VIVA O VINIL! SIVUCA & ROSINHA DE VALENÇA

P1010217Estamos no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, participando da gravação, ao vivo, da bolacha-crioula de Sivuca & Rosinha de Valença. Saca o ano, 1977. É mole? Claro que não. Estamos na ditadura. O jornalista Vladimir Herzog acabou de ser assassinado nos porões do Doi-Codi. Ele foi entregue, dedurado, pelo ex-presidente da CBF, José Maria Marin, então deputado de São Paulo, agora, preso pelo FBI por corrupção.

P1010219É quadra junina! É momento de corte no calendário burocrático! É tempo de festa! Depois das bolachas-crioulas das quadrilhas e o bumba-meu-boi do Maranhão, agora o Viva o Vinil apresenta o mestre dos teclados Sivuca e sua companheira, afinadíssima instrumentalista, Rosinha de Valença. Uma dupla só no número, mas, na verdade, um devir-música.

P1010220 P1010221Daí que essa bolacha-crioula tem dois seguimentos históricos que a tornam joia raríssima. Um a gravação ao vivo de dois devires da música brasileira, Sivuca & Rosinha Valença. Dois a singularidade do espetáculo: das Seis e Meia. O que era o espetáculo das Seis e Meia? Simples! Uma novidade de território para que artistas tivessem condição de ter mais uma opção para apresentar suas artes.

P1010226 P1010227 O espetáculo Seis e Meia era o momento em que o público que voltava para casa depois do trampo usava para esperar diminuir a congestionamento causado pelos milhares de automóveis nesse horário. Um achado para os artistas. O funcionário público deixava o trampo e ia relaxar no Teatro João Caetano. E com Sivuca e Rosinha Valença o relax envolvia e mente e o corpo.

Vai uma Feira de Mangaio do devir-musical? Ó,Sô, é pra ‘gora’! Quer voar? Claro, mano! Então, te segura na Asa Branca, de Gonzagão e Humberto Teixeira! Quer um adeus? Se quero, ‘cumpade! Mas pra ficar. Então, fica com Adeus, Maria Fulô, de Humberto Teixeira e Sivuca.

A equipe de produção do Show Seis e Meia só tinha fera envolvida com o cancioneiro brasileiro. E nesse show de Sivuca & Rosinha de Valença se destacam Sérgio Cabral como diretor de estúdio, Albino Pinheiro como coordenador musical do show, Durvla Ferreira, diretor artístico; Luiz Carlos T. Reis e Solon do Vale, na equipe externa de gravação; Nestor Vitiritti, na mixagem; José Oswaldo Martins e Pedro Fontanari, no corte; Ney Távora, diretor de arte; e Ivan Klingen, fotografia.

P1010225 P1010224Além, é claro, das participações especiais das feras Luiz Carlos, bateria; Jamil Joanes, contrabaixo; Darcy, percussão; e Raul Mascarenhas, flauta e sax tenor.

A apresentação do show e da bolacha-crioula é de Sérgio Cabral.

P1010228 (2)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: