Archive for Setembro, 2010

Photo graphein: Casasola

Setembro 30, 2010

Agustin Victor Casasola e a Revolução Mexicana

CLIQUE PARA AMPLIAR

Anúncios

Aplausos em livros para download

Setembro 30, 2010

A Imprensa Oficial está disponibilizando para download em seu sítio os quase 200 títulos da excelente coleção Aplauso em .txt ou .pdf. Esta coleção traz biografias de pessoas importantes do cinema, dança música e teatro como Alfredo Sternheim, Carlos Reichenbach, Carla Camurati,Claudette Soares, Fernanda Montenegro, Fernando Peixoto, Gianfrancesco Guarnieri, João Batista de Andrade, Jorge Bodanzky, Maurice Capovilla, Mauro Alice, Mazzaropi, Rogério Duprat, Rolando Boldrin, Ruth de Souza, Sérgio Ricardo, Tonia Carreiro, Vladmir de Carvalho, Zezé Motta.

A série ainda conta com diversos ensaios e críticas de autores como Jairo Ferreira, Federico Garcia Lorca, Alvaro Maya (sobre TV Excelsior), Vida Alves (sobre a TV TUPI), Grupo Corpo, Os Satyros, Sérgio Roveri, Elmo Francfort (sobre a TV Manchete) e outros, roteiros comentados de bons cinemas brasileiros como Batismo de Sangue, Cabra Cega, Bens Confiscados, De passagem, Dois corregos passagens submersas, O Bandido da Luz Vermelha, O caso dos irmãos Neves, O céu de Suely, O Homem que virou suco, Quanto Vale ou é por quilo, Vlado e outros materais. Esta atitude louvável de acesso ao conhecimento artístico brasileiro trás tudo na íntegra em média de 10 Mb por livro.

Tirando o disperdicio de papel e espaço do servidor para os canastrões atores globais, vale a pena sua visita.

O PÉ DA CRIANÇA

Setembro 29, 2010

O pé da criança ainda não sabe o que é pé
e quer ser borboleta ou maçã

Mas depois os vidros e as pedras,
as ruas, as escadas,
e os caminhos de terra dura
vão ensinando ao pé que não pode voar,
que não pode ser fruta redonda num ramo.

Então o pé da criança
foi derrotado, caiu
na batalha,
foi prisioneiro,
condenado a viver num sapato.

Pouco a pouco sem luz
foi conhecendo o mundo à sua maneira,
sem conhecer o outro pé, encerrado,
explorando a vida como um cego.(Pablo Neruda)

Kinemasófico:A história sem fim

Setembro 29, 2010

A HISTÓRIA SEM FIM

CLIQUE PARA AMPLIAR


Titulo Original: The NeverEnding Story

Diretor: Wolfgang Petersen (baseado no livro de Michael Ende)

Atores: Barret Oliver (Bastian), Gerald McRaney (pai de Bastian), Noah Hathaway (Atreyu), Tami Stronach (Imperatriz)

País: Alemanha

Ano: 1984 (Vencedor do German Film Award e Golden Screen Germany)

Duração : 94 minutos

Sinopse (Resumo da História do Filme) : Bastian é um garoto que sofre violência de seus colegas da escola. Estes garotos o persegue e em uma de suas fugas, Bastian consegue se esconder em uma pequena livraria. Lá vai descobrir o livro “A história sem fim”. Ele começa a ler e descobre o mundo Fantasia que está sendo ameaçado pela força destruidora do Nada que a cada dia leva escuridão para mais longe. E somente uma pessoa pode salvar o mundo Fantasia e a imperatriz: o jovem arqueiro Atreyu. Ele embarcará sozinho para uma aventura contra o Nada. Mas esperem, os olhos atentos de Bastian se tornam companheiro e auxiliam o guerreiro na viagem. Consiguirá Bastian ajudar na luta contra o Nada? Embarque nesta história que nunca termina pois sempre a carregaremos.


_____________________________________________________________________________________________________

O Kinemasófico é um vetor cinematográfico que a Afin realiza todos os domingos à boca da noite, contando com um curso artístico (teatro, cinema…), sempre com a apresentação ao final da atividade de um cinema. Mais informações, clique aqui.

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Setembro 28, 2010

Antuérpia, 26 de novembro de 1885

O entombamento (1511), MESSYS


Triptico da Guilda dos fazedores de armarios , Antuérpia, Koninklijk Museum Voor Schone Kunsten


CLIQUE PARA AMPLIAR—–Óleo sobre papel- 260 x 503 cm

Van Gogh escreve à Theo sua segunda carta da Antuérpia comentando suas idas aos museus e as obras que lhe impressionou:

“Vi também o Museu de Pinturas antigas e o museu moderno. Concordo contigo em dizer que as figuras em primeiro plano- as cabeças- no Cristo no Purgatório são muito bonitas, mais bonitas do que o resto e que a figura principal; especialmente aquelas duas cabeças de mulheres loiras são Rubens de primeira qualidade.O Jovem Pescador de Franz Hals impressionou-me particularmente. M. de Vos, retrato de um decano de guilda, Rembrandt, muito bonito, dois pequenos Rembrandt que talvez não sejam de Rembrandt mas de N. Maes ? Ou de algum outro; Jordaens, o Concerto de família; Van Goyen, S.Ruysdaël . E o Quentim Massys.”

Quentin Massys (nome que tem variações em Quenten Matsys, ou Matsijs) foi o principal pintor da Antuérpia no começo do séc. XVI. Seus trabalhos iniciais mostra a influência de Memling, que foi muito ativo em Bruges. Já seus trabalhos mais maduros mostra alguma influência italiana, particularmente de Leonardo da Vinci. Ele foi um notável retratista assim como pintor religioso. Com um estilo meticuloso, uma expressividade individual aos elementos da tela e atenção aos detalhes , ele pintou quadros satiricos e grotescos trazendo outras figuras na estética da época.Há relatos que a influência de sua pintura chegou na Alemanha influenciando Albrecht Dürer e Hans Holbein.

Massys nasceu na cidade de Louvain no ano de 1466.Filho de Joost Massys, um influente ferreiro que o treinou para seguir a profissão. Mesmo assim Massys se tornou pintor provavelmente após se apaixonar pela filha de um artista. Provavelmente auto-didata, Massys aprendeu a colorir xilogravuras e esta aprendizagem aguçou seu senso artístico.

No ano de 1491 se mudou para Antuérpia e se tornou membro de uma Guilda da Antuérpia em 1491, quando a cidade estava começando a assumir notoriedade como o principal porto da Holanda. Porém apesar de seus longos anos na guilda nunca foi o mestre da mesma, porém teve vários pupilos. No ano seguinte casou com Alyt an Tuylt com quem teve três filhos. Em 1508 casou com Catherina Heyns com quem teve mais 10 filhos.

Em sua cidade o pintor é associado com Joachim Patinir, e parece ter fornecido figuras para suas paisagens. Massys foi altamente respeitado em sua cidade.

Em 1531 Massys morreu após ter contraido a peste. Seus dois de seus vários filhos, Jan e Cornelis, entraram para a Guilda e se tornaram pintores.Porém Jan foi expulso na década seguinte por suas opiniões.

SOBRE A OBRA

In 1503, a Guilda dos carpenteiros da Antuérpia comissionaram Quinten Metsijs para pintar um altar. Além da Lamentação de Cristo no painel central, foi retratado os dois santos patronos da guilda- João Evangelista e João Batista- nos paineis laterais. Na esqueda a dançante Salomé serve a cabeça do último para seu padrasto Horodes e sua mãe Herodias. O verdadeiro decapitado é representado no fundo. No painel da direita, João  Evangelista é cozido em um barril de liquido fervente frente ao Emperador Domitian e seu séquito. Nas torres do fundo a Romana Porta Latina, um edifício que nesta representação eleva a similaridade  com Steen na Antwerp. Em cruel contraste aos horrores mostrados nas laterais, o painel central é conduzido para oração e contemplação. O corpo morto de Cristo caido no fundo, proximo do expectador, conectando as imagens ao seu redor. Ao fundo, uma paisagem magnífica com a tumba de pedra, Golgotha, as três classes e Jerusalem. Quanto mais distante as montanhas, mais opacas elas são mostradas, inteiramente nas regras de prespectivas italianas.

Originalmente, a guilda queria uma peça de altar esculpida.  Indagações foram feitas com dois artistas de Leuven e um escultor da Antuérpia, mas seus desenhoseram consideravelmente muito caro, o que levou a guilda eventualmente comissionar um quadro de Quinten Metsijs, que cumpriu a tarefa em uma atualidade sublime.

_______________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Maerten de Vos foi um pintor flamenco ativo e mais influente de sua cidade natal nos

últimos 25 anos do século XVI, a Antuérpia. Em 1522 ele foi a Itália e estudou em Roma,

Florença e em Veneza, onde estudou com Tintoretto. Em 1558 ele voltou a Antuérpia, onde

depois da morte de Frans Floris em 1570 ele se tornou o expoente na pintura de estilo

italiano em sua cidade. Os altares que são a grande parte de sua produção são tipicamente

maneiristas em suas torções, elegancia fina.

O pintor teve um atelier largo e bem sucedido. Durante a década de 1550 ele passou a

maior parte do tempo viajando pela Itália. Por volta de 1558 ele voltou á Antuérpia, onde

ele se tornou um mestre na Associação de São Lucas. Maerten de Vos, que se destinguiu no

gênero de retratos, foi também bastante conhecido por pinturas religiosas, e produziu

inclusive seis pinturas com episódios da vida de São paulo para a sala de jantar de

Gillis Hooftmans. Fundou a fraternidade dos Romanistas da Antuérpia e foi o melhor pupilo

e sucessor de Frans Floris. Seus trabalhos são precursores claros do Barroco do século

XVII. O trabalho que Van Gogh comenta ‘São Lucas pintando a Virgem Maria’ é uma produção

tardia de Vos, que faleceu no ano seguinte. Sua rica e variada gama de cores pode ser

atribuida aos 6 anos que ele passou na Itália. Percebe-se que suas pinturas são claras,

balanceads e com frequência simétricas em composição, e apesar de sua preferência por

espaços rasos, ele teve sycesso na criação de um forte sentido de drama e plasticidade.

Por outro lado embora fosse Luterano por um longo tempo, De Vos foi também uma figura da

Contra Reforma. A melhor evidência disso é encontrada na escala monumental de seus

trabalhos e sua estricta aderênciacom a percepção iconográfica estabelecida do Concílio

de Trento.

Noite

Setembro 27, 2010

Noite

A mão do amor vestiu-nos
durante a noite, com uma túnica de abraços
que só a mão da aurora
veio por fim rasgar.

Ibn Khafâja, in Vozes da Poesia Europeia I

Cri-ações: Fernando Botero

Setembro 27, 2010

Curvas e curvas

o belo movimento buliçoso

de corpos em cri-ações

Semos cores, formas

mas não aceitamos que a arte

seja gastronômica em suas produções.

Não queremos o excesso

Não queremos os seus produtos

Nossa gordura não te contém.

Ela faz parte do sentir as vidas

De se encorporar de novas formas

Tonos que não envolve vossos vinténs.

Histórias das músicas brasileiras

Setembro 26, 2010

Noel Rosa foi um sambista que até hoje é considerado por alguns o que há de mais inteligente em nossa música. Na verdade suas composições são muito mais divertidas e vividas do que inteligentes. Noel foi um dos sambistas da Vila Isabel, e começou cantando com irreverência junto ao  “Bando dos Tangarás”. Antes do samba descer dos morros para o circo do samba, Noel pregou a malandragem do morro. Morreu jovem aos 26 anos de uma tuberculose. Em 2008 todas suas obras cairam no domínio publico. Muitas de suas letras foram achadas incompletas como esta contada abaixo.

—————-———————-———————————-——–———-

Uma troça de Noel contada e cantada por Henrique Cazes e Cristina Buarque em Sem Tostão 1.

“Sendo Noel um grande boêmio, um cara que gostava de viver nas ruas, nos botequins e ele fez logo amizade com muitos motoristas de taxi que as vezes levava ele pra casa, as vezes ele ainda emendava uma outra farra, ou as vezes levava ele para namorar alguma moça no Juá. E o Noel foi percebendo aos poucos que havia um motorista de taxi chamado Malhado e o Malhado era cantor de seretas, era metido a dar o famoso dó de peito; e gostava de cantar falsas canções com palavras difíceis, rebuscadas que ele não entendia absolutamente o que significava.E o Noel aos poucos foi percebendo o estilo do Malhado e compôs uma canção especialmente para ele, ensinou e combinou com ele pra lançar a música numa seresta para duas filhas de um coronel lá em Vila Isabel. Chegando lá embaixo do sobrado do coronel, o Noel disse que ia ficar do outro lado da rua para dar o destaque que a voz do malhado merecia. Feriu o tom e lá se foi o Malhado:

“Saí da tua alcova com o prepúcio dolorido
Deixando seu clitóris gotejante
De volúpia emurchecido
Porém, o gonococus da paixão
Aumentou minha tensão…”

Bem, o coronel levantou atirando, o Malhado saiu correndo, chegou na esquina livre, e o Noel
já estava esperando ele e perguntou:
– O que é que houve Malhado?
E o Malhado assustadíssimo falou:
– O cara sai atirando, não entendi nada!
E o Noel sem perder a pose diz pra ele:
– Isso é pra você ver Malhado, o que que é a falta de sensibilidade dessa gente!

Caricatura de Noel

Noel o violeiro

Noel e sua companheira Lindaura que tinha só 13 anos


Em foto para a amiga e intérprete Araci de Almeida

Em foto com os expoentes da MPB da década de 30: Francisco Alves, Noel Rosa, Carlos Lenine, Carmem Miranda, Josué Bastos, Almirante, Betinho e João Martins; no detalhe o famoso intérprete de Noel, Francisco Alves.

Notas lokis

Setembro 25, 2010

  • Uma boa notícia foi trazida pelos ares lusitanos. A cantora Tereza Salgueiro, que encanta o mundo com sua produção conjunta no Madredeus, agora em carreira solo fará uma grande apresentação no Teatro Castro Alves na Bahia hoje (25) as 20 horas. Mas não para por aí a cantora volta por aqui para  as cantorias de “Voltarei a minha terra”. Até agora está confirmado no Teatro Alfa em Santo  Amaro  nos dia 27 e 28 de novembro.



  • Nesta semana começou na Escola São Paulo a mostra “Salle Flottante”, do  artista suíço Thomas Hirschhorn.  Seus trabalhos experimentais e filosofantes ficam até o dia 8 de outubro. A exposição conta ainda com escritos e jogos.

  • Alegria de uma criança outrora é a certeza do lucro dos bonachões hoje. É o que Um leilão que fazer ao colocar como objeto de negociação um álbum da história em quadrinhos em ótimo estado “As Aventuras de Tintin e Milu na América”, de 1934. Se alguém tiver interesse em capitalizar um gibi quase pré-histórico do Tintin é só aparecer nos dias 9 e 10 de outubro, na Orangerie o Château de Cheverny, na França. É só estar disposto a pagar entre 35 mil e 40 mil euros. Além deste objeto outros  como uma ilustração em grande formato de “O Templo do Sol” e um desenho feito por Hergé em um cartão postal, que representa Tintin com um ovo de Páscoa, de 1951.A alegria de uma criança em ler uma histórinha nova ou antiga não tem preço a se pagar.


  • Nesta próximasquinta-feira(30) quem aparecer pelo Sesc Pompéia em São Paulo vai ser sambado pelo espetáculo “Noel Rosa – O Poeta da Vila e Seus Amores”. Com texto de Plínio Marcos, este musical mostra a vida, samba, polêmicas (como aquela com Wilson Batista), boêmia, amores. Tudo isto a partirparte da agonia no leito de morte do sambista.

