INVERSÃO DO SAMBA “NEGA MALUCA” NO BOLSA FAMÍLIA

 

Heitor-dos-Prazeres_Tres-Malandros-na-Sinuca

Quem não sofre populosfobia, quem não é traspassado por um intelecto limitado e quem não é invejoso, sabe que o Programa Bolsa Família não se reduz à mera distribuição de renda para os que vivem na faixa de pobreza. E nem tão pouco, se reduz, ao beneficiado, em uma simples posse de uma cifra financeira.

O Programa Bolsa Família se desdobra em outros territórios sociais encadeando códigos como outros dizeres educacionais, sociais, médicos e econômicos. Quem recebe esse benefício se desterritorializa de seu antigo território de exclusão para se reterritorializar em um território de inclusão. A escola, o atendimento odonto-médico, o supermercado, a compra de objetos para os filhos e outras relações que o benefício proporciona na sociedade constrói a autoestima deste que é beneficiado.

Assim, quem não sofre dessas atrofias intelectual, psicológica e moral, sabe que o Bolsa Família não se reduz a si mesmo. É aí que entra o samba Nega Maluca. “Estava jogando sinuca/Uma nega maluca me apareceu/Vinha com o filho no colo/ E dizia pru povo/Que o filho era meu/Não senhor/Tome que o filho é seu/Não senhor/Guarde o que Deus lhe deu.

Uma jovem tem um filho. O pai desparece. Um dia, o rapaz está jogando sinuca quando a mãe aparece com a criança no colo entregando-a ao rapaz dizendo que a criança é dela, o ele que nega. A confusão está formada: O filho é seu! Não, o filho não é meu. A criança encontra-se na situação de criança filha de mãe solteira, porque o rapaz não quer assumir a paternidade.

Dois seguimentos podem ser compreendidos porque a jovem procurou o pai da criança. Um, ela não quer que o filho seja visto como uma criança sem paternidade. Dois, ela quer, por direito, que o pai assuma a pensão da criança. Nesses segmentos a moral e a economia se mesclam.

Mas, em tempo de Bolsa Família, dois enunciados se mostram. Um, a mãe, abandonada, não procura o pai. Registra o filho no Bolsa Família. Dois, o pai fica com a mãe porque também quer usufruir do Bolsa Família. Em um entendimento simples, o Bolsa Família também tem a função de unir os pais. Dessa forma, o samba, Nega Maluca, entra em inversão.

Entretanto, algum obtuso pode afirmar: O pai ficou com o filho por interesse, e não por amor paterno. Bem, aí já é tema para outro samba.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: