PROJETO IMAGENS DO POVO MOSTRA UM MUNDO QUE AS FORÇAS DOMINANTES QUEREM NEGAR

Tudo começou quando João Ripper, artista de grande acuidade visual/política e talento e profundo observador das existências das comunidades mais desfavorecidas, em 2004, foi convidado pelo Observatório de Favelas, para fazer algumas fotografias da Favela da Maré. Durante a realização das fotos, João Ripper, foi fazendo amizade com os moradores e descobriu o grande interesse por fotografia. Daí, não deu outra: ele iniciou um curso de fotografia. Em maio de 2004, foi formada a primeira turma composta por 22 alunos/fotógrafos.

Em 2006, aumentou a carga horária do curso e João Ripper convidou, para trabalhar com ele, o professor de fotojornalismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Dante Gastaldoni, para ser o coordenador acadêmico do curso.

“Naquele ano eu estava completando 30 anos de magistério e o curso foi um presente. Fiquei encantado com a receptividade. Aqui há uma desorganização criativa, uma liberdade, que não se encaixa nos cânones do sistema de créditos. O projeto tem pulsação própria, a sensação de pertencimento que há aqui não existe na universidade.

Mesmo com essa desorganização criativa, temos critérios firmes. Ao final do curso, cada aluno apresenta um projeto e é avaliado por uma banca. Se o processo avaliativo não fosse sério, não teria a chancela de universidades federais”, observou Dante.

Antes os certificados eram emitidos pela Universidade Federal Fluminense (UFF), agora é pela UFRJ. Uma das grandes realizações do projeto é a criação dos Educadores em Fotografia. Os alunos formados são responsabilizados para ministrar oficinas. A importância dessa experiência é testemunhada por Ratão Diniz, educador-fotográfico formado pelo projeto cuja tese defendida por ele foi o grafite.

“Tem a ver com a democracia, com direito à comunicação, a mudança do olhar. Por isso, não gosto de dar aulas se perceber que o trabalho não vai ter continuidade. Tenho planos de fazer uma viagem pelo interior do Nordeste fotografando, mas também ensinando a fotografar. E planejo deixar a câmara quando for embora de cada cidade”, observou Ratão Diniz.

Para quem pode vivenciar as fotos que revelam Imagens do Povo, dos artistas que fazem parte do projeto, é só dá uma chagada no Rio. As imagens mostram situações das populações ricas em dignidade, beleza, inteligência, sensibilidade e, acima de tudo, vontade de construir uma existência humanizada.   

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: