Archive for the ‘Liberdade’ Category

BLOGS AFINSOPHIA E ESQUIZOFIA ENTREVISTAM BELCHIOR JÁ QUE “SEMPRE É DIA DE IRONIA NO MEU CORAÇÃO”

Maio 2, 2017

Os Blogs Afinsophia e Esquizofia, da Associação Filosofia Itinerante (AFIN), publicam a entrevista, alegria como aumento de potência de agir, com o Rapaz Latino-Americano Belchior.

BREVE APRESENTAÇÃO

Antônio Carlos Gomes Belchior Fonteneles Fernandes – cearense da simpática cidade de Sobral -, gostaríamos de fazer um acordo com você nessa entrevista trans-histórica, na névoa inassinalável, ou hecceidade. O acordo é o seguinte: como nós vamos recorrer as nossas faculdades memorativas, além de informações extraídas de nossa arqueologia do saber-Belchior, é possível que venhamos cometer alguns equívocos em relação a fatos aqui apresentados por nós atribuídos a personagens em relação a você. Se por acaso você perceber que algumas enunciações nossas são lendas ou mitos, queira nos corrigir. Certo?

Belchior você é da geração que “por força desse destino um tango argentino” pegava “bem melhor” que “uns blues”. A ditadura civil-militar que dominou o Brasil entre os anos de 1964 e 1985. Você, como muitos brasileiros, por força da ditadura, não teve adolescência, e se quer pode vivenciar as fragrâncias de maio de 68. Enquanto a França, e grande parte da Europa explodia, produzindo linhas de cortes, fissuras através das potências dos trabalhadores e estudantes. Ao contrário, em 68, o Brasil era submetido à força do AI5, implantado pelos militares da repressão-nacional. Foi o ano que começou para valer as perseguições, prisões, sequestros, torturas e mortes.

Todavia, arigó Belchior, você já havia sido traspassado pelas enunciações políticas, estéticas, filosóficas, antropológicas, históricas, psiquiátricas, etc., e podia com clareza entender as notas desterritorializadas de Sartre, Marcuse, Foucault, Deleuze, Guattari, Simone Beauvoir, entre outros que se movimentavam em latitudes e longitudes capazes de lhe afetar spinozianamente: aumentar sua potência de agir. Já havia sido afetado pela potência da comunalidade em forma de erudição. Erudição que levou certa vez Caetano chamar de cultura inútil. Sem falar que você já havia encontrado Marx, Cristo, aliás, o Homem de Nazaré foi quem primeiro lhe encontrou, daí sua vida de noviço, depois rebelde (Gargalhadas), quem sabe a influência a posteriori para criar o projeto de tradução do latim A Divina Comédia, de Dante Alighieri.

Musicólogo roqueiro, corpo que lhe moveu com “os pés cansados e feridos de andar léguas tiranas, a ponto de lhe deixar “com lágrimas nos olhos de ler o Pessoa, e ver o verde da cana”, compôs com as baladas de Bob Dylan, composição que levou o compositor do Maracatu Atômico, George Mautner, a afirmar que entre o original e a cópia preferia o original. Declaração que confirmava que sua entrada no mercado musical brasileiro já estava incomodando. Claro, você como sobralense nunca negou que ouvira muito as baladas de Dylan. E, aliás, quem daquela época, não ouviu? Quem, preocupado com a Napalm lançada pelos Estados Unidos no Vietnã, não ouviu Dylan? E não só Dylan, como também Neil Young, entre outros cantores e compositores de opunham a ferocidade genocida do império. Você sempre foi um homem engajado. Mas um cara que não fazia gênero de rebelde sendo um puta burguês, como seu conterrâneo Fagner. Poucas sabem, mas você participou, convidado pela talentosíssima atriz de teatro Lélia Abramo, no lançamento do primeiro manifesto do Partido dos Trabalhadores, em 1981. O que confirma que suas baladas são politizadas não por dependência de Dylan. Como invejavam seus detratores. E para piorar – para eles, é claro -, você foi parceiro do companheiro Lula na luta pela redemocratização do Brasil. ão do Brasil.

Mesmo só com a adolescência biológica, já havia traçado o compromisso, com Bertolt Brecht, de não deixar seu “charuto apagar-se por causa da amargura”, mostrado na canção Não Leve Flores. Daí que sua obra, apesar de manter alguns elementos regionais, melhor dizendo, nordestinos, foi na “Selva das Cidades”, empurrado pelo teatrólogo da Exceção e a Regrar, que você fez movimentar sua arte como forma de afetar o corpus da urbe atomizada. Como você mesmo diz: “se não for para balançar o coreto, não adiante fazer arte”.

E balança. Belchior, você instituiu no país a música urbana inspirada e alocada no concreto das cidades como corpo da poesia concreta. Você verseja concretamente. A poesia concreta é seu território de práxis e poieses. “Vamos andar, pelas ruas de São Paulo, por entre os carros de São Paulo, meu amor vamos andar e passear. Vamos sair pela rua da consolação, dormir no parque em plena quarta-feira. Sonhar com o domingo em nosso coração. Meu amor, meu amor, meu: a eletricidade dessa cidade me dá vontade de gritar que apaixonado eu sou. Nesse cimento, o meu pensamento e meu sentimento espera o momento de fugir no disco voador. Meu amor, meu amor”, nada de sentimentalidade compassiva, do tipo Roberto Carlos, nesse Passeio do seu primeiro LP, Mote Glose, pela gravadora Chantecler, com a regência do talentoso músico pernambucano Marcus Vinícius, do PCBão, um disco profundamente experimental, onde salta livre a poesia concreta.

Dizem que você canta a liberdade, claro que é uma afirmação abstrata, já que a liberdade não se canta se vive, mas nos diga: nessa tão concreta e cruel realidade produzida pelo capitalismo paranoico com sua dogmática opressora, você é um “passarinho urbano”, ou um “Robô Goliardo” (Gargalhada geral)?

A ENTREVISTA

AFINSOPHIA E ESQUIZOFIA – Começando pelo meio. O que é melhor? Viver, sonhar ou um canto?

Belchior (Sorrindo cúmplice) – “Viver é melhor que sonhar. Eu sei que o amor é uma coisa boa, mas sei também que qualquer canto é menor que a vida de qualquer pessoa”.

AE – Nesse momento em o Brasil encontra-se sob o cutelo de um perverso golpe contra a democracia, você tem alguma paixão?

B – “Você me pergunta pela minha paixão, digo que estou encantado com uma nova invenção, eu vou ficar nessa cidade, não vou voltar pro sertão, pois vejo vir vindo no vento cheiro da nova estação”.

AE – Verdade? Maravilha! Belchior, você é uma cara que viveu as décadas de 60, 70, não teve adolescência no sentido ontologicamente-social, por força da ditadura, mesmo assim conseguiu construir uma das mais inquietantes estéticas do Brasil, todavia, muitas pessoas não conhecem essa obra. E entre essas pessoas têm os nazifascistas. Se por um acaso algumas dessas pessoas, como uma variável-política, perguntasse de você, por onde você andava nesse tempo, o que você responderia?

B (Pensativo) – “Amigo, eu me desesperava!”.

AE – Você tem estilo. Não estilo no conceito burguês, mas como diz o filósofo Deleuze, você cria em sua singularidade como ninguém poderia criar de forma igual. Por isso você faz corte no estado de coisa petrificado. Você libera potências. Como você responderia se alguém pedisse para você compor de outra forma?

B – “Não me peça que eu lhe face uma canção como se deve correta, branca, suave, muito limpa, muito leve, sons palavras são navalhas, e eu não posso falar como convém sem querer ferir ninguém”.

AE (Vibrando) – Cacete! Esse cara é foda, moçada. Ainda nessa linha. Não precisa nem dizer, mas você tem Nietsche e Spinoza na veia: você é exaltação da “vida que ativa o pensamento e o pensamento que afirma a vida”. Até quando se encontra “mais angustiado que um goleiro na hora do gol”. A onda é essa: se um pessimista, um compassivo, uma baixa potência de agir, lhe dissesse que queria lhe ajudar, o que você diria para ele?

B (Gargalhando) – “Saia do meu caminho! Eu prefiro andar sozinho! Deixem que eu decida a minha vida. Não preciso que me digam de que lado nasce o sol, porque bate lá meu coração”.

AE (Explodindo de emoção) – Coisa de louco, moçada! “Você pode até dizer que eu estou por fora e que até estou inventando”, mas para o nosso entendimento, há uma confissão aí nesse “não preciso que me digam de que lado nasce o sol, porque bate lá meu coração”. O sol nasce no Leste, até Galileu já sabia. E o Leste europeu tem Marx, mano. Não precisa responder.

B (Interferindo) – “É claro que eu quero o clarão da lua! É claro que eu quero o branco no preto! Preciso, precisamos da verdade nua e crua, mas não vou remendar vosso soneto. Batuco um canto concreto pra balançar o coreto…”.

AE (Tentando uns movimentos afros) – Grande saída, hein cara? Ok, baby! Diz uma coisa cara. Já viu que há muita gente pessimista diante do desgoverno golpista acreditando que ele será eterno. O que você diz para essa gente?

B – “Você não sente nem vê, mas eu não posso deixar de dizer meu amigo, que uma nova mudança, em breve vai acontecer”.

AE (Palmas) – É o devir-povo! Dando uma deslocada. O que você quer agora?

B (Sorrindo) – “Quero uma balada nova, falando de broto, de coisas assim: de money, de lua de ti e de mim, um cara tão sentimental…”.

AE – Você estudou medicina até o quarto ano, lógico que deve ter entrado em contato com algumas noções freudianas. Freud diz que é muito difícil uma geração se libertar da anterior. Há sempre fantasmas. Vendo o mundo como se encontra, qual a sua maior dor?

B – “Minha dor é perceber que, apesar de termos feito tudo, tudo, o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”.

AE – Bel, aproveitando essa questão de continuar o mesmo, tem também aquela questão dos que pousaram como revolucionários, e hoje são tremendos reaças, inclusive muitos operando como golpistas, como é o caso do senador do PSDB, Aloysio Nunes que foi motorista do Marighella. Você poderia descrever para nossos seguidores quem são esses simuladores e nos dizer quem são eles?

B (Dando uma boa baforada no cachimbo) – “Os filhos de Bob Dylan, clientes da Coca-Cola: os que fugimos da escola, voltamos todos pra casa. Um queria mandar brasa; outro ser pedra que rola… Daí o money entra em cena e arrasa e adeus caras bons de bola”.

AE – Esse cara vai na ferida dos caras, mas não confundir com “a ferida viva do meu coração”, não é? O quê? Ainda tem mais? Então, manda brasa.

B (Continuando) – “Donde estás los estudiantes? Os rapazes latino-americanos? Os aventureiros, os anarquistas, os artistas, os sem-destino, os rebeldes experimentadores, os benditos malditos – os renegados – os sonhadores? Esperávamos os alquimistas…  E lá vem os arrivistas, consumistas, mercadores. Minas, homens não há mais? Entre o céu e a terra não há mais que sex, drugs and rock ‘n’roll? Por que o adeus às armas? Não perguntes por quem os sinos sobram… Eles dobram por ti! O último a sair apague a luz azul do aeroporto. E ainda que mal pergunte: a saída será mesmo o aeroporto?”.

AE (Vibrando) – Loucura, moçada! O quê? Ainda tem mais? Manda brasa, arigó!

B – “Onde anda o tipo afoito que em 1-9-6-8 queria tomar o poder? Hoje, rei da vaselina, correu de carrão pra China, só toma mesmo aspirina e já não quer nem saber”.

AE –Loucura, loucura, loucura! Ainda agora você disse que “uma nova mudança vai acontecer”. Qual a forma para essa mudança?

B – “A única forma que pode ser nova é nenhuma regra ter; é nunca fazer nada que o mestre mandar. Sempre desobedecer. Nunca reverenciar”.

AE – A noite tem para você um signo profundo?

B – “Anoite fria me ensinou a amar mais o meu dia. E, pela dor eu descobri o poder da alegria e a certeza de que tenho coisas novas pra dizer”.

AE – Você é nordestino, e como você sabe, há hoje no Brasil uma consciência nazifascista que discrimina violentamente o povo do Nordeste. Como você concebe esse comportamento genocida contra o Nordeste?

 B (Sorrindo) – “Nordeste é uma ficção! Nordeste nunca houve! Não! Eu não sou do lugar dos esquecidos! Não sou da nação dos condenados! Não sou do sertão dos ofendidos! Você sabe bem: conheço o meu lugar”.

AE – E o medo de avião?

B (Balançando a cabeça sorrindo) – “Agora ficou fácil. Todo mundo compreende aquele toque Beatles: – “I WANNA HOLD YOUR HAND!”.

AE – E aquela namorada e aquele teu melhor amigo?

B – “Minha namorada voltou para o norte, ficou quase louca e arranjou um emprego muito bom, meu melhor amigo foi atropelado voltando pra casa. Caso comum de trânsito”.

AE – Os filósofos Epicuro, Spinoza, Nietzsche dizem quase o mesmo sobre falar sobre a morte. É claro que ninguém pode falar sobre a morte, porque é a última experiência e a única que não se pode contar nada sobre ela. Eles dizem que falar sobre a morte enquanto se está vivo é imundo. Mas vamos conceder uma cortesia sobre esse tema. Como você cogita sua morte?

B (Sorrindo) – “Talvez eu morra jovem: alguma curva do caminho, algum punhal de amor traído completará o meu destino”.

AE – Belchior você é uma cara corajoso. Sua obra e sua existência comprovam sua coragem. Mas nos responda: você tem Medo?

B – “Eu tenho medo. E medo anda por fora, medo anda por dentro do meu coração. Eu tenho medo em que chegue a hora em que eu precise entrar no avião. Eu tenho medo de abrir a porta que dá pro sertão da minha solidão. Apertar o botão: cidade morta. Placa torta indicando a contramão”.

AE – O que você pode nos dizer sobre a sorte na vida?

B – “Coisa muito complicada o amigo tem ou não tem. Quem não tem sucesso ou grana tem que ter sorte bastante para escapar salvo e são das balas de quem lhe quer bem”.

AE – Temer, o golpista-mor junto com sua escória, vem desmontando as leis democráticas do país. Porém, ele tem, com ajuda da mídia capitalista também golpista, feito pronunciamentos como se tudo estivesse às mil maravilhas. Como você concebe o presente e estes pronunciamentos?

B – Olho de frente a cara do presente e sei que vou ouvir a mesma história porca. Não há motivo para festa: ora esta! Eu não sei rir à toa!”.

AE – Você como pintor e desenhista pode nos apresentar um quadro da família-nuclear-burguesa-patriarcal?

B – “No centro da sala, diante da mesa no fundo do prato, comida e tristeza, a gente se olha se toca e se cala e se desentende no instante em que fala. Medo, medo, medo, medo. Cada um guarda mais o seu segredo a sua mão fechada, a sua boca aberta, o seu peito deserto, a sua mão parada, lacrada e selada e molhada de medo. Pai na cabeceira…”.

AE – Essa família lhe concedeu um prêmio no começo de 70, certo? Contam que na noite que você recebeu o prêmio os canas deram uma chegada em você, certo (Belchior sorrir)? Se alguém tentasse lhe obrigar a parar de cantar, o que você diria?

B – “E eu vos direi, no entanto”: enquanto houver espaço, corpo, tempo e algum modo de dizer Não! Eu canto”.

AE – O que você diz sobre a vida?

B (Com ar apaixonado) – “Eu escolhi a vida como minha namorada com quem vou brincar de amor a noite inteira. Vida, eu quero me queimar no teu fogo sincero. Espero que a aurora chegue logo. Vida, eu não aceito não a tua paz, porque meu coração é delinquente e juvenil, suicida, sensível demais. Vida, minha adolescente companheira, a vertigem, o abismo me atrai: é esta minha brincadeira”.

AE – Observando sua temporalidade ontológica como você concebe sua existência?

B (Pensativo) – “Até parece que foi ontem minha mocidade, meu diploma de sofrer de outra universidade, minha fala nordestina, quero esquecer o francês. E vou viver as novas que também são boas o amor/humor das praças cheias de pessoas, agora eu quero tudo, tudo outra vez”.   

AE (Afetados de alegria) – Chegado a esse platô, você gostaria de desejar algo às pessoas?

B (Muito contente) – “Quero desejar, antes do fim, pra mim e os meus amigos, muito amor e tudo mais: que fiquem sempre jovens e tenham as mãos limpas e aprendam o delírio com coisas reais”.

AE – Belchior, nós trouxemos alguns instrumentos, você aceitaria terminar a entrevista cantando uma de suas músicas que tocam diretamente ao momento atual do golpe que estanca o Brasil. Como somos seus fãs de carteirinhas, nós até poderíamos fazer o backing vocal. Mote e Glosa? Vamos nessa! Aí, moçada, acessante do Afinsophia e Esquizofia, um abração e beijos. Logo, logo estaremos novamente com Belchior “balançando o coreto”. Não é. Belchior (Ele balança a cabeça gargalhando)?

“é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo

é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo

é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo

é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo é o novo

passarim no ninho

(tudo envelheceu)

cobra no buraco

(palavra morreu)

você que é muito vivo

me diga qual é o novo

me diga qual é o novo

me diga qual é o novo

                            novo

                            novo

                            novo

me diga qual é o novo

me diga qual é

me diga qual é o novo

me diga qual é

me diga qual é o novo

me diga qual é”.

Obs: Embora Belchior tenha musicalizado várias letras de outros companheiros seus,  como por exemplo, Jorge Melo, Fausto Nilo, Francisco Casaverde, Gracco, até com o reacionário coxinha Fagner, entretanto, a maioria das letras aqui expostas são de sua autoria.

Anúncios

ARTISTAS GRAVAM VÍDEO EM DEFESA DA CAUSA INDÍGENA: “DEMARCAÇÃO JÁ!”

Abril 26, 2017

demarcação

 

BOB DYLAN GANHA NOBEL DE LITERATURA

Outubro 13, 2016

Resultado de imagem para imagens do roqueiro bob dylan

O cantor, compositor, articulista e pintor Bob Dylan foi escolhido para abiscoitar o Prêmio Nobel de Literatura, ano 2016. Nascido em 1941, em Minnesota, com o nome bastimal Robert Allen Zimmerman, é imigrante de judeus-russos e começou a compor com dez anos de idade.

     Como roqueiro, Bob Dylan tem como tema de suas principais baladas questões, politicas, sociais como oposição às guerras imperialistas impostas pelas grandes nações aos povos subdesenvolvidos, racismo, defesa dos direitos das mulheres, de todas as minorias. Com essas questões sempre foi observado pelos órgãos de repressão dos Estados Unidos e de outros países opressores, como ocorreu com John Lennon.

    Cantar a liberdade é sua vocação como artista. Há porém, há um certo signo de contradição para quem sempre se postou como sujeito produtor de sinais libertários como ele. O Prêmio Nobel tem um ranço claro de propósito glamorizante reacionário, mesmo que escolha personagens, muitos deles com consciência progressista. Tem o efeito de amaciar desavisados que ocultam suas vaidades. Muitas escolhas suas foram claramente comprometidas com o status quo da dominação. Exemplo, escolha de Obama.

       Quem entendeu muito bem a sutileza do Nobel foi o filósofo Sartre que rejeitou sua indicação. Dois princípios tocaram-lhe para não aceitar. Sua condição de filósofo. Já que filósofo não precisa de reconhecimento, visto seu engajamento existencial como homem que produz seu projeto ontológico muito além do bem e do mal daqueles que procuram reconhecimento por seus reconhecimentos. Como faz o Nobel. Outro, como ele afirmou, porque ao receber o prêmio estaria traindo os que lutam pela liberdade. Receber toda a grana que lhe daria condição de não se preocupa por muito tempo com o capital para sobreviver as auguras da existência, não seduzia. Principalmente, por seu o filósofo engajado contra a mi´séria dos povos. Miséria produzidas por muitos que amparam o Nobel. 

      Claro, Bob Dylan, como Obama, não é Sartre e muito menos filósofo, mas é uma cara talentoso para o que se propôs. Inclusive à vaidade de aceitar a premiação como reconhecimento de sua obra.

        Faz parte.

Fresu: a ofensiva reacionária e o esforço de reconstrução da esquerda

Maio 28, 2016

Gianni Fresu é integrante do grupo de pesquisa "A cultura política no mundo do trabalho"

Entrevista com o marxista italiano Gianni Fresu, cujo livro Lênin leitor de Marx: dialética e determinismo na história do movimento operário será lançado, em junho, pela Fundação Maurício Grabois/Editora Anita Garibaldi

Por Marcos Aurélio da Silva e Rita Coitinho Gianni Fresu

É pouco conhecida, do público brasileiro, a trajetória do movimento comunista italiano. O PCI, que chegou a ser o maior partido comunista do Ocidente e desempenhou papel destacado na luta contra o fascismo e na consolidação democrática da Itália do pós-guerra, desintegrou-se completamente e hoje a luta dos comunistas italianos é para conseguir um mínimo de organização – o que se faz procurando colocar em marcha um movimento de reconstrução que unifique as forças em torno do Partido dos Comunistas Italianos (PdCI) e do Partido da Refundação Comunista (PRC). Antonio Gramsci, o maior expoente do antigo PCI, deixou uma obra inacabada, da qual, a maior parte em manuscritos e cartas, cuja interpretação e contribuição para o desenvolvimento do marxismo é reconhecida, mas ao mesmo tempo pouco compreendida. Muitos são os teóricos que reivindicam o pensamento de Gramsci, justificando as mais variadas interpretações, que vão do dogmatismo ao culturalismo e o liberalismo.

São interpretações incompletas, ou mesmo desonestas, afirma Gianni Fresu, jovem pesquisador e dirigente comunista italiano. Filiado por 22 anos na Refundação Comunista, onde desempenhou tarefas de dirigente regional e nacional, Fresu já publicou seis livros na Itália, entre eles Lenin lettore di Marx: dialettica e determinismo nella storia del movimento operaio, Il Diavolo Nell’Ampola. Antonio Gramsci, gli intellettuale e il partito e Eugenio Curiel: il lungo viaggio contro il fascimo. Seu percurso intelectual se desenvolveu em torno às disciplinas histórico-políticas, particularmente a história do movimento operário, com destaque para o pensamento de Antônio Gramsci. Gianni Fresu é integrante do grupo de pesquisa “A cultura política no mundo do trabalho”, coordenado por Marcos Del Roio, e a partir do qual realiza uma pesquisa sobre a propagação do pensamento de Gramsci no Brasil através do trabalho de Carlos Nelson Coutinho.

Pergunta – No seu livro Lenin, leitor de Marx, você afirma que a ideia de um Lenin dogmático e doutrinário é, na verdade, uma tese difundida pela ofensiva conservadora sucessiva à queda do Muro de Berlin. Por favor, fale um pouco sobre isso.

Gianni Fresu – Com o predomínio do modelo ocidental, após o fracasso do bloco socialista no Leste Europeu, a liquidação da herança teórica de Lenin passa a ser uma tarefa seguida com obstinação por grande parte do mundo político, acadêmico e cultural. Assim, entre a maioria dos historiadores do pensamento político, sociólogos, cientistas políticos, economistas ou simples jornalistas, prevalece a tendência de representar sumariamente Lenin como um “doutrinário” rígido e dogmático, que tinha a obsessão de abrigar a realidade numa camisa de força. O “drama do comunismo” seria, então, o resultado do fundamentalismo ideológico de Lenin e de sua pretensão de fazer nascer uma nova ordem a fórceps. O século 20 tem sido descrito como o século dos horrores, das ditaduras e, nessa leitura apocalíptica, Lenin é representado como a origem do pecado, o diabo responsável pelas desgraças e os lutos de um século ensanguentado, incluído aí o fascismo. Por isso, uma das suas elaborações mais conhecidas, o imperialismo, tem sido combatida com tanta violência. O sinal desta ofensiva não é neutro, porque nasce da exigência de cancelar a dupla validade do imperialismo, não só pelo que tem representado na obra de desmistificação das formas de autorrepresentação do real, mas sobretudo pelos instrumentos de luta fornecidos aos povos subalternos. E me refiro em especial à luta pela libertação do domínio colonial na Ásia, África e América Latina no século 20. Há noventa anos da morte de Lenin, a necessidade de retornar às suas premissas filosóficas e à sua atividade política surge, em primeiro lugar, pela exigência de se evitar esses atalhos e começar um trabalho de investigação o mais sério e rigoroso possível. Para além da liquidação e também das interpretações apologéticas, tal retorno é fundamental, se temos a ambição de compreender o fato revolucionário que marcou profundamente a história da humanidade no século XX. Embora tenha sido definido como um “doutrinário dogmático”, podemos identificar um fio vermelho na atividade teórica e política de Lenin, e este está exatamente na recusa metodológica das orientações mais esquemáticas e rígidas do determinismo marxista, predominantes no movimento socialista, na passagem do século 19 para o 20.

P: Uma de suas obras tratou do pensamento de Gramsci. Em que medida esta desconstrução de Lenin afeta também o pensamento político desse comunista italiano?

GF: Nas diferentes leituras sobre o intelectual da Sardenha se firmou uma tendência favorável à teoria da descontinuidade entre as reflexões de um primeiro Gramsci dirigente comunista, e de um outro, do período do cárcere. Uma ruptura entre a produção anterior e posterior a 1926: a primeira pertenceria ao Gramsci político, homem de partido, ou seja, um fanático comunista; a segunda ao Gramsci filósofo, maduro homem de cultura, e representaria a sua chegada à socialdemocracia. Assim, o conceito de hegemonia seria a prova de uma ruptura com Lenin. Esta tendência, originada de exigências mais políticas que científicas, se revelou sem rigor filológico, mostrando em pouco tempo todos os seus limites. Pelo contrário, a teoria de Lenin é uma premissa fundamental à definição da hegemonia. Assim, para ele, nos países capitalistas avançados é mais difícil fazer a revolução socialista, porque a sociedade burguesa tem instrumentos de controle e repressão sempre mais sofisticados, proporcionalmente ao próprio nível de desenvolvimento. Portanto, as massas se acham enquadradas nos esquemas da direção política, econômica e cultural da sociabilidade burguesa. Aqui está o eixo fundamental para Gramsci: nos países ocidentais o trabalho de preparação da revolução tinha que ser muito mais cuidadoso do que aquele no contexto russo. Diferentemente do que aconteceu na Rússia, no Ocidente o assalto ao poder estatal é inútil sem uma conquista hegemônica da sociedade civil. Este é o sentido das famosas notas sobre a “guerra de manobra” e “guerra de posição”. Segundo Gramsci, Lenin foi o primeiro a entender o problema, mas não teve como aprofundá-lo. Estas reflexões têm um valor muito importante para a ciência política porque abrem um campo de análise totalmente novo sobre as formas do poder político. No Caderno sete Gramsci escreveu: “No Oriente o Estado é tudo, a sociedade civil é primitiva e gelatinosa; no Ocidente, entre Estado e sociedade civil, havia uma justa relação, e em qualquer abalo do Estado se percebia logo uma robusta estrutura da sociedade civil. O Estado era só uma trincheira avançada atrás do qual se situava uma robusta cadeia de fortalezas e casamatas; em medida diversa de Estado a Estado, sem dúvida, mas exatamente assim, isto pedia uma cuidadosa investigação de caráter nacional” (1).

E estas são as palavras de Lenin: “Começar, sem preparação,uma revolução num país onde o capitalismo é desenvolvido, que tem dado, até o último homem, uma cultura e um método de organização democrático, é errado, é um absurdo” (2).

P: Essa mesma desconstrução afeta hoje a figura política de Palmiro Togliatti, o grande dirigente do Partido Comunista Italiano, depois da morte de Gramsci?

GF: Togliatti foi o grande responsável pela unidade das forças democráticas contra o fascismo no movimento comunista, seja no famoso 7º Congresso do Comintern, em 1935, seja no trabalho de construção unitária do Comitê de Libertação Nacional na Itália. Mas já o tinha sido antes, quando, em 1928, foi o único a valorizar a relação com Bukharin (já contrário à linha que igualava o fascismo à socialdemocracia); tanto assim que lhe foi tolhida a palavra. Ele transformou um pequeno partido de vanguarda no maior partido comunista do Ocidente, dando aos comunistas um papel central não só naquele sentido messiânico do “sol do amanhã”, mas na construção diária de uma democracia com as ambições de resolver as necessidades da igualdade tanto formal quanto substancial, isto é, não só a velha democracia liberal pré-fascista, mas um novo tipo de democracia social. Um quadro constitucional em que os trabalhadores teriam a tarefa de conseguir um papel de liderança no país através de um progressivo alargamento dos espaços da democracia social, política e econômica.

Se a Itália – apesar da “guerra fria” então em curso, e ao contrário dos outros dois países do Pacto Tripartite (Japão e Alemanha) – tinha uma Constituição nascida de um processo popular, e não emanada dos exércitos aliados, isso também se deve a ele. Togliatti foi o mais decisivo defensor da estreita união entre a perspectiva da futura democracia a construir e a imediata luta popular pela libertação nacional do fascismo, em um tempo em que muitas forças nacionais preferiam a imobilidade, esperando que os exércitos aliados libertassem a Itália. Por todas estas razões, 50 anos após sua morte, em um período de constante rebaixamento da Constituição de 1948, onde se busca voltar aos equilíbrios das antigas formas de representação nobiliárquicas, Palmiro Togliatti – tratado como “um cachorro morto” –, na realidade, ainda provoca muito medo. E por isso continua a ser objeto das mais absurdas e idiotas campanhas da imprensa, destinadas a representá-lo como o demônio do século 20 italiano. Ao contrário, quanto mais estamos diante do desastre da pulverizada esquerda italiana – não só desprovida de uma visão orgânica do mundo, como também mais prosaicamente de um projeto político mínimo – tanto mais a sua figura deveria ser estudada com um pouco de mais atenção, pois em seu legado político e teórico podemos encontrar muito de tudo aquilo que está hoje faltando.

Os ataques a Togliatti em geral são imputáveis a certas releituras revisionistas da obra de Gramsci, sobre cujas cinzas se realiza o enésimo processo contra a história do Partido Comunista Italiano. Há uma categoria de estudiosos especializados em pesquisas sobre a suposta conversão política, quando não também religiosa, de Antonio Gramsci aos paradigmas do liberalismo. A bibliografia tendente a apresentar um Gramsci atormentado e levado a um pouso liberal no final da vida, no limite um socialdemocrata, é ampla – e, embora de valor científico sensacionalista, muito apreciada. A isso se acrescentam outras teses extravagantes, sempre de corte sensacionalista e nunca minimamente fundadas em fontes confiáveis, particularmente estimuladas pelos “grandes” jornais italianos e programas de televisão de divulgação histórica. Resumidamente, elas dizem: 1) Togliatti foi o carcereiro cruel de Gramsci; 2) as irmãs de Schucht e Piero Sraffa (ou seja, esposa e irmã e um íntimo amigo de Gramsci) eram agentes da KGB contratadas por Stalin para vigiá-lo; 3) Mussolini e as prisões fascistas defenderam, e de fato salvaram, Gramsci de seu próprio partido. Se fosse fidedigno o quadro destas interpretações, teríamos um Gramsci não só permanentemente perdido e atormentado, mas um homem tendencialmente ingênuo, vítima inconsciente de agentes duplos, da pérfida maldade traiçoeira de todas as pessoas que lhe estavam mais próximas. Ora, todos esses argumentos giram em torno da releitura forçada (obviamente nunca provada) de correspondências necessariamente cifradas; de meras suposições subjetivas não apoiadasem qualquer documento; de leituras banais e parciais dos escritos de Gramsci; e sobre a manifesta falsificação de documentos de arquivos.

P: E Eugênio Curiel, intelectual que você estudou no livro Eugenio Curiel: a longa viagem contra o fascismo, que valores ele deixou na cultura comunista italiana?

GF: Embora seja a base da nossa Constituição republicana, poucas experiências históricas têm sido objeto de tamanha disputa como a luta partigiana ocorrida entre 1943 e 1945. Já no dia seguinte à redescoberta da democracia, multiplicaram-se as tentativas para redimensionar o papel da Resistência na história da libertação nacional e, em particular, o peso específico do seu componente principal. Nos interstícios das remoções forçadas, ou das necessidades ligeiras de reescrever a história, permaneceram experiências coletivas e personalidades individuais de certo relevo, mas destinadas ao esquecimento. Entre elas está o jovem intelectual Eugenio Curiel, uma figura multifacetada, por seus interesses e inclinações intelectuais, que sacrificou sua própria vida à causa da libertação, como muitos de sua geração. Um homem, morto sem ter completado 33 anos de idade, que, apesar de sua curta passagem, deixou um legado de reflexão, análise, propostas e experiências de política concreta, digno da maior atenção. Por exemplo, ele foi um dos primeiros a desenvolver com continuidade e profundidade a categoria de “democracia progressiva”, tão importante na política de Palmiro Togliatti. Curiel foi formado e amadureceu nos anos da máxima expansão do regime de Mussolini, uma fase ainda atravessada por um clima de inquietação em um número crescente de jovens, educados na doutrina do fascismo, mas profundamente insatisfeitos com suas realizações concretas.

Foi um intérprete e inspirador da “geração dos anos difíceis”, cumprindo um papel fundamental de ligação entre as necessidades dos jovens com aquelas dos antigos protagonistas da luta antifascista, em uma relação marcada pela solidariedade ativa e não pelo confronto de gerações. Não faltam exemplos na história de fraturas geracionais. No entanto, os resultados mais profundos em termos de renovação ocorreram quando entre as gerações antigas e novas se criou uma soldagem em torno das escolhas em jogo. A luta pela libertação do nazi-fascismo é um exemplo disso, até pelo irromper difuso de jovens crescidos no regime que, na clandestinidade, encontram um ponto de contato com os antigos protagonistas do antifascismo derrotados por Mussolini. Ele morreu na véspera da vitória final, num gélido fevereiro em Milão, sem ter podido ver as cores de uma primavera muita aguardada e para a qual tanto lutou: a libertação. Tendo visto e ajudado a acelerar o declínio da ditadura, ele não pôde apreciar o amanhecer de uma nova democracia, e talvez até mesmo neste particular esteja o fascínio de seu trágico destino, dramaticamente marcado pela violência do fascismo. Embora hoje quase completamente esquecido, Eugenio Curiel, em sua curta vida, deixou um sulco importante, tornando-se um ponto de referência para muitos jovens que entraram para o PCI a partir da Resistência e nas décadas após a libertação. Entre eles, Enrico Berlinguer, secretário da Federação da Juventude Comunista depois da Guerra, particularmente ativo na valorização e no estudo da obra de Curiel.

P: Como você vê as perspectivas do movimento comunista europeu na atualidade, depois da socialdemocratização por que passaram tantos partidos históricos, entre eles o antigo PCI?

GF: A situação da esquerda de classe na Europa é muito difícil, mas o é seguramente ainda mais na Itália. O país que ostentava o maior e mais enraizado partido comunista do Ocidente, agora tem a pior e mais fraca esquerda de alternativa do continente. A ofensiva reacionária que definitivamente está destruindo o que resta da civilização do trabalho na Itália impõe à esquerda um esforço para reconstruir em novas bases um campo político como o nosso, de tal modo devastado que faz lembrar uma praga de gafanhotos.

Na esquerda, pelo menos há dois anos, estão em curso reuniões e conferências a partir da qual surgiram documentos e propostas de reconstrução. Agora seria o caso de se deslocar da etapa das propostas para a organização, evitando deixá-las definhar em um debate que sempre ameaça a si mesmo. Pessoalmente, acredito que devemos agir em dois níveis: 1) colocar sob novas bases, em termos positivos e finalmente unitários, a questão comunista em nosso país, superando os problemas políticos de ineficiência causada pela diáspora e a pulverização da iniciativa ao longo das últimas duas décadas; 2) construir uma frente mais ampla de luta da esquerda contra as políticas sociais da União Europeia, no âmbito da qual os comunistas devem ter um papel pró-ativo e não de retaguarda. Os dois termos são essenciais e devem andar juntos, pois cada um deles tomado individualmente não seria suficiente: só a reconstrução da primeira, em si, não serviria, em uma fase em que se precisa primeiro aumentar as lutas sociais e, portanto, reconstruir uma teia de relações mesmo fora de seu campo estritamente ideológico; menos ainda serviria dissolver os comunistas em um novo sujeito de esquerda, genérico e sem adjetivos, transformando a sua presença em uma “tendência cultural”, porque inevitavelmente ainda se encontraria fraco e disperso, sofrendo a direção de outros, em vez de exercer a hegemonia.

Embora cada contexto seja o resultado de sua peculiaridade nacional e continental, na América Latina houve uma situação semelhante, se não pior, depois de décadas de derrotas, retrocessos e ditaduras sangrentas para os quais os comunistas pagaram um preço muito alto. Bem, na América Latina foi possível inverter a tendência e reconstruir um campo de classe em nível continental, capaz de pôr novamente na ordem do dia o tema do socialismo, colocando em sérios apuros a intromissão do imperialismo norte-americano na região, justamente porque se buscou manter intimamente unidos esses dois termos de uma mesma equação. Basta pensar no Foro de São Paulo nos últimos anos e nas muitas experiências na Bolívia, Venezuela, Chile e Argentina, onde as forças comunistas não se dissiparam, e ao mesmo tempo não se fecharam em suas fortalezas de certezas ideológicas. Mas esta é a mesma história dos comunistas na Itália, capaz de nos dar ideias de onde tirar inspiração. Diante do fascismo triunfante da década de 1930, os comunistas não escolheram nem dissolver-se em uma ampla frente unitária, nem seguir separadamente das outras forças antifascistas, mas trabalharam tenazmente para manter unidas as duas exigências: a autonomia dos comunistas; e a unidade com as outras forças antifascistas. Só assim os comunistas conseguiram exercer uma hegemonia mais ampla e assumir um papel positivo e pró-ativo, que permitiu um salto à frente, tanto no que diz respeito à força dos comunistas, quanto diante da luta antifascista. Por todas estas razões é que fui um dos signatários do apelo da “Associação para a reconstrução do Partido Comunista no quadro mais amplo da esquerda de classe.”

Notas

(1) GRAMSCI, A. Quaderni del carcere (Cardernos do Cárcere). Op. cit., p. 866.
(2) LENIN, V. I. Rapporto sulla guerra e sulla pace (Relatório sobre a guerra e sobre a paz),7 de março de 1918. III Congresso do PC(B)R. In: Opere complete, vol. XXVII. Op. cit., p. 85.

Entrevista publicada originalmente na revista Princípios – n° 134, março de 2015. Marcos Aurélio da Silva é professor dos cursos de graduação e pós-graduação em geografia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Rita Coitinho é mestra em sociologia e doutoranda em geografia humana na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A SENSIBILIDADE, A INTELIGÊNCIA E A MORAL DOS DEPUTADOS E SENADORES GOLPISTAS MOSTRADOS PELA PROFESSORA DE SOPHIA

Maio 7, 2016

1 - camara-dos-deputados_0_0

Sophia é uma garotinha muito vivaz, inteligente, companheira, solidária e participativa. Atributos necessários a todos que acreditam que a existência só se justifica quando todos estão comprometidos com a sociabilidade como bem comum. Riquezas materiais e imateriais de todos.

Hoje é o dia da prova final da turma de Sophia. Como não era para ser diferente, ela estudou todos os conteúdos apresentados pela professora e, por tal realidade, encontra-se preparada para responder as questões que sua professora vier lhe perguntar.

Diante de uma sala repleta de crianças alegres e criativas, a professora abriu a porta, entrou, com cara de poucos amigos, ou nenhum amigo, e empurrou a porta com o pé direito. Sentou, abriu uma pasta com algumas folhas, olhou para a turma, já em silêncio, fez a chamada aos berros e disse que a primeira que iria ser examinada na arguição oral seria Sophia. A menina sorriu. A professora zombou do sorriso da garotinha e lhe lançou um olhar ameaçador.

A professora cuspiu no cesto de colocar papéis, pigarreou e com uma régua na mão direita, chamou Sophia. Ela, se levantou, foi até a mesa da professora, cumprimento-a, sorriu e jogou beijos para a turma.

Ameaçadora, a professora afirmou que iria fazer quatro perguntas. Uma de geografia, uma de português, outra de matemática e a última de história. Em sua vontade de saber como devir-criança, Sophia vibrou.

– Qual o maior estado da Região Norte? –perguntou a professora debochando de Sophia.

– Estado do Amazonas! – respondeu Sophia muito contente entre os aplausos da turma.

– Errado! – gritou a professora completando. – O maior estado do Norte é o Paraná, sua estúpida. Agora a pergunta de matemática. Quanto é dois mais três?

– Facílimo! Dois mais três cinco.

– Erradíssimo, sua bucéfala! Dois mais três é sete. Caceta, que ofensa à operação de somar. Pergunta de português. Fábio foi para casa. Quem é o sujeito da oração?

– O sujeito da oração é Fábio.

– Tapada, o sujeito da oração é, “foi para a casa”. Fábio é o morador da casa, sua energúmena! Meu Deus, essa é a tal Pátria Educadora? É preciso ter muita paciência com você, porque você é a burrice elevada ao quadrado. Última pergunta. Quem é o presidente do Brasil?

– Professora, eu não quero chamar sua atenção, mas não é presidente. É presidenta. Presidenta Dilma!

– Você além de bucéfala, tapada e burra, é totalmente analfabeta política. O presidente do Brasil é o Temer! Sua nota é zero! Você está reprovada! Você é a prova viva que comeu muita casca de queijo e coquinho de caroço de tucumã. Você não sabe nada! De sabedoria você só tem o nome. Seu nome deveria ser Juju, de jumenta. 

Sophia protestou afirmando que havia acertado todas as perguntas e não podia ser reprovada. Diante da violência da professora a turma não deixou barato. Solidarizou-se com Sophia e em coro gritou que a professora era uma carrasca autoritária. A professora a ameaçou a turma com a régua, mas desistiu logo ao receber uma laranja na cabeça lançada pelo aluno mais baixinho.

O diretor da escola, um homem bajulador e prepotente, ao ouvir o coro dos alunos, partiu babando de raiva para saber o que estava ocorrendo. Não precisou nem abrir a porta, pois a professora acovardada abriu a porta e em desabalada carreira esbarrou nele e os dois caíram rolando no chão, enquanto os alunos se divertiam pulando por cima dos dois, indo direto ao pátio da escola.

No pátio da escola uma garotinha tomou a palavra e discursou afirmando que a professora e o diretor da escola estavam tratando os alunos como os deputados e senadores que queriam derrubar Dilma sem que ela tivesse cometido qualquer crime. Ao ouvirem o discurso, os alunos da escola inteira gritaram: “Não vai ter golpe”! A garotinha continuou seu discurso afirmando que para os deputados e senadores suas posições eram iguais de sua professora: não adianta os alunos estarem certos que ela já tem sua opinião.

Sophia, que havia aberto o portão da escola, convocou todos os alunos da escola a irem às ruas protestar junto com os moradores do bairro contra o arbítrio e a falta de democracia da professora e do diretor.

Na janela de uma casa, uma senhora bradou que só com o povo nas ruas o Brasil pode defender a educação e a democracia. E lá foram os moradores pelas ruas discursando sobre os direitos do povo. Por onde passavam aumentava mais o cordão da democracia.

Quanto à diretora e o diretor, continuaram rolando no chão da mesma forma que os deputados e senadores rolam no chão sujo do golpismo.

respondendo que na região Norte. A professora bateu na mesa com raiva, dizendo que a resposta estava errada. Disse a sentença, “Pedro é burro”, e perguntou quem era o sujeito. Tikinha sorriu e respondeu que era Pedro. A professora se levantou, chutou a mesa e afirmou que a resposta estava errada. Então, fez a última pergunta para que Tokinha respondesse quando era 3 mais 2. Tikinha respondeu alegríssima que era 5. A professora subiu na mesa e gritou ensandecida que ela estava reprovada.

Tikinha junto com a turma protestou afirmando que acertará todas as perguntas, mas professora estava irredutível afirmando que ela estava reprovada. A turma começou a se rebelar, e professora foi chamar o diretor da escola. Ele entrou na sala esbravejando  dizendo que naquela sala quem mandava era a professora e fim de papo.

E para terminar, gritou que naquela escola quem sabia o que era certo e o que era errado era a professora e ele, diretor.

A turma deixou a sala, foi ao pátio da escola, convocou os outros alunos que estavam em suas salas de aula, e se dirigiram às ruas mostrar aos moradores que tipo de professores e escola queriam ensinar o conhecimento e a moral.

O TESTAMENTO DE JUDAS 2016 SEGUNDO JESUS CRISTO

Março 26, 2016

Sem título

Há anos, todos os sábados de Aleluia, este Blog Afinsophia publica o Testamento de Judas. Neste sábado, por motivo excepcional, Judas Escariotes não publicará seu testamento. Porém, o testamento será publicado sem qualquer vazamento seletivo e privilégio de mídia. Será divulgado a todos os brasileiros de forma democrática.

Depois de visitar várias cidades do Brasil conhecendo seus habitantes, seus costumes, tradições, expressões, anseios, dúvidas, certezas e expectativas, o homem chegou a um bairro na periferia da última cidade visitada por ele, entrou em uma taverna e pediu um copo com vinho. O proprietário da taverna, um senhor de meia idade, gordinho e sorridente, disse que seu estabelecimento, por ser simples, não vendia vinho, mas só cachaça.

O homem balançou a cabeça aquiescente e pediu a cachaça. O taverneiro pegou a garrafa no balcão e colocou uma dose. O homem lhe perguntou:

– Qual é essa medida?

– Uma dose. – respondeu o taverneiro.

– Coloque, então, mais duas doses. – pediu o homem.

O taverneiro encheu o copo do homem e, sorrindo, disse:

– Acabou. Era a última garrafa. Dizem que é a melhor cachaça do pedaço. Vem do Nordeste.

Nesse momento entrou um trabalhador, alegre e falante.

– Solta uma dose da ‘santa’!

– A ‘santa’ acabou. O parceiro aí comprou a última dose. – respondeu o taverneiro.

– Não pode ser! Logo hoje, dia santo falta a ‘santa’?

O homem sorriu e pediu ao comerciante para pegar outro copo. O comerciante entregou o copo, o homem dividiu a cachaça nos dois copos e deu um ao trabalhador.

– Valeu, companheiro!- pegou o copo e sorveu uma talagada e em seguida comentou: – Essa é pureza, pura. É quente.

– Quente como a vida. “Quem está perto de mim, está perto do fogo. Quem se distancia de mim, se distancia da vida”. – disse o homem.

– Grande filosofia da cachaça. Por isso que eu digo: a cachaça boa é como o rock. Como disse o roqueiro Neel Young: “nunca vai morrer”.

Entrou uma mulher e pediu uma dose de cana. O taverneiro respondeu que as últimas doses os dois fregueses estavam tomando. A mulher ficou triste, mas homem propôs um acordo: os dois dariam um pouco da cachaça para ela. O taverneiro trouxe outro copo e fizeram a divisão. O homem afirmou:

– Onde bebe um bebe três ou, talvez, mil.

– Assim já é o milagre do pão em forma de cachaça. – disse a mulher muito alegre.

O trabalhador olhou firmemente o homem e disse:

– Eu acho que te conheço.

– Pode ser. Um homem é ele, a sociedade e o mundo. Respondeu o homem.

– Tu és um filósofo! – afirmou o trabalhador.

Começaram a contar histórias, opinar sobre os acontecimentos no Brasil e cantar samba. A mulher, que tinha uma voz semelhante à de Jovelina Pérola Negra, cantou Sorriso Aberto, o taverneiro pegou um atabaque, o trabalhador tirou um som na garrafa seca e sambou. O homem sorria enquanto tentava alguns passos miudinhos.

Nesse momento, passando na frente da taverna uma menina de uns cinco anos se soltou da mão da mãe e olhando para dentro do estabelecimento, bradou:

– É Jesus Cristo!

– Tu tá doida menina! Que Jesus Cristo! – a mãe repreendendo a criança, puxou-a       pelo braço.

A menina se soltou e continuou bradando na frente da taverna:

– É Jesus Cristo! É Jesus Cristo! Eu sei que é ele. – Bradava convicta a criança.

– Não é Jesus Cristo! Jesus só vai voltar a terra no Juízo Final, para julgar os vivos e os mortos  elevar os bons para o paraíso – replicou a mãe.

– Ele é Jesus Cristo! E esse Juízo Final é mentira. Jesus Cristo está ali! 

– Como que tu tem certeza que esse homem é Jesus Cristo? – perguntou a mãe.

– Eu sei que é ele porque ele tem esse cabelo, usa essa roupa e calça essa sandália.

– Então aquele teu tio cachaceiro é Jesus Cristo, porque ele parece com esse homem. – debochou a mãe.

– O titio não é Jesus Cristo, mas é filho dele. –respondeu a menina.

O taverneiro, o trabalhador e a mulher olharam intrigados para o homem. A mulher de forma suave, falou:

– Essa criança não está mentindo. – ficou em silêncio e perguntou: – Tu és mesmo Jesus Cristo? O filho de Maria?

O homem sorriu para os três, foi até a criança na rua e disse:

– Vinde a mim as criancinhas!

A menina alegre, cheia de contentamento, se jogou nos braços do homem, e disse:

– Eu sabia que tu eras Jesus Cristo. Eu sabia que tu eras Jesus Cisto, porque tu és diferente dos Jesus que os pais, professores e pastores falam. O Jesus que eles falam é triste, sofredor, causa pena, castiga, julga, cobra para ser amado. Um Deus que quer ser amado não é Deus. Isso não pode ser uma pessoa que ama. O amor não é triste. O amor não cobra amor. Quando eu te vi eu tive certeza, Tu és alegre.

A menina foi interrompida com a mãe chamando:

– Vamos embora encontrar teu pai na feirinha.

– Não precisa ir. Ele já estar em casa, – disse o homem.

A mulher, desconfiada, pegou o celular, ligou ao marido, ele atendeu e disse que já estava em casa. A mulher tremeu. Puxou a menina com força e disse:

– Vamos já embora, esse homem é o diabo!

– A senhora não acredita em sua filha. Não é uma boa mãe. Como não é uma boa mãe, por que vai ter outro filho? – perguntou o homem.

– Meu Deus! – gritou a mulher que antes havia recebido informação de sua médica que estava grávida.

– Eu vou ter um irmãozinho? – perguntou a menina abraçando o homem.

Como a conversa estava ocorrendo na frente da taverna logo outras pessoas foram chegando para saber o que estava ocorrendo. Um homem em uma cadeira de rodas se aproximou, o homem foi até ele e perguntou o motivo dele se encontrar naquele estado.

– Eu sofri um acidente, e o médico disse que eu estava paralítico e agora minha vida é essa cadeira. – respondeu.

O homem foi até ele, pegou em suas pernas, examinou músculos, ossos, nervos, apertou-os, e o cadeirante deu um breve gemido. O homem pediu que ele levantasse e andasse. Com receio foi levantando, até que ficou em pé e começou a andar e gritou:

– É milagre! Estou curado! É milagre!

– Não, não é milagre! O seu médico é inimigo de Hipócrates. O seu médico é um charlatão. O seu problema era apenas uns nervos de suas pernas que estavam sobre outros. Por isso que quando o senhor movimentava as pernas elas doíam e o senhor não andava.

– Agora eu vou tocar fogo nessa cadeira miserável. – disse o ex-paralítico.

– Não! O senhor deve doar a quem verdadeiramente necessite. – aconselhou o homem.

Nesse momento chegou perto do homem um rapaz com o braço direito em forma de foice pedindo que ele lhe ajudasse, porque ele não suportava mais ser apelidado de braço de remo. O homem pediu que ele imaginasse um acontecimento de lhe enchesse de forte alegria e em seguida pulasse com o braço socando para cima. O rapaz fechou os olhos se concentrou e gritou:

– Goooooool! – parou, viu o braço no estado normal, gritou que era milagre e se ajoelhou diante do homem.

– Levanta-te! Não é milagre. O teu medo te impedia de esticar o braço, por isso essa forma de foice.

Aproximou-se um homem de paletó, a gravata bem apertada pedindo que o homem currasse uma dor de cabeça insuportável que só ocorria quando ele ia trabalhar como porteiro de um clube. O homem pediu que ele afrouxasse o laço da gravata. Ele afrouxou e a dor desapareceu. O homem explicou que a dor de cabeça é causada pelo forte laço da gravata que impedia a irrigação do sangue.

De repente a rua foi tomada por milhares de pessoas que queriam ver Jesus Cristo e pedir cura. Um idoso se aproximou do homem e disse:

 – Eu não quero nada para mim, senhor. O que eu quero é para todos. Eu quero que o senhor ajude a vida do pobre melhorar.

O homem sorriu e disse:

– É por isso que estou aqui no Brasil. Mas a vida do pobre já começou a melhorar. Lula e Dilma já começaram o trabalho tirando mais de 40 milhões de brasileiros da faixa da extrema pobreza. O meu trabalho é apenas de auxiliá-los.

– “Não vai ter golpe! Não vai ter golpe!”. – os milhares bradaram.

Uma senhora se aproximou e disse que o problema dela era problema de toda a comunidade: falta de água. Nesse momento um caminhão passou com força sobre um buraco e quebrou um grosso cano de conduzia água. As pessoas ficaram eufóricas e passaram a tomar banho e beber água. O homem então falou:

Não é melhor consertar o cano, colocar uma torneira e transformar em água coletiva?

Todos aplaudiram e uns operários se encarregaram de fazer o serviço hidráulico.

A dois quilômetros de distância do local, uma mulher muito enferma, desenganada, esperando a morte, ouviu o brado coletivo. Com esforço se levantou, foi ao banheiro, tomou um bom banho, vestiu seu melhor vestido vermelho, azul e branco, se maquiou, meteu seu salto alto, e foi ao encontro de Jesus Cristo. Enquanto caminha pelas ruas dizia:

– Morrer sem conhecer Jesus Cristo é não ter nascido. – e todos que a ouviam seguiam-na.

Diante da multidão o homem disse que naquele sábado de Aleluia ele tinha uma missão a realizar. Divulgar o testamento de seu amigo Judas.

–  Judas não teu amigo! Ele te traiu! – bradou um homem colérico.

– Não, Judas não me traiu. Vocês acreditam em uma inverdade propagada pelo império romano e por Paulo para mudar minha história. Judas era um militante que queria a liberdade do povo. Eu também perseguia esse ideal, mas diferente de Judas. Para mim, para que um povo seja livre é preciso primeiro que cada um tenha sua alma libertada, primeiro. Judas queria logo a liberdade da alma coletiva.

– Judas lhe traiu por 30 moedas e tu morrestes para nos salvar – bradou outro homem.

– Não. A história dessas moedas é falsa. Você sabe quanto está custando o dólar? – perguntou o homem.

– Não. – respondeu o homem das 30 moedas.

– Pois é, se você não entende da moeda atual como entender da moeda de há dois mil anos. Quanto a eu ter morrido por vocês, ninguém morre por ninguém. Cada um morre em si sem sequer saber que morreu. Como diz meu amigo filósofo Epicuro: “quando estamos vivos a morte não existe, e quando morremos somos nós que não existimos”. Quer dizer nós não sabemos o que é morrer. – respondeu ao homem e continuou. – Judas não pôde vir aqui apresentar seu testamento e em seu lugar vim eu. Espero que vocês gostem 0000000000de meu testamento de Judas.

Judas me falou que o brasileiro

É um povo inteligente e maravilhoso

Mas também me alertou

Sobre um número mal e horroroso.

Que não sabe conviver na democracia

Com quem tem espírito grandioso.

TESTAMENTO DE JUDAS SEGUNDO JESUS CRISTO

 

Minha corajosa amiga Dilma

Mulher do coração guerreiro

Acredite que não vai haver golpe

Porque Deus é brasileiro.

 

 

Continue governando seu povo

Com, ética, sentimento e razão

Pois não vai ser a estupidez

Que vai abalar essa nação.

 

 

A democracia é o regime

Em que a potência-política se alinha

E ela não será destruída

Pela inveja e ódio de coxinha.

 

 

Eles fingem ser honestos

Mas não enganam ninguém

O povo já entendeu

Que eles só querem se dar bem.

 

 

Quanto ao meu amigo Lula

Preso coercitivamente

No ano de 2018

Será outra vez presidente.

 

 

Seu nome é uma potência

Que deixa as direitas enlouquecidas

Quanto mais elas lhe atacam

Mais elas ficam perdidas.

 

 

As direitas não têm em seu meio

Nenhum nome para a presidência

Por isso para Lula vai ser sopa

Ganhar dessa indigência.

 

 

Aos movimentos sociais

Que lutam pelos direitos dos brasileiros

Deixo-lhes coragem, vontade,

Além de muito dinheiro.

 

 

Para todos os movimentos que agora

Defendem a democracia

Deixo-lhes a certeza inconteste

Os traidores não destruirão a soberania.

 

 

Aos que defendem o Estado de Direito

Uma lição é importante não esquecer:

Lutar, é verdade, é preciso,

Mas sempre visando vencer.

 

 

Ao meu amigo Chico Buarque

Que não compõe com nazifascista

Deixo-lhe mais inspirações

Para que sua obra resista.

 

 

Para minha amiga blogosfera

Imprensa livre e inteligente

Deixo a certeza inconteste

Do fim da mídia que mente.

 

 

Aos candidatos das esquerdas

Que vão disputar eleição

Trabalhem e não desesperam

O povo vai estourar a boca do balão.

 

 

Às direitas farisaicas

Que posam de imaculadas

Deixo a sabedoria do povo

Que mostra como são taradas.

 

 

Para burguesia-ignara

Ímpar na moral depravada

Deixo material de limpeza

Pra fossa, esgoto e privada.

 

 

Para o telespectador cordeiro

Que ainda acredita na Globo

Deixo o brio e a coragem

Do nobre e inteligente lobo.

 

 

À família Marinho

Que nega ser dona da Paraty Mansão

Deixo o Movimento Sem Terra

Com título de apropriação.

 

 

Para TV Globo golpista

Que 2018 termina a concessão

Deixo Lula eleito

Para acabar com a esculhambação.

 

 

Ao honesto Fernando Henrique

Que na hipocrisia se oculta

Deixo os documentos

Da namorada Miriam Dutra.

 

 

Ainda para o ‘príncipe’ sem trono

Que comprou sua reeleição

Deixo documentos de Pedro Correa

Que mostra como sua corrupção.

 

 

Ao ‘honesto’ Eduardo Cunha

Que do impeachment quer aceleração

Deixo o ministro Teori

Pedindo sua prisão.

 

 

Ao deputado Eduardo Cunha

Pelo STF investigado

Deixo-lhe a cadeia

A corrente, a chave e o cadeado.

 

 

Aos parlamentares corruptos

Que querem Dilma cassar

Deixo delação premiada

Para cada um consolar.

 

 

Ao ressentido Aécio Neves

De delação o hexacampeão

Deixo-lhe uma calculadora

Para saber seus anos de detenção.

 

 

Ao senador Aécio Neves

Que perdeu para Dilma nas urnas

Deixo-lhe mais uma derrota

Dessa vez no processo de Furnas.

 

 

Ao rei da bolinha José Serra

Entreguista da riqueza da nação

Deixo-lhe o livro otimista

“O Futuro de Um Vilão”.

 

 

Aos golpistas do PSDB e PMDB

Que querem assaltar o Brasil

Deixo-lhes a coleção completa

“Os Homens de Um Estado Vil”.

 

 

Ao governador Geraldo Alckmin

Desviante da merenda escolar

Deixo-lhe pão e água

Para bem se alimentar.

 

 

Ao ministro do TCU Augusto Nardes

Que pediu o impeachment da presidenta

Deixo a delação de Pedro Correa

Que mostra a moral que não se sustenta.

 

 

Ao prefeito Arthur Neto

Que na lista ganha quinhetão

Deixo ao povo de Manaus

A alegria de sua não reeleição.

 

 

Ao governador José Melo

Cassado por mau uso de capital

Deixo-o ao lado de Arthur

Na canoa do balatal.

 

 

Portanto, amiga Dilma

Não tema da besta o galope

Porque onde há povo livre

Não há qualquer tipo de golpe

A valentia das direitas

Não passa de um xarope.

 

 

Trabalhe como vem trabalhando

Para isso o povo lhe elegeu

E quando se unem o povo e Deus

Não vence nenhum fariseu

A voz do povo é a voz de Deus

E a democracia é a Comunalidade-Eu.

 

 

Agora peço licença

Porque vou me retirar

Vou seguir pra outro rumo

Encontrar outro lugar

Em que o povo seja feliz

Como esse que viu “a estrela brilhar”.

 

 

Parto levando saudade

Na mente e no coração

Pois jamais esquecerei

Desse povo meu irmão

Que luta contra os golpistas

Para não cair na escravidão!

A todos os brasileiros e brasileiras

Beijos no coração!

CHICO VAI PROCESSAR O JANOTA GUILHERME MOTA QUE USOU SEU SENTIDO DE EXISTÊNCIA PARA TENTAR ATINGÍ-LO

Janeiro 19, 2016

14578825

Simples, muito simples de saber e entender. Em uma noite de dezembro Chico saia de um restaurante no Leblon, Rio, com alguns amigos quando um grupo de malogrados impulsionados por seus valores nazifascistas, o atacaram. Entre o grupo se encontrava o janota malogrado Guilherme Junqueira Mota, que é filho de um usineiro, e recorrendo a sua sombra gastro-intestinal-anal, lançou ao Chico seu símbolo-fálico freudiano. Proferiu com a boca lambuzada a invectiva: Chico “merda!”.

Todo animal quando come, depois da metabolização tem os detritos dos alimentos tendentes à evacuação. Esses detritos são fabricados nos intestinos, depois lançados fora do corpo animal em forma material fecal, chamados de merda. Simples de entender. Mas não é tão simples quando não se sabe por que foram nominalizados os detritos fecais de merda e por que essa merda atrai milhões de pessoas. Por que essa merda é tão doce e agradável na boca dessas pessoas. O psicanalista Lacan diz que quando uma pessoa profere uma palavra ela sai pela boca. Elefante sai pela boca de quem falou. Merda sai pela boca de quem falou. Ora, se sai pela boca estava guardada como forma de prazer a não ser roubado. Logo, o merdeiro adora merda. O objeto de seu desejo é a merda.

Deixando Lacan de lado, vamos ao Freud a quem ele desdobrou com outra ordem linguística. Freud é o mestre da merda. Foi ele, juntamente com um de seus discípulos, Karl Abraham, e não esquecer a psicanalista Melanie Klein, que desenvolveu a teoria da libido anal. É aí a fonte da merda para Freud. Não é nem tanto as fezes. Fezes é matéria orgânica. O ânus, para Freud, é uma das áreas eróticas da criança. É pelo ânus que criança experimenta sua relação com os pais e os objetos. Seu ato de prender e soltar as fezes tem um significado amoroso-negador-erótico com os pais. A criança que teve uma relação difícil com seu ânus relacionado com os pais será um adulto que apresentará sintomas de tipos dominadores de caráter. O principal dele é ser capitalista. O guardador de fezes. O dinheiro é simbolicamente fezes. Depois vem o compulsivo por limpeza, justiça, ordem, disciplina, enquadramento, ajustamento, o julgador. Assim, se sabe com Freud, que o compulsivo por justiça não é justo por uma questão social-democrática, mas por uma síndrome anal que tem relação de ódio e inveja em relação aos pais. Para Freud e Karl Abraham, e não esquecer Melanie Klein, é nessa faze anal que são fincadas as bases da paranoia.

Então, Chico, muito beleza, sensível, inteligência acima dos merdeiros, sai do restaurante o tal do Guilherme joga merda em direção a Chico que só teve tempo de se abaixar, visto que ele já sabia do caráter dos que jogaram “merda na Geni”. Ele é o pai da Geni e do Zepelim. Chico se desviou da merda, mas não gostou nada do fedor exalado da boca do janota malogrado. Por isso, vai processá-lo. Na verdade, a prefeitura do Rio deveria também processar o merdeiro, posto que ele poluiu a cidade com sua merda.

Nos dois processos, Chico também vai processar o falso jornalista João Pedrosa, o advogado dele vai colocar no início os versos da música de Chico O Injuriado.

“Dinheiro não lhe emprestei

Favores nunca lhe fiz

Não alimentei o seu gênio ruim

Você nada está me devendo

Por isso, meu bem, não entendo

Por que anda agora falando de mim”.

Escute a música e tire, junto com Chico, um bom sarro dos membros da confraria do Triunfo dos Escravos. Os impotentes, como diz o filósofo Nietzsche.

TRÊS POEMINHAS DE FERNANDO PESSOA TOCANDO DE LEVE NAS INTENSIDADES DO TEMPO

Setembro 19, 2015

Fernando Pessoa poeta escritor writer bebendoPalavras do Pórtico

“Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: “Navegar é preciso; viver não é preciso.”

Quero para mim o espírito desta frase, transformada a forma para a casar com o que eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar…(Nota solta de Fernando Pessoa)”

Não há o que falar sobre um poeta. Data do seu nascimento, data de sua morte, nomes de seu pais, e até sua nacionalidade, nada há o que falar, porque o poeta é um devir e como devir não se mostra como corpo perceptível. O poeta é uma hecceidade, impessoal, evanescente, sempre transcendente. Muito diferente de um sujeito estriado, segmentado, organizado, identificado e subjetivado expresso como sujeito de enunciado.

Os poetas se distinguem por seus movimentos que liberam a linguagem de suas armaduras sociais aprisionada na tirania do significante. Quem tenta identificar os poetas são os que não poetizam. Eles afirmam: esse é um poeta simbolista, realista, naturalista, romântico, popular, modernista… E por aí vão clivando, inscrevendo, laminando os poetas, mas eles escapam.

É porque a poesia é linha de fuga, corte, variável, livre. A poesia não é um canto de liberdade, como acreditam os incautos. Não há na poesia categorias que possam ser capturadas para serem analisadas e qualificadas. A poesia só se movimenta. Ela é só devir. Nada mais.

Fernando pessoa escreveu na revista Águia, depois no Atheneu e na Atena, mas não se tornou uma letra-morta após suas expressões literárias. As revistas foram apenas vetores desterritorializantes de seus corpos ontológicos poetizantes.

Os três poeminhas que vocês esuizofílicos vão ler mostra o movimento intempestivo de Fernando Pessoa. Sempre deslocamentos sem territórios fixos. Na verdade, desterritorializações sem reterritorializações. 

 pessoa1“Uns COM OS OLHOS postos no passado,

Vêem o que não vêem; outros fitos

Os mesmos olhos no futuro, vêem

O que não pode ver-se.

Porque tão longe ir por o que está –

A segurança nossa? Este é o dia,

Esta é a hora, este o momento, isto

É que somos, e é tudo.

Perene flui a interminável hora

Que nos confessa nulos. No mesmo hausto

Em que vivemos, morreremos. Colhe

O dia, porque és ele.

Fernando-Pessoa00                            

NÃO QUEIRAS, Lídia, edificar no ‘spaço

Que figuras futuro, ou prometer-te

Amanhã. Cumpre-te hoje, não ‘sperando.

                   Tu mesmo és tua vida.

Não te destines, que não és futura.

Quem sabe se, entre a taça que esvazias,

E ela de novo enchida, não te a sorte

                 Interpõe o abismo?

 

NÃO SEI de quem recordo meu passado

Que outrem fui quando o fui, nem me conheço

Como sentindo com minha alma aquela

Alma que a sentir lembro.

De dia a outro nos desamparamos.

Nada de verdadeiro a nós une –

Somos quem somos, e quem fomos foi

Coisa vista por dentro”.

Os poeminhas encontram-se na obra Ficções do Interlúdio 2/3 – Odes de Ricardo Reis Para Além do outro Oceano de C[oelho] Pacheco.

TRÊS POEMINHAS DE BRECHT TOCANDO DE LEVE NAS COSTAS INDIFERENTES

Setembro 10, 2015

Bertold Brecht Berliner EnsembleBertolt Brecht, na verdade Berthold, nasceu em 10 de fevereiro de 1898, em Augsburg, sul da Alemanha. Estudou medicina, tocou guitarra, treinou boxe com exercício físico, mas cedo descobriu Marx e sentiu o cheiro do povo. Embora tenha sido de uma família onde se era acostumado a ser servido. Dessa experiência, aprendeu todos os truques, as artimanhas e as trapaças da classe burguesa. Aprendizagem que o fez o grande pedagogo do povo mostrando-lhe a moral burguesa como egoísmo de dominação de classe.

Criou o método de distanciamento do Teatro Dialético que tem como objetivo didático ensinar o publico a examinar sua condição social e buscar novas formas de existências dignas do homem livre. Um teatro- laboratório de análise social. Seu espectador principal, segundo suas intenções estéticas, era o trabalhador, sujeito que deveria ser o senhor de sua própria história.

Brecht foi teatrólogo, ensaísta, crítico, romancista, cinegrafista, militante, autor de obras teatrais revolucionárias que correram o mundo, e de tanto correr o mundo foi perseguidos pelos capachos de Hitler, que propagavam e defendiam sua doutrina nazista, o que o levou a mudar de “país mais do que de sapato”, até chegar aos Estados Unidos e ser preso acusado de propaganda comunista pela ala conservadora do Senado.

Mas Brecht também criou belos poemas revolucionários no verdadeiro sentido revolucionário: poemas que propõem mudanças de afetos tristes aos afetos alegres. Poemas que potencializam a existência. Por isso, escolhemos três poeminhas, com tradução de Paulo Cesar Souza, para que você esquizofílico, leia e se permita elevação de potência estética e ética.

PARA LER DE MANHÃ E À NOITE

Aquele que amo

Disse-me

Que precisa de mim

Por isso

Cuido de mim

Olho o meu caminho

E receio ser morta

Por uma só gota de chuva.

 

E EU SEMPRE PENSEI

E eu sempre pensei: as mais simples palavras

Devem bastar. Quando eu disser como é

O coração de cada um ficará dilacerado.

Que sucumbirás se não te defenderes

Isso logo verás.

 

CANÇÃO DE UMA ENAMORADA

Quando me fazes alegre

Penso por vezes:

Agora poderia morrer

Então seria feliz

Até o fim.

E quando envelheceres

E pensares em mim

Estarei como hoje

E terás um amor

Sempre jovem.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROMOVE DEBATE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA MÍDIA E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Agosto 11, 2015

947a6fe6-4d04-4df8-a725-4ff1a55bf591O Sindicato dos Jornalistas no Rio de Janeiro foi palco de um debate promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU) representada por Giancarlo Summa, diretor do Centro de Informação da ONU no Brasil com o tema regulamentação da mídia e a liberdade de expressão. O debate também contou com as presenças Edison Lanza, relator especial para a Liberdade de Expressão da Organização dos Estados Americanos (OEA) e Paula Máiran, presidenta do Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro.

A realidade do monopólio das mídias no Brasil se mostra claramente através da forma como são distribuídas as verbas de publicidades para as três famílias que dominam o setor. Família Marinho, Globo, família Frias, Folha de São Paulo e família Mesquita, Estadão. Só elas abocanham 90% de toda a receita pública e privada da publicidade.

 “A liberdade de expressão é um direito humano e não significa somente ausência de censura, mas também a diversidade de ideia e jornalistas trabalhando sem ameaças econômicas ou, até mesmo, contra sua integridade física.

A América Latina tem alguns pontos incomuns, de forma geral, a mídia é muito concentrada na mão de poucas empresas, o que não é bom para a democracia”, observou Giancarlo Summa.

Para Edison Lanza, o Estado deve se comprometer com a regulamentação da mídia, mas observando sempre a preservação da liberdade de expressão. Para ele, a grande dificuldades que os governos têm com a regularização estão ligadas na relação que essas mídias monopolistas têm com os partidos políticos e seus parlamentares.

“Os governos tiveram, muito pouco êxito, em desmontar essa situação”, disse Lanza.

Para Paúla Máiran, são os interesses políticos e comerciais que norteiam a mídia corporativa.

“Um dos ingredientes que formam esse círculo vicioso é o fato de nós termos os grandes meios de comunicação com um discurso único e que é o ponto de vista dessa elite dominante. O que a população tem de informação é algo deformado para atender esses interesses”, se posicionou Paula Máiran.

Enquanto isso, em Brasília, também ontem, dia 10, foi realizado o Seminário Internacional de Regulação da Mídia e Liberdade de Expressão, patrocinado pelo coletivo Intervozes, Centro de Informação da ONU para o Brasil e a Universidade de Brasília que contou com o apoio da Fundação Ford e do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC).