris, onde ele fora recebido como herói, ele morreu logo depois em 30 de Maio de1778 aos 83 anos. Assim como Victor Hugo e Emile Zola ele descança no The Pantheon de Paris em uma tumba trabalhada. Apesar de muitas dificuldades, Voltaire teve seu reconhecimento e teve depois dos 40 anos uma vida bastante tranqüila financeiramente . Em vida vários de seus escritos foram banidos pela corte.

Contracapa da primeira Edição de Zandig

______________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

LADY GAGA LANÇA NOVO CLIPE E MOSTRA QUE VEM DA PARAÍBA

Agosto 22, 2011

O quarto video do novo disco da Lady Gaga começou a circular pela internet. A música que já havia estourado por ai agora tem uma versão em vídeo nova. Trata-se da música You and I.

E neste clipe ela mostrou que vem da Paraíba, sendo mulher-macho sim senhor. Sabemos que obviamente nunca ela se tornará macho já que nasceu  fêmea, mas no campo das criações tá valendo.

Você e eu mostra uma nova Gaga… Então segura ela que ela já vem encostando atrás neste novo vídeo

Photo graphein: Jan Masny

Agosto 22, 2011

Histórias das músicas brasileiras

Agosto 21, 2011

Carioca nascido em 1936, Wilson das Neves é considerado um dos maiores bateristas deste país, além de ser um ótimo percussionista. Foi iniciado na música aos 14 anos de idade, pelo percussionista Edgar Nunes Rocca, “O Bituca”. Aos 21, tornou-se baterista da Orquestra de Permínio Gonçalves e mais tarde acompanharia o Conjunto Ubirajara Silva, a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o Conjunto Ed Lincoln e as orquestras da TV Globo e TV Excelsior e trabalharia na Rádio Nacional.

Sua carreira musical é conhecida internacionalmente e dificilmente quem conhece música brasileira, não tenha ouvido suas batidas, já que ele gravou mais de 250 discos com maiores nomes de nossa música como Nara Leão, Elis Regina, Leila Pinheiro, Nelson Gonçalves, Tim Maia, Chico Buarque, Gonzaguinha, Beth Carvalho, Elton Medeiros, Paulinho da Viola, João Bosco, Clara Nunes, Clementina de Jesus, Raul de Barros, Moacir Santos, Elza Soares, Wilson Simonal, Mart’nalia, Monarco, Walter Alfaiate, Martinho da Vila, Cartola, Marçal, Luiz Melodia entre outros. Fora do Brasil gravou discos com Sarah Vaughan, Toots Thilemans, Sy Oliver e Michel Legrand.

————————–———————-———————————-——–———————–

Ô, sorte!
“Não fui eu que inventei (o bordão).

A história é a seguinte: Roberto Ribeiro era cantor e se apresentava aos sábados nas reuniões do Império Serrano. Mas, como sou músico, esse era o meu dia de trabalho. Quando o Roberto descobriu que eu também era Império, ele falava ‘ô, sorte!’, sorte de ser imperiano. A partir daí, sempre que nos encontrávamos, falávamos a expressão. Na verdade, para mim, esse ‘ô, sorte!’ é um agradecimento a Deus e aos orixás que me protegem.”

Elizeth, a divina
“Trabalhava na Rádio Nacional quando ela montou um conjunto e me chamou para fazer parte dele. Foram 25 anos tocando juntos. Fizemos shows pelo Brasil e pelo mundo. Argentina, França, Japão… Ah, a Elizeth era divina. Maravilhosa, amiga, autêntica, honesta com ela mesma e cantava uma barbaridade. Pode nascer cantora melhor, mas igual a ela, nunca terá. Ela se emocionava com o que fazia, sabe? São muitas recordações. Tinha dia que ela me ligava e perguntava: ‘Quer comer o quê? Peixe? Então compra que eu vou fazer!’. Daí, ela ia lá pra casa, na Ilha do Governador, e cozinhava siri, carne seca com abóbora… Elizeth adorava porque era naqueles momentos que podia ser ela. Não tinha ninguém pedindo para cantar, não tinha ninguém fazendo pergunta boba. Lá, ela podia ser igual a todo mundo.”
Saiba mais…
O sambista Wilson das Neves conta histórias dos 57 anos de carreira

Chico Buarque
“O Chico não tinha uma banda. Era tudo muito simples: ele ia jogar bola e depois fazia o show com o pessoal que jogava pelada com ele. Foi só em 1982 que ele decidiu formar um grupo e me convidou para participar. São quase 30 anos nos apresentando juntos, mas, por enquanto, só criamos Grande hotel. Já dei para ele outras duas melodias, mas ainda não pintou a ideia. Ela virá na hora certa. O Chico é recatado, observador. Quando você acha que ele está por fora de algo, na verdade, ele está por dentro e entendeu tudo.”

Paulo César Pinheiro
“Um dia, fui fazer uma melodia com Raphael Rabello, que era cunhado do Paulo César Pinheiro, para homenagear minha neta que tinha nascido havia pouco tempo. Quem ia colocar a letra era o Aluísio Machado, compositor da Império Serrano, quando o Raphael perguntou: ‘Por que você não dá essa pro Paulo César? Liga pra ele!’. Eu liguei, dei a música e, de 1973 pra cá, já foram mais de 80, como O samba é meu dom e Partido do tempo.”

Assédio
“Era 1962 e eu trabalhava na Rádio Nacional, quando, ao passar por um corredor, vi Cyro Monteiro conversando com Ivete Garcia. Aquela mulher era um monumento da beleza e ele dizia: ‘Ivete, não precisa ser hoje. Pode ser amanhã, pode ser daqui um mês ou daqui a um ano, quando você não se quiser mais, você se dá um pouquinho pra mim?’. Contei essa história para o Walter Alfaiate e para o Nei Lopes. Tempos depois, chega para mim um envelope escrito: ‘Samba-canção para o Wilson musicar’. Era uma composição inspirada nesse episódio e dizia: ‘Com cuidado e com perseverança/ As maiores alturas se alcançam/ O túnel mais longo sempre tem uma luz lá no fim/ Pode ser amanhã, mês que vem, tanto faz / Se demorar um tempão ou um tempinho assim/ Mas quando você não se quiser mais, se dê um pouquinho pra mim’. Assim surgiu a música que batizei de Assédio.”

Império Serrano
“Minha mãe, Maria de Lurdes Neves, era da ala das baianas do Império Serrano. Assim, não tinha como ser outra coisa, foi a escola que eu aprendi a gostar. Já fui ritmista, diretor de bateria e, hoje, sou benemérito da ala de compositores. O Império está em mim, é só ouvir as minhas músicas: O samba é meu dom, Fundamento, Imperial, Velha Guarda do Império… Há 40 anos desfilo pela escola e, onde ela for, vou atrás.”

 

Entrevista à Carta Capital

 

Wilson das Neves e sua parceira de longa vida a bateria

 

Malandro é malandro…. E malandros são malandros: Noca da Portela, Nei Lopes, Wilson Das Neves

 

É samba, pode chamar o Wilson… Na foto Jamelão, Paulinho Carioca e Wilson

Pessoal ralando muito… o copo nos lábios… Na foto Walter Alfaiate, Wilson das Neves, Delcio Carvalho, ?? e Moacyr Luz

Wilson das Neves, integrante da Velha Guarda da Império Serrano

Wilson das Neves e Chico Buarque

Dois grandes bambas do nosso samba mostram que a escola é escola independente de morro, nome ou tradição:  Tantinho da Mangueira e Wilson das Neves

 

Notas roubadas

Agosto 20, 2011

  • A bela e envolvente cantora nigeriana Sade mandou avisar que em outubro fará pelo menos um show de sua turnê no Brasil. Com uma música calma e dançante, Sade conquistou o mundo na década passada. Agora aguarde o contato deste bloguinho para mais informações.

 

  • Começa nesta segunda (22) em Teresina o 4° FestLuso, Festival de Teatro Lusófono, que trará pelo menos peças de 5 países que falem português : Brasil Portugal, Angola, Moçambique e Cabo Verde . As atrações serão no Theatro 4 de Setembro, Teatro Municipal João Paulo II, Espaço Cultural Trilhos e na praça Pedro II. Aproveite e seu en-gajo.

 

  • O Cineclube Curta Doze e Meia em Recife apresenta nesta  quinta (25) alguns documentários sobre música e tradição nordestina. No cardápio  estão O Baque da Zabumba Centenária contra o Tic-Tac do Tempo, Alma Carioca – Um Choro de Menino (sobre a história do choro); Mitos do Mondo: Como Surgiu a Noite?, São Cosme Damião e Leão de Ouro – Manobras e Evoluções

 

  • São Paulo será palco do “Festival Mundial de teatro de bonecos” que reúne companhias da Europa, América Latina e do Brasil e que será realizado só este fim de semana (20 e 21). Os espetáculos serão realizados no Parque do Ibirapuera e no Teatro do Sesi, e contarão com oficinas e exposições trazendo obras de grandes nomes como Victor Antonov (Rússia), Companhia Hugo e Inês; La Santa Rodilla (O Santo Joelho) ambas do Peru, Giramundo do Brasil entre outras.

 

  • Mino Carta é um dos mais conhecidos jornalistas do Brasil principalmente pela sua inteligência e envolvimento com um jornalismo não alienante. Mas o que poucos sabem é que Mino também é um grande pintor, pintando o que existe desde o amor, a perplexidade, o erotismo.  25 de seus trabalhos em óleos estarão expostos até o dia 3 de setembro, sob organização de Valdemar Szaniecki, na ampla Ricardo Camargo, galeria de inspiração nova-iorquina da cidade.  Assim como há jornalismos que não são de mercado, há artes sem mercado.

 

  • O Instituto Moreira Salles (IMS) no Rio de Janeiro será palco até a próxima quinta (25) da “Mostra Steve McQueen e James Stewart” que traz alguns filmes com preços praticamente populares. Os americanos são dois atores muito presentes em filmes com heróis atuando em clássicos como O homem que matou o facínora, de John Ford (1961), e os dois filmes de Alfred Hitchcock, Janela Indiscreta (1954) e Um corpo que cai (1958) e Junior Bonner, de Sam Peckinpach (1972). Além disso haverá filmes mais conhecidos com A felicidade não se compra de Frank Capra,  Bullit de Peter Yates, entre outros

 

  • Amy Winehouse está com todas as bolas… Esta semana primeiro houve o fato que Pete Doherty dedicou os shows de um festival para Amy. Mas logo os americanos do Green Day em um show supresa tocaram uma música nova que se chamava Amy. Logo todos perceberam que era um canto à cantora. A letra pode ser vista no sítio dos caras.

 

  • Madonna está preparando seu novo disco e isto já é motivo para alardear muitos. Entre eles o músico Andy Butler, da banda nova-iorquina Hercules and Love Affair, que em entrevista esta semana diz ser essa é uma boa oportunidade para a cantora mudar sua atitude fazendo músicas mais apropriadas para a sua idade.  Ingênuo Andy, não sabe que a música assim como qualquer produção cultural humana não tem idades…Afinal, nem existe idades, certo¿

 

  • Uma das artistas mais conhecida pelas Américas, Yoko Ono,  depois de anos  de não divulgação, divulga agora no YouTube e na íntegra o documentário Bed Peace, feito em 1969 para criar um movimento pela paz mundial. Com 70 minutos, este cinema só ficará disponível até amanhã… Corra e baixe enquanto há tempo. Yono diz que  ela e “John(…) éramos tão ingênuos em pensar que fazer um protesto na cama ajudaria a mudar o mundo”.

 

  • O cineaste, yogista, escritor e músico nas horas vagas David Lynch está lançando um novo projeto: seu disco solo onde tocará violão e cantará. Este novo disco intitulado Crazy Clown Time (A hora do palhaço doido) contará com uma convidada: Karen O, a vocalista doe the Yeah Yeah Yeahs que cantará na faixa “Pinky’s Dream.” Que David continue em sua música e logo caia no samba…

 

  • O baixista Krist Novoselic , da banda que se findou há algum tempo, o Nirvana, vai celebrar o 20 aniversário do classic album Nevermind, tocandoao vivo em um show beneficente, as músicas do album com músicos de Seattle. O concerto ocorrerá no dia 20 de setembro e sera realizado na igreja “Sky Church venue” pelo projeto” Experience Music Project”

 

  • O Rio de Janeiro será sede de uma megaexposição chamada “ArtRio (Feira Internacional de Arte Contemporânea do Rio) “ que contará com 80 galerias do mundo que trazem obras de Picasso, Volpi John Baldessari e Hélio Oiticica. A mostra que ocorrerá entre os dias 8 e 11 de setembro, no Piér Mauá terá metade das galerias com a arte brasileira, além intervenções urbanas, visitas guiadas e até oficinas de vídeo.

 

  • Uma novela americana do rock and roll. É o reencontro da banda de metal Black Sabbath que ninguém sabe se acontecerá. Primeiro uma entrevista recente com Tony Iommi para o Birmingham Mirror e uma nota no sítio na qual conta que a formação original do Black Sabbath estava se reunindo para fazer um novo álbum e turnê.  Depois a recusa do resto da banda em comentar a história. Depois o  produtor de Tony Iommi alegou que o guitarrista não havia conversado com o jornal desde junho e depois o próprio Iommi negou que haverá reunião..e que  Black Sabbath não está gravando um novo álbum e planejando uma turnê, sendo ele vítima do jornalismo. Com a volta ou não este caso já pode virar uma novela americana como a própria invasão mundial é uma novela.

 

  • Em São Luiz, a Praça da QE 40, no Guará II  receberá hoje (20) a partir das 17 uma das mais antigas brincadeiras carnavalesca em atividade, o Bloco Tradicional Pierrot.  O evento contará com Teatro de Rua dos Candangos, o Boi de Seu Teodoro e muita festa. A vida é um carnaval.

 

  • Em Belém do Pará acontece hoje no Parque dos Igarapés o lançamento do Prêmio Curupira de Música Independente da Amazônia, que contará com uma Jam-Bú Session dos músicos Léo Chermont (guitarra/Pa), Adriano Souza (bateria/Pa), Nazaco Gomes (percussão/Pa), Luiz Félix (guitarra/Pa) e as cantoras Iva Rothe (Pa) e Lu Guedes (Pa).   Porém a grande vedete da festa é o carimbó feito pelo Curupira Antenado que contará com integrantes “Carimbó de Icoaraci”,  os mestres Jacó e Pedro Coutinho, do Grupo Uirapuru – do Mestre Verequete.  O lançamento ocorre no Espaço Jungle do Parque dos Igarapés no Conjunto

 

  • E falando em música paraense começa amanha(21) com o tema “Legado, Trajetória, Dedicação” o XXIV Festival Internacional de Música do Pará que até o próximo domingo (28).  A programação acontece em diversos espaços da cidade e contará com apresentação de grupos como Sexteto de 7 (22, na igreja de Santo Alexandre), Banda Sinfonica da Fundação Carlos Gomes, o Grupo Tambores do Conde de Barcarena, a Orquestra Sinfônica do teatro da Paz e o Trio Quaternura. O festival homenageará três nomes importantes da nossa música Almeida Prado, Radegundis Feitosa e Guilhermina Nasser, falecidos em 2010. Confira a programação.

 

  • Nesta última semana, uma das bandas mais experimentais em termos de musicalidade, o Sigur Rós, disponibilizou em seu sítio um clipe misterioso chamado Inni. Porém já descobrimos ser uma palinha do filme Inni, que também será lançado junto com o álbum em novembro pela XL Recordings. O diretor do cinema é Vincent Morisset.

 

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Agosto 19, 2011
Saint-Remy-de-Provence, 19 de junhode 1889

OS GRANDES MESTRES DA LITERATURA

WILLIAM SHAKESPEARE

Retrato de William Shakespeare pintado por um desconhecido em 1610

Van Gogh escreve suas composições e elocubrações da produção humana através da pintura e literatura:

Gauguin, Bernard ou eu talvez fiquemos todos no meio do caminho, talvez não vençamos , mas também não seremos vencidos, talvez não estejamos aqui para nossa própria vitória, mas para consolar ou para preparar uma pintura mais consoladora.

O que qui para ler de quando em vez seria um Shakespeare. Existe por um shilling, o “Dicks shilling Shakespeare” que é completo. Não faltam edições, e acho que as mais baratas não são mais alteradas que as mais caras. Em todo caso não quero nenhuma que custe mais de três francos”

William Shakespeare, conhecido como o “Bardo de Avon” ou o “poeta nacional da Inglaterra”, foi um poeta, escritor e teatrólogo inglês cujo as peças revolucionaram a concepção de todo o teatro. Primeiramente por se tratar de um teatro social, feito para o povão, e também por que suas peças transformaram a estética do teatro- incluindo o romance nas tragédias e uma linguagem rebuscada e poética rica em metáforas, versos brancos, –  além da montagem de peças, além de criar diversos clássicos inesquecíveis que foram adaptados por incontáveis vezes.

Ele nasceu em Stratford-upon-Avon em Warwickshire e foi batizado em 26 de abril de 1564. Seu pai, William Oldys, foi um fazedor de luvas e mercador de lã (que também participou da administração pública) enquanto sua mãe, Mary Arden, era filha de dono de terra bem abastado. Ele provavelmente foi educado na escola de letras de Stratford. Em 1577, quando Shakespeare tinha por volta de 13 anos a fortuna do pai começou a decair e a família teve que dar a hipoteca de uma das casas como seguro para um empréstimo para o tio de William, Edmund Lambert. Mas isso foi só o começo e logo o garoto deixará a escola e trabalhará em um mercado.

Ainda jovem Shakespeare se casa em 1582 com Anne Hathaway, filha do fazendeiro, tendo uma filha que seguiu de um casal de gêmeos em 1585.

Já adulto Shakespeare começa a estudar teatro e passou sua carreira com a Companhia Lord Chamberlain que foi renomeada para Companhia do rei em 1603. Dentre os atores do grupo estavam o conhecido Richard Burbage, e a parceria cativou interesses de dois teatros, o Globe e o Blackfriars, da área londrina de Southwark, proximo do rio Thames .

Porém antes de brilhar no teatro Shakespeare publicou sua poesia por volta de 1593, dedicando ao seu patrono Henry Wriothesley, Conde de Southampton. A maioria dos sonetos do teatrólogo foram também escritos nesta época.  Suas peças começam a aparecer em 1594 e continuam a serem escritas até 1611, com praticamente duas a cada ano. Suas primeiras peças como ‘Henrique VI”, ‘Titus Andronicus”, “Sonho de uma noite de verão’, “O mercador de Veneza” e “Ricardo II”  datam da segunda metade da década de 1590. Suas maiores tragédias foram escritas no ínicio da década de 1600 incluindo ‘Hamlet’, ‘Othello’, ‘Rei Lear’ e ‘Macbeth’. Sua última peça, também conhecida como Romances data posterior a 1609 e inclui ‘A tempestade’’.

Shakespeare passou seus ultimos cinco anos em Stratford, já tendo conseguido algum dinheiro tendo um fim de vida tranqüilo. Ele deu sua deixa no dia 23 de abril de 1616, sendo seu corpo enterrado na Igreja Santissima Trindade em Stratford. A primeira edição completa coletada de seus trabalhos foi publicada em 1623 e são conhecidos como ‘the First Folio’ (O primeiro fólio)

______________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Devir/Dançar

Agosto 18, 2011

Nostro movimento de quinta-feira traz algumas poesias que alguns autores escrevem sobre a dança. Desta forma temos uma polifonia de movimentos signicos sobre os movimentos da dança. Assim como a arte de dançar, escrever é escolher os passos/palavras e se deixar envolver e a partir das virtualizações escolhidas compor o movimento do texto.


A menina dança sozinha
por um momento

A menina dança sozinha
com o vento, com o ar, com
o sonho de olhos imensos…

A forma grácil de suas pernas
ele é que as plasma, o seu par
de ar,
de vento,
o seu par fantasma…

Menina de olhos imensos,
tu, agora, paras,
mas a mão ainda erguida
segura ainda no ar
o hástil invisível
deste poema!

(Mario Quintana)

A dança? Não é movimento,
súbito gesto musical
É concentração, num momento,
da humana graça natural.

No solo não, no éter pairamos,
nele amaríamos ficar.
A dança – não vento nos ramos:
seiva, força, perene estar.

Um estar entre céu e chão,
novo domínio conquistado,
onde busque nossa paixão
libertar-se por todo lado…

Onde a alma possa descrever
suas mais divinas parábolas
sem fugir a forma do ser,
por sobre o mistério das fábulas.

Viola de bolso(1950-1967)
Carlos Drummond de Andrade

 

“A Serpente que Dança”

Em teu corpo, lânguida amante,
Me apraz contemplar,
Como um tecido vacilante,
A pele a faiscar.
Em tua fluida cabeleira
De ácidos perfumes,
Onda dolorosa e aventureira
De azulados gumes,
Como um navio que amanhece
Mal desponta o vento,
Minha alma em sonho se oferece
Rumo ao firmamento.
Teus olhos, que jamais traduzem
Rancor ou doçura,
São jóias frias onde luzem
O ouro e a gema impura
Ao ver-te a cadência indolente,
Bela de exaustão,
Dir-se-á que dança uma serpente
No alto de um bastão.

Charles Baudelaire


Photo Graphein: Frank Horvat

Agosto 18, 2011