  • As coisas que acontecem pelo mundo é um encontro de forças que já estão há muito tempo num imbricamento e que fazem surgir o presente. Devemos estar atento a tudo e estar sempre no combate. As faces facistas da Europa conservadora, presente no governo xenófobo e moralista de Sarkozy, busca policialmente apagar os rastros da pluraridade. Tanto que julgaram um fotógrafo francês acusado de baixar da internet mais de 13 mil arquivos de mp3 ilegalmente e aplicaram uma multa de apenas 20 mil euros. Na zona de guerra contrária ao governo apareceu o cineasta Jean-Luc Godard que doou mil euros e se juntou a ONG’s e outros movimentos em apoio. Godar afirmou: “Eu sou contra a Hadopi (projeto de lei francês de controle da internet), é claro. Não existe propriedade intelectual. Sou contra a herança (das obras), por exemplo. “. Esta luta que visa impedir o bloqueio ao livre acesso as informações ocorrem em todo mundo, inclusive por aqui com apoio da direitinha Azeredamente nojentinha e do monopólio ECADiano.



  • Um achado que ficou oculto por séculos. Trata-se de um quadro de Pieter Bruegel, o Velho que foi identificado pelo Museu do Prado em Madri. Agora o pintor tem 41 obras sob sua autoria. O quadro intitulado ‘El vino en la fiesta de San Martín’ era de uma coleção particular e estava em restauração no museu desde fevereiro quando uma radiografia que revelou fragmentos da assinatura do pintor na parte inferior da obra. O quadro é um dos maiores do pintor e usa um técnica pouco usada por ele: emulsão de cola como base.


  • Saiu finalmente o representante brasileiro para o Oscar 2011 de filme estrangeiro :”Lula, o Filho do Brasil” de Fábio Barreto. Dentre os jurados que escolheram este cinema, grandes estudiosos e entendidos de cinema como  Elisa Tolomelli, Jean Claude Bernardet, Leon Cakoff (da mostra de SP), Márcia Lellis de Souza Amaral e Mariza Leão Salles de Rezende. Muitos julgam isto uma jogada pós-eleição. Mas sabemos que um presidente com mais de 80% do gosto popular não precisa disso. É merito deste cinema que foi escolhido pois segundo os jurados “achamos que tem elementos interessantes para a comissão americana pois Lula é uma figura internacional, talvez seja o nosso maior astro. Não tem nenhum ator lá fora tão conhecido quanto ele”.Cineastas da direitaça brasileira com Fernando Meirelles (pró-Serra e Marina), a global Sandra Werneck. Os outros concorrentes a vaga não se ressentiram. Lula lá, brilha um kinema.

  • O cineastas Dennis Hopper que bateu as botas cheia de poeira da estrada recentemente tinha uma coleção de mais de 200 obras de arte que incluia pinturas do início da carreira de seus amigos Andy Warhol e Jean-Michel Basquiat. O que fazer com tudo isto? Os herdeiros de Hopper decidiram capitalizar tudo, o que pode gerar mais de até US$ 13 milhões. O leilão ocorrerá na Christies no dia 11 de novembro.

  • Um dos maiores dançarinos de todos os tempos, o bailarino russo Mikhail Baryshinikov, sempre pela liberdade de criação no ballet e por isso criou recentemente BAC- Baryshnikov Arts Center. Hoje aos 62 anos, Mikhail vem ao Brasil agora em outubro reunindo a obra de dois coreógrafos: Benjamin Millepied e Alexei Ratmansky. A turné por aqui tem início deia 19 no Teatro Alfa em São Paulo, seguindo para Porto Alegre, no Rio de Janeiro, em Brasília e até na Manô Manaus.


  • Pelas quebradas um nome é reconhecido como contestador: Caroline Pivetta, a jovem que na última Bienal pichou o prédio do evento e foi presa em flagrante pelo ato. A jovem que atualmente mora em Porto Alegre, recusou o convite “feito pela culpa cristã” em participar como “artista de verdade” (como se pichando não fosse considerado arte pela estética burguesa. Porém Caroline participou da festa de abertura Street Biennale, que propõe intervenções urbana nas fachadas de prédios centrais através da arte de rua. Manda bronca e os pixos.

  • A ordem policial não traz nenhum interesse para uma sociedade afetada com a alegria e a produção de envolvimento coletivo. Uma sociedade doente precisa da força para que se sinta segura e a polícia vem prover esta necessidade terrorificante de força.Porém quando os valores policianescos são propagados como unica forma de “ordem” sabe que a doença está pegamos fundo. No caso do padre argentino que criou uma polícia mirim com garotos de 9 a 14 anos fica latente esta necessidade de se forjar a ordem.Esta atitude já foi abominada pela sociedade argentina e esperamos que estas crianças não policianizem suas comunidades.



  • Esta semana em Terezina acontecerá a primeira Mostra do Samba de Raiz do Piaui nos dias 23 e 24 de Setembro no Espaço Cultural Ozorio Jr. No Piauí o samba tem raiz também e não pode perder uma sambada destas. Deixe a moleza e enraize na roda da firmeza.


UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Setembro 24, 2010

Antuérpia, 26 de novembro de 1885

O concerto de família (1638), JORDAENS


Como o velho canta, o jovem toca flauta, Antuérpia, Koninklijk Museum Voor Schone Kunsten

Veja aqui outra versão da pintura

Van Gogh escreve sua segunda carta da Antuérpia comentando suas idas aos museus e as obras que lhe impressionou:

“Vi também o Museu de Pinturas antigas e o museu moderno. Concordo contigo em dizer que as figuras em primeiro plano- as cabeças- no Cristo no Purgatório são muito bonitas, mais bonitas do que o resto e que a figura principal; especialmente aquelas duas cabeças de mulheres loiras são Rubens de primeira qualidade.O Jovem Pescador de Franz Hals impressionou-me particularmente. M. de Vos, retrato de um decano de guilda, Rembrandt, muito bonito, dois pequenos Rembrandt que talvez não sejam de Rembrandt mas de N. Maes ? Ou de algum outro; Jordaens, o Concerto de família; Van Goyen, S.Ruysdaël.”

Jacob Jordaens foi um seguidor de Peter Paul Rubens, e o expoente da arte flamenca após a morte de Rubens e Van Dyck. Embora ele continuou a seguir as influências Rubens, seus trabalhos entre 1620 e 1635 é marcado por um grande realismo e exuberância, além de um exagerado tratamento das formas. Seus últimos trabalhos são mais restritos e frios nas cores. Com forte tendência ao barroco, ele pintou muitas cenas da vida dos camponeses e alegorias sensuais

Jordaens nasceu na Antuérpia em 20 de Maio de 1593, onde ficou durante sua vida toda. Filho de um próspero comerciante de linho com mesmo nome e de Barbara van Wolschaten. Ele foi treinado por Adam van Noort, mesmo mestre de Rubens. Rubens, por sua vez, depois de sua volta da Itália, foi muito importante no desenvolvimento do estilo de Jordaens. Rubens acolheu Jordaens como um dos pintores que o ajudou a cumprir as comissões a Coroa Espanhola em 1636-7 entre muitas outras como a entrada triunfal de Cardinal Infante Ferdinande, a torre da Paroda, etc.

Em 15 de maio de 1616, Jordaens casou com a filha mais velha de Van Noort, Catharina e com ela teve três filhos. No mesmo ano o pintor foi admitido pela Guilda de São Lucas (a mesma de De Vos) como mestre em aquarela e pintura em têmpera. Com isto ele logo conseguiu trabalhar pintando depósitos para tapeçaria e coberturas de parede, mas logo trabalhou por conta própria com tinta óleo, pintando retratos, cenas de banquetes, cenas mitológicas e religiosas, a partir de efeitos chiaroscuro (claro-escuro) pela influência italiana de Caravaggio(mesmo nunca tendo visitado outro país), de quem teve contato a partir de cópias.

Jordaens se tornou conhecido quando após a morte de Rubens, foi empregado pela Rainha Christina da Suécia, pelos membros da Casa Laranja e pelo Senhor dos Burgos de Amsteram para a decoração da Prefeitura. Entre 1639-40 ele trabalhou para Charles I da Inglaterra.Mais tarde ficou famoso pelo trabalho na Huis ten Bosch (casa na floresta). Nesta época Jordaens tinha bastante pupilos em seu atelier, sendo que nenhum deles conseguiu uma grande fama.

Em seus últimos anos ele se juntou a Comunidade Calvinista e seu estilo se tornou mais clássico. Porém esta união protestante nunca impediu que ele continuasse trabalhando para comissões ou patronos católicos. Jordaens morreu em sua cidade natal em 18 de outubro de 1678.


Retrato do pintor

SOBRE A OBRA


“Soo d’oude songen soo pepen de ionge” é um provérbio holandês antigo que significa que o jovem sempre segue o exemplo do velho. Este ditado foi exposto brilhantemente na pintura de base barroca de Jacob Jordaens, pois ele se rendeu a ela várias vezes durante sua carreira. Este exemplo em particular é a versão mais recente conhecida.

A mãe radiante ao centro da composição é cercada por vários membros da família, todos cantando e fazendo música juntos. A direita, a avó põe seus óculos para que possa ler o texto da canção. O avô, com a partitura na mão, conduz. O Pai toca a gaita de foles com fervor. E os pequeninos também participa: o bebê de bochecha vermelha no colo da mãe sopra seu cocalho enquanto o irmão mais velho toca a flauta. Até mesmo o cachorro atiçou as orelhas com o som da música. Ou talvez ele sentiu o aroma de comida na mesa. Esta maravilhosa imagem da família fazendo música mostra que Jordaens teve uma fase excelente como pintor.. Os perdonagens na pintura são  pintados a partir de conhecidos de Jordaens. O velho, tem uma forte semelhança com Adam van Noort, que foi seu sogro e mestre. Há menos certeza nos outros personagens. Mas há sugestões que o rapaz dos foles seja o próprio Jordaens, mas seus autoretratos não convencem muito da semelhança.

_______________________________________________________________________

Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Maerten de Vos foi um pintor flamenco ativo e mais influente de sua cidade natal nos

últimos 25 anos do século XVI, a Antuérpia. Em 1522 ele foi a Itália e estudou em Roma,

Florença e em Veneza, onde estudou com Tintoretto. Em 1558 ele voltou a Antuérpia, onde

depois da morte de Frans Floris em 1570 ele se tornou o expoente na pintura de estilo

italiano em sua cidade. Os altares que são a grande parte de sua produção são tipicamente

maneiristas em suas torções, elegancia fina.

O pintor teve um atelier largo e bem sucedido. Durante a década de 1550 ele passou a

maior parte do tempo viajando pela Itália. Por volta de 1558 ele voltou á Antuérpia, onde

ele se tornou um mestre na Associação de São Lucas. Maerten de Vos, que se destinguiu no

gênero de retratos, foi também bastante conhecido por pinturas religiosas, e produziu

inclusive seis pinturas com episódios da vida de São paulo para a sala de jantar de

Gillis Hooftmans. Fundou a fraternidade dos Romanistas da Antuérpia e foi o melhor pupilo

e sucessor de Frans Floris. Seus trabalhos são precursores claros do Barroco do século

XVII. O trabalho que Van Gogh comenta ‘São Lucas pintando a Virgem Maria’ é uma produção

tardia de Vos, que faleceu no ano seguinte. Sua rica e variada gama de cores pode ser

atribuida aos 6 anos que ele passou na Itália. Percebe-se que suas pinturas são claras,

balanceads e com frequência simétricas em composição, e apesar de sua preferência por

espaços rasos, ele teve sycesso na criação de um forte sentido de drama e plasticidade.

Por outro lado embora fosse Luterano por um longo tempo, De Vos foi também uma figura da

Contra Reforma. A melhor evidência disso é encontrada na escala monumental de seus

trabalhos e sua estricta aderênciacom a percepção iconográfica estabelecida do Concílio

de Trento.