Carta aberta aos realizadores que abandonaram o festival Cine PE 2017, por Cleonildo Cruz

plano_real_filme.png

Jornal GGN – Cleonildo Cruz, Cleonildo Cruz,  historiador e cineasta, assina carta aberta criticando os realizadores de filmes que decidiram que seus trabalhados fossem retirados do festival Cine PE 2017, em Recife (PE). O abandono do festival foi um protesto dos cineastas contra a inclusão dos filmes “O jardim das aflições”, documentário sobre Olavo de Carvalho, e do longa “Real: o plano por trás da história”.

Por meio de nota pública, os realizadores disseram que “[a edição deste ano] favorece um discurso partidário alinhado à direita conservadora e aos grupos que compactuaram e financiaram o golpe ao estado democrático de direito ocorrido no Brasil em 2016. Para nós, isso deixa claro o posicionamento desta edição, ao qual não queremos estar atrelados”.
A crise entre os participantes acabou provocando o adiamento da 21ª edição do festival, que deveria começar no dia 23 de maio.
Cleonildo classificou a retirada como um “atitude coletiva oportunista e antidemocrática” que presta um desserviço “a todos e todas que estão no enfrentamento do governo Temer”.
Para ele, alguns integrantes da esquerda brasileira precisam sair da bolha e “falar além dessa retórica que só empregamos para os nossos”. “Enfrentamento se faz no front, e não abandonando a luta”, conclui.
Leia a íntegra da carta abaixo:
Do Blog de Jamildo
Carta aberta aos realizadores que abandonaram o festival CINE PE 2017, numa atitude de intolerância política-cultural
Cleonildo Cruz
A intolerância política-cultural chegou para ficar nesses tempos obscuros que estamos vivendo. Intolerância, sim. E por parte de quem não a deveria praticar. Ela ocorreu quando vocês, realizadores dos filmes “Abissal”, de Arthur Leite (CE); “Vênus – Filó, a Fadinha lésbica”, de Sávio Leite (MG); “A Menina Só”, de Cintia Domit Pittar (SC); “Iluminadas”, de Gabi Saegesser (PE); “O Silêncio da Noite e Que Tem Sido Testemunha das Minhas Amarguras”, de Petrônio Lorena (PE); “Não Me Prometa Nada”, de Eva Randolph (RJ); e “Baunilha” de Leo Tabosa (PE), decidiram que suas obras fossem retiradas da programação do 21a edição do Cine PE. Tal postura se afigura como um posicionamento eminentemente antidemocrático.
Vocês inscreveram seus filmes para serem submetidos à curadoria do festival. Foram selecionados, igualmente como todos os outros filmes. Por que não enviaram carta desistindo, assim que saiu o resultado? Todos os filmes estavam lá, inclusive, e entre outros, “O plano por trás da história” e “O Jardim das Aflições”, supostos estopins para a atitude que tomaram. Por que só agora, às vésperas de acontecer o CINE PE, vocês retiraram seus filmes? Isso configura uma atitude coletiva oportunista e antidemocrática, cujo objetivo aparenta ser a busca pelos holofotes. Parabéns! Ressalto que tal atitude é de intolerância político-cultural, bem como um desserviço intelectual a todos e todas que estão no enfrentamento do governo Temer, que vem sistematicamente retirando os direitos da classe trabalhadora.
Este é um erro que ficará na História, mostrando que não souberam ocupar os espaços e fugiram por falta de capacidade de entender a pluralidade no campo das ideias num espaço que, inclusive, é o campo da cultura. O momento era de fazer um protesto, quer fosse individual ou coletivo, mas não contra a obra de qualquer dos filmes selecionados para integrar o CINE PE. Que patrulhamento é esse?
Defendo o protesto, sim. Mas vocês não o fizeram. Deixaram, de forma anti-democrática, de ocupar o espaço do festival. Poderiam, ao contrário, ter feito um belo ato político contra o estado de exceção que estamos vivenciando, contra a criminalização dos movimentos sociais, contra a destruição da democracia no Brasil.
Alguns da esquerda, e não vou generalizar, não compreendem que precisamos sair da bolha. Falar além dessa retórica que só empregamos para os nossos. Imaginem, por exemplo, se em nossos espaços de debate nos negássemos a participar porque fulano de tal apoiou o golpe que afastou a presidenta Dilma Roussef? À minha mente vem um evento que aconteceu nos EUA, no mês passado. Lá estavam Dilma Rousseff, presidenta deposta por um golpe político-midiático-parlamentar-jurídico, e Sérgio Moro, juiz parcial da Lava Jato. Na última semana, também nos EUA, sentaram à mesma mesa para debater o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, e novamente Sérgio Moro.
Enfrentamento se faz no front, e não abandonando a luta.
Cleonildo Cruz
Historiador, cineasta e doutorando em Epistemologia em História da Ciência pela UNTREF – Buenos Aires.
Filmografia: Pernambuco de 1964 em Pernambuco. 2008; Replicar dos Sinos. 2006; Caixa de pandora. 2010; Haiti, 12 de janeiro. 2012; Constituinte: 1987-1988; Operação Condor, verdade inconclusa. 2015.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: