Archive for the ‘Desenho’ Category

Conto de Natal: Feliz Ano Novo Charlie Brown

Dezembro 25, 2015

Anúncios

Conto de Natal: É Natal De Novo Charlie Brown

Dezembro 24, 2015

EXPOSIÇÃO ESBOÇOS, DE GUILHERME DE ALMEIDA

Setembro 1, 2014

Guilherme de Almeida Esboço

A Casa Guilherme de Almeida, na zona oeste paulista, estará apresentando até o dia 12 de outubro, a Exposição Esboços, o poeta-desenhista que criou a capa do livro do autor da obra, Mário de Andrade, Pauliceia Desvairada, Guilherme de Almeida. Ele também criou alguns designers fotográficos da revista Klaxon, mensageira das ideias que expressavam o Movimento Modernista.

A exposição conta com desenhos, esboços e caricaturas do artista e de outros amigos que também desenharam caricaturas suas. Como Aldemir Martins, Ferrignac e J. O. Campos. Entre os esboços expostos encontram-se  uma autocaricatura e o perfil de sua companheira, Baby de Almeida, e registros de cenas do cotidiano.

“Era uma espécie de designer e cultivava, como amador, o desenho. Era algo cotidiano de fazer desenhos simples, esboços em papeis que estavam na mesa dele. Também se liga a própria poesia dele, que muitas vezes se voltava ao cotidiano.Guilherme de Almeida

Ele é autor de haikais. Um olhar que ele tinha em relação ao mundo e que tem correspondência com a própria obra poética.

Aproveitamos a oportunidade para reunirmos caricaturas dele feitas  por outros artistas ao longo do tempo”, observou Marcelo Tápia, diretor do museu responsável pela obras de Guilherme de Almeida.

MOSTRA SALVADOR DALÍ – ESCULTURAS, EM BRASÍLIA

Abril 14, 2014

Escultura de Salvador Dalí

Serão 26 esculturas do pintor, escritor e escultor espanhol Salvador Dalí, um dos principais artistas do Movimento Surrealista, mas que também frequentou os percursos do Movimento Dadaista, que  estarão a partir do dia 16 em exposição na Galeria da Caixa Cultural, em Brasília.

Significa que quem tiver interesse pela estética escultural de Dalí terá até o dia 15 de junho para vivenciar a mostra Salvador Dalí – Esculturas. Como Dalí era um artista múltiplo, fez cenários para teatro, ilustrações para livros, litografias, trabalhos para cinema, cada estilo seu apresentado sozinho, como essa mostra escultural, releva essa singularidade ímpar. Daí a importância de vivenciar essas 26 esculturas. Vejamos a relevância da singularidade de pintor na tela Persistência da Memória, desse artista que morreu aos 84 anos, em 1989. Não esquecer que Dalí pertenceu a mais importante geração de artistas, filósofos, cientistas, intelectuais e políticos do século XX. Transitou de Sartre a Bünuel.

O curador Francisco Lara Mora, disse que as esculturas foram escolhidas porque são menos conhecidas do público.

“Mesmo dedicando muitas horas à pintura, ele fez de três a quatro esculturas por ano. Era como complemento, um prazer para ele fazer coisas diferentes. E é bom divulgar o que é menos conhecido. Essa coleção, feita na década de 70, na maturidade artística de Dalí, é excepcional. São obras de muita qualidade e feitas com toda liberdade dos temas que ele mais gostava”, observou Francisco.  

 

Mafalda, a criança cinquentenária

Fevereiro 10, 2014

mafalda_quinoUma das tirinha mais sacal produzida na América Latina (somada ao trabalho de Maitena, Henfil, Glauco, Adão, Maurício de Souza, Laerte entre muitos outros) está completando seus 50 anos de criação do novo. Trata-se não somente, mas principalmente de uma infinidade de saques que o microcosmos da tirinha de Quino traz.

Como esboçou o filosofo italiano Umberto Eco “Mafalda não é apenas um novo personagem nas histórias em quadrinhos (…) se para defini-la usamos o adjetivo ‘contestadora’ foi para seguirmos a qualquer preço a moda do anticonformismo: Mafalda é realmente uma heroina ‘enraivecida’ que recusa o mundo tal como ele é (…) Na verdade Mafalda tem ideias confusas [mas] de uma coisa ela tem certeza: não está satisfeita (…) Já que nossos filhos vão se tornar- por escolha nossa- outras tantas Mafaldas, será prudente tratarmos Mafalda com o respeito que merece um personagem real.”

Criada em 1964 e publicada pela primeira mês de setembro pelo cartunista argentino Joaquim Salvador Lavada, mais conhecido pelo Quino, Mafalda questionava o mundo e sua estrutura que se desmancha no ar. Enquanto no Brasil o coro comia no Brasil com o golpe militar. Mafalda logo se tornou célebre e ganhou o mundo quando em 1968 já tinha sido traduzida para o italiano, tendo sido traduzida em dezenas de paises quando chegou no Brasil em 81.

Hoje, mesmo com o chamada “fim da produção” da tirinha, Mafalda continua produzindo novos questionamentos e nos fazendo desconfiar de tudo que está pronto, constituido e estabelecido. A criança que faz 50 anos continuará produzindo para sempre jovem e será a menina dos olhos livres das novas gerações.

219

165

HENFIL EM 70 ARTES FESTA/NOS

Fevereiro 5, 2014

Cartunista-Henfil

O artista Henfil, Henrique Souza Filho, já parou sua produção artística há certo tempo mas sua existência continua presente entre nós. Não em corpo, mas em força pulsante. É por isto que os 70 anos do menino Henrique continua sendo celebrados pela força e sabor bem brasil que ele traz até hoje em uma atualidade genial.

É por isto que hoje (5), o Instituto Henfil e a ONG Henfil Educação e Sustentabilidade produzem uma festa de 70 anos do cartunista no Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro, a partir com 19 horas, com entrada gratuita. No evento serão lançados os novos números da Coleção Fradim, com o selo comemorativo 25 Anos sem Henfil – “Morro, mas meu desenho fica”. A série de 31 revistas lançadas por Henfil estarão todas relançadas até o fim do mês.

E para lembrarmos os 70 anos produtivos de Henfil deixamos um pouco de seu trabalho mais, muito mais recente com Fradim, Grauna, Ubaldo O paranóico, os sapinhos Ivan, urubu, Cabôco Mamadô e muitos outros .

url henfil natal henfil papai noel henfil_grauna henfil_img09 henfil_onibus henfil-charges henfilII henfil-trombadinha

Museo del Prado exibe na internet a obra quase completa de Francisco José de Goya y Lucientes

Setembro 21, 2012

Um dos museus mais importantes da Espanha, o Museu do Prado, inaugurou um sítio especial para colocar para eternidade  as obras do pintor Francisco José de Goya y Lucientes, mais conhecido como Goya, que é considerado o último mestre do romantismo e o primeiro artista moderno..

O sítio conta com as informações técnicas e históricas de cada obra, bibliografia, localização e opção para vizualização ou apenas para download  em alguns casos em alta definição.

Além de estampas, pinturas e desenhos que cobre praticamente 2/3 da obra do pintor ibérico, o sítio tem documentos manuscritos como cartas (como para o amigo Martín Zapater, a Joaquina Alduy ou ao banquero Joaquín María Ferrer), comentários sobre o processo criativo da obras Los Caprichos entre outros.

Dentre suas obras conhecidas estão Saturno devorando a un hijo (Saturno devorando um filho), El tres de mayo de 1808 en Madrid, o Los fusilamientos (Os fuzilamentos), La maja desnuda (A maia desnuda) e a vestida, os álbuns de Sueños, Caprichos, Burdeos, Tauromaquia. Por fim há uma biografia e bibliografia completa do artista.

Francisco José de Goya y Lucientes – El tres de mayo de 1808 en Madrid, o Los fusilamientos (1814), Madrid, Museo del Prado

CLIQUE PARA AMPLIAR

MILLÔR FERNADES DEIXA DE PRODUZIR

Março 29, 2012

O desenhista, cartunista, chargista, dramaturgo, tradutor e jornalista, Millôr Fernandes, aos 88 anos, deixou de produzir. Millôr, cujo nome deveria ser Milton não fosse um erro do tabelião, sempre teve a produção como sua maior forma de afirmar sua existência. Com claro compromisso político socialista, sua produção carrega a expressividade do exame da sociedade através dos fluídos humorísticos.

Contribuiu com várias revistas, mas se projetou pelas folhas da revista O Cruzeiro, onde matinha uma coluna contestadora, Pif-Paf. Foi um grande interprete da sociedade brasileira no tempo da ditadura militar na revista Veja, na época de Mino Carta, antes desta se torna a voz da mídia nazi-fascista que hoje é.

Para o crítico de literatura, escritor Henrique Rodrigues, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC), autor da tese sobre a obra de Millôr,” Millôr Fernandes: A Vitória do Humor Diante do Estabelecido”, Millôr tinha um espírito vanguardista.

“Ele fazia poemas concretos, antes de existir o movimento concretista. Ele já escrevia de forma concisa e em frases curtas muito antes de existir o computador e ferramentas como Twitter. A própria irreverência do Pasquim, do qual foi um dos fundadores, foi antecipada pelo Pif-Paf, uma coluna de humor político e contestatório que ele mantinha na imprensa”, considerou sobre Millôr, Henrique Rodrigues.  

Entre traduções de personagens ilustres da literatura mundial como Molière, Shakespeare, Sófocles e Brecht, fundou o Pasquim, jornal humorístico de crítica ácida ao sistema brasileiro.

Seu corpo, depois de ser velado no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, será cremado  de acordo com seu desejo.

Água para todos…

Março 22, 2012

Desenho (quase fotal) de Paul Cadden

Peter Greenaway e seu Making a Splash