TRÊS POEMINHAS DE RIMBAUD TOCANDO DE LEVE NAS INQUITAÇÕES DO AMOR

RimbaudEm 1879 Delahaide perguntou a Rimbaud: “E a literatura?” E ele respondeu: ”Não penso mais nisso”. Analisando o breve diálogo revelador, o poeta Manuela Bandeira disse: “Era um homem de ação, de aventura. A poesia foi um simples momento de ação e aventura em sua vida, enquanto não se atirou à grande aventura da vida”.

Nascido a 20 de outubro de 1854, Jean-Nicolas Arthur Rimbaud, em Charleville, nas Ardenas, ele foi realmente um homem que escapou dos moldes do poeta comportado, mesmo com verve apolínea breve. Criou pouca poesia, comparado com sua prosa. Ateu, traficante de armas, preocupado com as aventuras comerciais, enviscou-se pelos meandros da lírica revolucionário. O seu drive criador do verso livre.

Leitor de Rabelais, Saint-Simon, Badeuf, Rousseau, Helvetius, Vitor Hugo em 1872 lançou a obra Uma Temporada no Inferno para em 1874 produzir, na Inglaterra, os poemas em prosa, Iluminações, ambos publicados juntos agora.

Desta forma, os três poeminhas em prosa aqui publicado são da obra Iluminações.

PAG_3

                                     UMA RAZÃO

Um toque de teu dedo no tambor desencadeia todos

Os sons e dá início à nova harmonia.

      Um passo teu recruta os novos homens, e os põe em

marcha.

       Tua cabeça avança: o novo amor! Tua cabeça recua,

– o novo amor!

         “Muda nossos destinos, passa ao crivo as calamidades, a começar pelo tempo”, cantam estas crianças,

diante de ti. “Semeia não importa onde a substância de nossas fortunas e desejos, pedem-te”.

            Chegada de sempre, que irás por toda parte.

295f81bb67772393846e82a6d34d2131

                                    PARTIDA

     Visto demais. A visão foi reencontrada em todos os

ares.

      Possuído demais. Rumores das cidades, à noite, e

ao sol, e sempre.

       Conhecido demais. As paradas da vida.

 – Ó Rumore e Visões!

     Partida na afeição e no ruído novos!

Rimbaud1871

                             DEMOCRACIA

     “A bandeira tremula na paisagem imunda, e nossa

gíria abafa o tambor.

     “Nos centros alimentaremos a mais cínica prostituição.

Massacraremos as revoltas lógicas.

      “Aos países inundados e que cheiram a pimenta!

– a serviço das mais monstruosas explorações industriais

ou militares.

      “Adeus aqui, não importa onde, Recrutas da boa

vontade, teremos a filosofia feroz; ignorantes para com

a ciência, extenuados para o conforto; e que este mundo

rebente! É a verdadeira marcha. Para a frente, a caminho!”

Estes três poeminhas foram extraídos da obra de Rimbaud, Uma Temporada no Inferno e Iluminações; publicado em 1982 pela Editora Francisco Alves que teve a tradução singular do poeta Lêdo Ivo, com direito a orelha escrita pelo não menos magnífico poeta Manuel Bandeira.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: