O TESTAMENTO DE JUDAS 2016 SEGUNDO JESUS CRISTO

Sem título

Há anos, todos os sábados de Aleluia, este Blog Afinsophia publica o Testamento de Judas. Neste sábado, por motivo excepcional, Judas Escariotes não publicará seu testamento. Porém, o testamento será publicado sem qualquer vazamento seletivo e privilégio de mídia. Será divulgado a todos os brasileiros de forma democrática.

Depois de visitar várias cidades do Brasil conhecendo seus habitantes, seus costumes, tradições, expressões, anseios, dúvidas, certezas e expectativas, o homem chegou a um bairro na periferia da última cidade visitada por ele, entrou em uma taverna e pediu um copo com vinho. O proprietário da taverna, um senhor de meia idade, gordinho e sorridente, disse que seu estabelecimento, por ser simples, não vendia vinho, mas só cachaça.

O homem balançou a cabeça aquiescente e pediu a cachaça. O taverneiro pegou a garrafa no balcão e colocou uma dose. O homem lhe perguntou:

– Qual é essa medida?

– Uma dose. – respondeu o taverneiro.

– Coloque, então, mais duas doses. – pediu o homem.

O taverneiro encheu o copo do homem e, sorrindo, disse:

– Acabou. Era a última garrafa. Dizem que é a melhor cachaça do pedaço. Vem do Nordeste.

Nesse momento entrou um trabalhador, alegre e falante.

– Solta uma dose da ‘santa’!

– A ‘santa’ acabou. O parceiro aí comprou a última dose. – respondeu o taverneiro.

– Não pode ser! Logo hoje, dia santo falta a ‘santa’?

O homem sorriu e pediu ao comerciante para pegar outro copo. O comerciante entregou o copo, o homem dividiu a cachaça nos dois copos e deu um ao trabalhador.

– Valeu, companheiro!- pegou o copo e sorveu uma talagada e em seguida comentou: – Essa é pureza, pura. É quente.

– Quente como a vida. “Quem está perto de mim, está perto do fogo. Quem se distancia de mim, se distancia da vida”. – disse o homem.

– Grande filosofia da cachaça. Por isso que eu digo: a cachaça boa é como o rock. Como disse o roqueiro Neel Young: “nunca vai morrer”.

Entrou uma mulher e pediu uma dose de cana. O taverneiro respondeu que as últimas doses os dois fregueses estavam tomando. A mulher ficou triste, mas homem propôs um acordo: os dois dariam um pouco da cachaça para ela. O taverneiro trouxe outro copo e fizeram a divisão. O homem afirmou:

– Onde bebe um bebe três ou, talvez, mil.

– Assim já é o milagre do pão em forma de cachaça. – disse a mulher muito alegre.

O trabalhador olhou firmemente o homem e disse:

– Eu acho que te conheço.

– Pode ser. Um homem é ele, a sociedade e o mundo. Respondeu o homem.

– Tu és um filósofo! – afirmou o trabalhador.

Começaram a contar histórias, opinar sobre os acontecimentos no Brasil e cantar samba. A mulher, que tinha uma voz semelhante à de Jovelina Pérola Negra, cantou Sorriso Aberto, o taverneiro pegou um atabaque, o trabalhador tirou um som na garrafa seca e sambou. O homem sorria enquanto tentava alguns passos miudinhos.

Nesse momento, passando na frente da taverna uma menina de uns cinco anos se soltou da mão da mãe e olhando para dentro do estabelecimento, bradou:

– É Jesus Cristo!

– Tu tá doida menina! Que Jesus Cristo! – a mãe repreendendo a criança, puxou-a       pelo braço.

A menina se soltou e continuou bradando na frente da taverna:

– É Jesus Cristo! É Jesus Cristo! Eu sei que é ele. – Bradava convicta a criança.

– Não é Jesus Cristo! Jesus só vai voltar a terra no Juízo Final, para julgar os vivos e os mortos  elevar os bons para o paraíso – replicou a mãe.

– Ele é Jesus Cristo! E esse Juízo Final é mentira. Jesus Cristo está ali! 

– Como que tu tem certeza que esse homem é Jesus Cristo? – perguntou a mãe.

– Eu sei que é ele porque ele tem esse cabelo, usa essa roupa e calça essa sandália.

– Então aquele teu tio cachaceiro é Jesus Cristo, porque ele parece com esse homem. – debochou a mãe.

– O titio não é Jesus Cristo, mas é filho dele. –respondeu a menina.

O taverneiro, o trabalhador e a mulher olharam intrigados para o homem. A mulher de forma suave, falou:

– Essa criança não está mentindo. – ficou em silêncio e perguntou: – Tu és mesmo Jesus Cristo? O filho de Maria?

O homem sorriu para os três, foi até a criança na rua e disse:

– Vinde a mim as criancinhas!

A menina alegre, cheia de contentamento, se jogou nos braços do homem, e disse:

– Eu sabia que tu eras Jesus Cristo. Eu sabia que tu eras Jesus Cisto, porque tu és diferente dos Jesus que os pais, professores e pastores falam. O Jesus que eles falam é triste, sofredor, causa pena, castiga, julga, cobra para ser amado. Um Deus que quer ser amado não é Deus. Isso não pode ser uma pessoa que ama. O amor não é triste. O amor não cobra amor. Quando eu te vi eu tive certeza, Tu és alegre.

A menina foi interrompida com a mãe chamando:

– Vamos embora encontrar teu pai na feirinha.

– Não precisa ir. Ele já estar em casa, – disse o homem.

A mulher, desconfiada, pegou o celular, ligou ao marido, ele atendeu e disse que já estava em casa. A mulher tremeu. Puxou a menina com força e disse:

– Vamos já embora, esse homem é o diabo!

– A senhora não acredita em sua filha. Não é uma boa mãe. Como não é uma boa mãe, por que vai ter outro filho? – perguntou o homem.

– Meu Deus! – gritou a mulher que antes havia recebido informação de sua médica que estava grávida.

– Eu vou ter um irmãozinho? – perguntou a menina abraçando o homem.

Como a conversa estava ocorrendo na frente da taverna logo outras pessoas foram chegando para saber o que estava ocorrendo. Um homem em uma cadeira de rodas se aproximou, o homem foi até ele e perguntou o motivo dele se encontrar naquele estado.

– Eu sofri um acidente, e o médico disse que eu estava paralítico e agora minha vida é essa cadeira. – respondeu.

O homem foi até ele, pegou em suas pernas, examinou músculos, ossos, nervos, apertou-os, e o cadeirante deu um breve gemido. O homem pediu que ele levantasse e andasse. Com receio foi levantando, até que ficou em pé e começou a andar e gritou:

– É milagre! Estou curado! É milagre!

– Não, não é milagre! O seu médico é inimigo de Hipócrates. O seu médico é um charlatão. O seu problema era apenas uns nervos de suas pernas que estavam sobre outros. Por isso que quando o senhor movimentava as pernas elas doíam e o senhor não andava.

– Agora eu vou tocar fogo nessa cadeira miserável. – disse o ex-paralítico.

– Não! O senhor deve doar a quem verdadeiramente necessite. – aconselhou o homem.

Nesse momento chegou perto do homem um rapaz com o braço direito em forma de foice pedindo que ele lhe ajudasse, porque ele não suportava mais ser apelidado de braço de remo. O homem pediu que ele imaginasse um acontecimento de lhe enchesse de forte alegria e em seguida pulasse com o braço socando para cima. O rapaz fechou os olhos se concentrou e gritou:

– Goooooool! – parou, viu o braço no estado normal, gritou que era milagre e se ajoelhou diante do homem.

– Levanta-te! Não é milagre. O teu medo te impedia de esticar o braço, por isso essa forma de foice.

Aproximou-se um homem de paletó, a gravata bem apertada pedindo que o homem currasse uma dor de cabeça insuportável que só ocorria quando ele ia trabalhar como porteiro de um clube. O homem pediu que ele afrouxasse o laço da gravata. Ele afrouxou e a dor desapareceu. O homem explicou que a dor de cabeça é causada pelo forte laço da gravata que impedia a irrigação do sangue.

De repente a rua foi tomada por milhares de pessoas que queriam ver Jesus Cristo e pedir cura. Um idoso se aproximou do homem e disse:

 – Eu não quero nada para mim, senhor. O que eu quero é para todos. Eu quero que o senhor ajude a vida do pobre melhorar.

O homem sorriu e disse:

– É por isso que estou aqui no Brasil. Mas a vida do pobre já começou a melhorar. Lula e Dilma já começaram o trabalho tirando mais de 40 milhões de brasileiros da faixa da extrema pobreza. O meu trabalho é apenas de auxiliá-los.

– “Não vai ter golpe! Não vai ter golpe!”. – os milhares bradaram.

Uma senhora se aproximou e disse que o problema dela era problema de toda a comunidade: falta de água. Nesse momento um caminhão passou com força sobre um buraco e quebrou um grosso cano de conduzia água. As pessoas ficaram eufóricas e passaram a tomar banho e beber água. O homem então falou:

Não é melhor consertar o cano, colocar uma torneira e transformar em água coletiva?

Todos aplaudiram e uns operários se encarregaram de fazer o serviço hidráulico.

A dois quilômetros de distância do local, uma mulher muito enferma, desenganada, esperando a morte, ouviu o brado coletivo. Com esforço se levantou, foi ao banheiro, tomou um bom banho, vestiu seu melhor vestido vermelho, azul e branco, se maquiou, meteu seu salto alto, e foi ao encontro de Jesus Cristo. Enquanto caminha pelas ruas dizia:

– Morrer sem conhecer Jesus Cristo é não ter nascido. – e todos que a ouviam seguiam-na.

Diante da multidão o homem disse que naquele sábado de Aleluia ele tinha uma missão a realizar. Divulgar o testamento de seu amigo Judas.

–  Judas não teu amigo! Ele te traiu! – bradou um homem colérico.

– Não, Judas não me traiu. Vocês acreditam em uma inverdade propagada pelo império romano e por Paulo para mudar minha história. Judas era um militante que queria a liberdade do povo. Eu também perseguia esse ideal, mas diferente de Judas. Para mim, para que um povo seja livre é preciso primeiro que cada um tenha sua alma libertada, primeiro. Judas queria logo a liberdade da alma coletiva.

– Judas lhe traiu por 30 moedas e tu morrestes para nos salvar – bradou outro homem.

– Não. A história dessas moedas é falsa. Você sabe quanto está custando o dólar? – perguntou o homem.

– Não. – respondeu o homem das 30 moedas.

– Pois é, se você não entende da moeda atual como entender da moeda de há dois mil anos. Quanto a eu ter morrido por vocês, ninguém morre por ninguém. Cada um morre em si sem sequer saber que morreu. Como diz meu amigo filósofo Epicuro: “quando estamos vivos a morte não existe, e quando morremos somos nós que não existimos”. Quer dizer nós não sabemos o que é morrer. – respondeu ao homem e continuou. – Judas não pôde vir aqui apresentar seu testamento e em seu lugar vim eu. Espero que vocês gostem 0000000000de meu testamento de Judas.

Judas me falou que o brasileiro

É um povo inteligente e maravilhoso

Mas também me alertou

Sobre um número mal e horroroso.

Que não sabe conviver na democracia

Com quem tem espírito grandioso.

TESTAMENTO DE JUDAS SEGUNDO JESUS CRISTO

 

Minha corajosa amiga Dilma

Mulher do coração guerreiro

Acredite que não vai haver golpe

Porque Deus é brasileiro.

 

 

Continue governando seu povo

Com, ética, sentimento e razão

Pois não vai ser a estupidez

Que vai abalar essa nação.

 

 

A democracia é o regime

Em que a potência-política se alinha

E ela não será destruída

Pela inveja e ódio de coxinha.

 

 

Eles fingem ser honestos

Mas não enganam ninguém

O povo já entendeu

Que eles só querem se dar bem.

 

 

Quanto ao meu amigo Lula

Preso coercitivamente

No ano de 2018

Será outra vez presidente.

 

 

Seu nome é uma potência

Que deixa as direitas enlouquecidas

Quanto mais elas lhe atacam

Mais elas ficam perdidas.

 

 

As direitas não têm em seu meio

Nenhum nome para a presidência

Por isso para Lula vai ser sopa

Ganhar dessa indigência.

 

 

Aos movimentos sociais

Que lutam pelos direitos dos brasileiros

Deixo-lhes coragem, vontade,

Além de muito dinheiro.

 

 

Para todos os movimentos que agora

Defendem a democracia

Deixo-lhes a certeza inconteste

Os traidores não destruirão a soberania.

 

 

Aos que defendem o Estado de Direito

Uma lição é importante não esquecer:

Lutar, é verdade, é preciso,

Mas sempre visando vencer.

 

 

Ao meu amigo Chico Buarque

Que não compõe com nazifascista

Deixo-lhe mais inspirações

Para que sua obra resista.

 

 

Para minha amiga blogosfera

Imprensa livre e inteligente

Deixo a certeza inconteste

Do fim da mídia que mente.

 

 

Aos candidatos das esquerdas

Que vão disputar eleição

Trabalhem e não desesperam

O povo vai estourar a boca do balão.

 

 

Às direitas farisaicas

Que posam de imaculadas

Deixo a sabedoria do povo

Que mostra como são taradas.

 

 

Para burguesia-ignara

Ímpar na moral depravada

Deixo material de limpeza

Pra fossa, esgoto e privada.

 

 

Para o telespectador cordeiro

Que ainda acredita na Globo

Deixo o brio e a coragem

Do nobre e inteligente lobo.

 

 

À família Marinho

Que nega ser dona da Paraty Mansão

Deixo o Movimento Sem Terra

Com título de apropriação.

 

 

Para TV Globo golpista

Que 2018 termina a concessão

Deixo Lula eleito

Para acabar com a esculhambação.

 

 

Ao honesto Fernando Henrique

Que na hipocrisia se oculta

Deixo os documentos

Da namorada Miriam Dutra.

 

 

Ainda para o ‘príncipe’ sem trono

Que comprou sua reeleição

Deixo documentos de Pedro Correa

Que mostra como sua corrupção.

 

 

Ao ‘honesto’ Eduardo Cunha

Que do impeachment quer aceleração

Deixo o ministro Teori

Pedindo sua prisão.

 

 

Ao deputado Eduardo Cunha

Pelo STF investigado

Deixo-lhe a cadeia

A corrente, a chave e o cadeado.

 

 

Aos parlamentares corruptos

Que querem Dilma cassar

Deixo delação premiada

Para cada um consolar.

 

 

Ao ressentido Aécio Neves

De delação o hexacampeão

Deixo-lhe uma calculadora

Para saber seus anos de detenção.

 

 

Ao senador Aécio Neves

Que perdeu para Dilma nas urnas

Deixo-lhe mais uma derrota

Dessa vez no processo de Furnas.

 

 

Ao rei da bolinha José Serra

Entreguista da riqueza da nação

Deixo-lhe o livro otimista

“O Futuro de Um Vilão”.

 

 

Aos golpistas do PSDB e PMDB

Que querem assaltar o Brasil

Deixo-lhes a coleção completa

“Os Homens de Um Estado Vil”.

 

 

Ao governador Geraldo Alckmin

Desviante da merenda escolar

Deixo-lhe pão e água

Para bem se alimentar.

 

 

Ao ministro do TCU Augusto Nardes

Que pediu o impeachment da presidenta

Deixo a delação de Pedro Correa

Que mostra a moral que não se sustenta.

 

 

Ao prefeito Arthur Neto

Que na lista ganha quinhetão

Deixo ao povo de Manaus

A alegria de sua não reeleição.

 

 

Ao governador José Melo

Cassado por mau uso de capital

Deixo-o ao lado de Arthur

Na canoa do balatal.

 

 

Portanto, amiga Dilma

Não tema da besta o galope

Porque onde há povo livre

Não há qualquer tipo de golpe

A valentia das direitas

Não passa de um xarope.

 

 

Trabalhe como vem trabalhando

Para isso o povo lhe elegeu

E quando se unem o povo e Deus

Não vence nenhum fariseu

A voz do povo é a voz de Deus

E a democracia é a Comunalidade-Eu.

 

 

Agora peço licença

Porque vou me retirar

Vou seguir pra outro rumo

Encontrar outro lugar

Em que o povo seja feliz

Como esse que viu “a estrela brilhar”.

 

 

Parto levando saudade

Na mente e no coração

Pois jamais esquecerei

Desse povo meu irmão

Que luta contra os golpistas

Para não cair na escravidão!

A todos os brasileiros e brasileiras

Beijos no coração!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: