Archive for Junho, 2011

Kinemasófico: A bruxinha e o dragão

Junho 30, 2011

Em mais um domingo de produção kinemasófica, toda a produção de alegrias do bairro Novo Aleixo foi voltada para o cinema, literatura (produção de contos) e outras atividades como a desbrocante pipoca. E na tela da rua foi trazido o cinema alemão

A BRUXINHA E O DRAGÃO


Título Original: Hexe Lilli: Der Drache und das magische Buch

Ano: 2009

Diretor: Stefan Ruzowitzky
Atores: Alina Freund (Lili) , Sami Herzog (Leon), Pilar Bardem (Surubunda), Ingo Naujoks (Hieronymus), Yvonne Catterfeld  (Hübsche Blondine ), Karl Markovics (Alfred)

País: Alemanha
Duração : 75 minutos
Sinopse (Resumo da História do Filme) : A famosa bruxa Surubunda mora na Floresta Negra e possui um livro de magia milenar, cheio de segredos. Como ela é uma bruxa sem más intenções o livro está a salvo. Mas ela sabe que o mágico Hieronymus está a espreita em busca daquele livro e que fara tudo para consegui-lo para poder dominar o mundo. Porém a bruxinha Lili vai fazer de tudo junto com o amigo dragão Hector e um grupo de crianças, para que isto não aconteça e a vida possa seguir seu fluxo sem ser aprisionada nas formas do neo-facismo presente nos cotidianos. Conseguirá Lili conter este dominador avanço que quer colocar o mundo cinza e bloquear a vida?

CLIQUE PARA AMPLIAR

As megabruxas Surubunda e Lili
_____________________________________________________________________________________________________

O Kinemasófico é um vetor cinematográfico que a Afin realiza todos os domingos à boca da noite, contando com um curso artístico (teatro, cinema…), sempre com a apresentação ao final da atividade de um cinema. Mais informações, clique aqui.

Anúncios

Photo Graphein: Walker Evans

Junho 30, 2011

Tréplicas, réplicas…

Junho 29, 2011

Réplica: A dança – Henri Matisse

Leonard Nimoy , “Matisse Dancers”

BOIZINHO RIZOMA FAZ TREMER O BOI DE PLÁSTICO E A ZONA FRANCA VERDE. URRA, MEU BOI!

Junho 29, 2011

Se achegue, meu povo!, que a festança vai começar. Não é boi de plástico, cocanestlelizado, não é boi de canga, desses que trabalham pra político. É boi de raça, vindo lá do Maranhão, e nele ninguém põe sela. É Rizominha, meu boi! Êêêêêêêê booooooi!!!

O urro de Rizominha, que faz mais uma vez faz desmoronar a Zona Franca Verde, esse espectro do Governo do Estado, vai ecoar amanhã, às 19:30h, na noite de São Pedro, lá na rua 72, quadra 149, no bairro Nova Cidade, final da Av. Nepal, na zona Leste de Manaus, no casuá de Dona Lucicléia Lopes, onde fica um dos núcleos da Associação Filosofia Itinerante – AFIN. Para quem quiser ir de ônibus, é ir para o Terminal 3 e lá tomar o 045, o 058 ou 446.

Apareça para dançar com a Catirina, o Diretor dos Índios, Pai Francisco, Amo do Boi, Vaqueiro, Cazumbá, Rapaz do Amo, Gavião Real e tantos outros personagens do folguedo mais animado que a inteligência coletiva do povo já inventou nesse mundão.

A quem fizer chegança no terreiro com Rizoma, o boizinho filosofante, terá direito ao mungunzá, aquele mingau de banana e outras delícias mais. E para já ir incorporando o espírito dionisíaco liberador de todas as potências do corpo, fica aí a mais nova toada de Rizominha… Aê, meu boi!

Rizominha, sangue puro

O meu boi Rizoma é sangue puro

Vindo de acolá do Maranhão

Não permite que lhe ponham canga

Porque sangue puro é só ação

O meu boi Rizoma é afeto alegre

Como a própria vida, produção

Quando urra reúne o povo

Em canto de festa e criação

O meu boi rizoma é um canto de democracia

Com ele se alegra só quem faz cidadania

O meu boi Rizoma é intensidade

Urrando o Novo em liberdade

Marcos José

=========================================================

Leia também:

BOIZINHO RIZOMA NAS TRAMAS DA ZONA FRANC VERDE

As produções culturais e as guerras de espadas de Cruz das Almas

Junho 29, 2011

As produções culturais são manifestações que surgem a partir das vivências dos povos no mundo e que logo depois de um certo tempo se torna uma tradição. A tradição pode ser entendida como uma replicação da primeira realização da produção. Porém podem ser criados novos elementos, e transformados as formas de se festejar. As festas de São João embora tenha toda um envolvimento, acontecem como uma replicação da primeira festa que houve. Esta cultura que se faz presente em toda uma uma tradição popular é o que o filosofo Guattari chama de cultura alma-coletiva.

Sem qualquer julgamento moral sabemos que a produção do festejar faz parte da criação da vida e que estas podem sempre serem um novo, uma forma de produzir novas formas de ver, pensar, agir….

Algumas tradições desta mostram formas que envolvem um brincar arriscado, onde a alegria se envolve com a adrenalina do risco deste brincar. Tradições como a corrida pelas ruas junto com os touros como acontecem na Espanha, muitas vezes são vistas com mal olhos de “juizes”. Outras festas como guerra de tomates na Europa também são mal vistas pela questão do desperdício ou da higiene.

No Brasil uma das festas que traz este questionamento é a festa da Guerra de Espadas que ocorre todo o São João em Cruz das Almas, cidade do interior da Bahia

Neste ano porém esta tradição recebeu uma ação judicial que proibiu na cidade a pratica da guerra de espadas, tendo a camara dos vereadores tentado recorrer sem sucesso… Neste caso que seria os reacionários  que reagem ao novo, a justiça ou os brincantes…? Ambos têm certos aspectos reacionários, a justiça com seus preceitos que não deixam o novo existir e os brincantes que buscam apenas uma reprodução.

Mesmo com a proibição, há diversos relatos que ocorreu a festa não ocorreu nas ruas do centro mas nas bordas periféricas sim. O que traz as bordas de produtivo? Será que ela não se torna dependente do que está fora dela que lhe re-gula?

Nos próximos anos veremos se o São João vai ser com “uns foguinhos queimar”

Photo graphein: Stanko Abadžic

Junho 27, 2011

Em São João todo mundo vira povão… e da-lhe forróbodão

Junho 26, 2011

Notas bióticas

Junho 25, 2011

  • No último sábado a beldade esquizo Amy Winehouse chegou com uma hora de atraso no show em Belgrado, titubeou pelo palco, errou nas letras, esbarrou nos músicos da banda atirou um sapato no público e mostrou a alegria dionisíaca de uma ébria (alcoólica). O problema é que o público a vaiou, os empresários não gostaram e infelizmente foi cancelada o resto da turnê européia. Mas Amy vai mostrar ainda o que é o esquizo.

 

  • O Centro Cultural Banco do Brasil do Distrito Federal a partir de terça (28) expõe a mostra de “Cinema Árabe” que fica até 10 de Julho trazendo 17 cinemas de 10 países arabes trazendo toda a produção do cinema produtivo na linha da vida. E a entrada Franca.

 

  • O Rio vai ficar mais leve …. com o Rio Festival Internacional Gay de Cinema é que traz o melhor do cinema LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) nos longas e curtas de ficção, documentário e experimental. O festival acontece a partir desta sexta (1) e vai até 10 de julho. As sessões ocorrerão no Odeon Petrobras e no Cine Cultural Justiça Federal.Cinemas do Brasil, EUA, Polônia, Portugal, Reino Unido, Singapura, Suécia, Suíça, Tailândia, Taiwan estarão presentes. Dentre os participantes destaque para Bloomington de Fernanda Cardoso, “Die Schwestern”do austríaco Sigrid Smejkal; o americano Strapped de Joseph Graham. Dentre os curtas destaque para “A Mais Forte”de Ricky Mastro, o sueco Birthday de Jenifer Malmqvist, o experimental “Ebbe” de Pedro Ermel; “Eu Não Quero Voltar Sozinho” de Daniel Ribeiro; Gayby de Jonathan Lisecki; o finlandês “Small-Time Revolutionary”de Miikka Leskinen e o taiwanês “ The Best is Yet to Come” de Eunice Wu.

 

  • O Centro Cultural Dragão do Mar em Fortaleza organiza nesta quinta-feira as 9 horas o programa de formação pedagógica em dança Fendafor XI  concebido por Joubert Arrais. A programação é para bailarinos, produtores culturais e interessados.

  • Uma das cantoras de peso do Hip hop americano Missy T. Elliott em uma entrevista nesta semana que vem sofrendo há 3 anos de um transtorno autoimune chamado de doença de Graves. Esta doença afeta a tireóide causando mudança de humor e perca de peso. Isto pode ser a causa de sua falta de envolvimento com a música. Isto já causou muitos problemas, mas agora Missy afirmou que está 30 quilos mais magra devido a malhação e com a tireóide funcionando.  Nesta quarta será exibido nos Estados Unidos uma entrevista para VH1 com o depoimento de Missy.

 

  • Em Recife o Cine Clube Curta Doze e Meia do Centro Cultural dos Correios continua nesta quinta sua série de documentários musicais. O primeiro é “Ave Sangria – Sons de gaitas, violões e pés”  que trata da lendária banda de rock pernambucana; seguido de Mutantes que mostra o banda setentista brincando pela música; depois “Álbum de Música” que trata sobre a música brasileira cantada por Pixinguinha, Ismael Silva, Nelson Cavaquinho e Cartola, e registros de Almirante, Clementina de Jesus, Nelson Cavaquinho, Edu Lobo, Luiz Melodia, Maria Alcina, Gilberto Gil entre outros; e por fim “Noel por Noel” que traz a obra de Noel a partir de filmagens antigas, fotografias entre outras.

 

  • No Cinecomunidade do Recife pode se assistir hoje (25) as 15 horas Animações para crianças. Já no Sesc Casa Amarela  na quinta (30) apresenta-se  “Milagre em Juazeiro” sobre o nosso bom Padre Cicero, ou Padin Ciço.  E no Instituto Cervantes Recife ocorre nesta segunda um debate com a diretora espanhola dos cinemas Regreso a Hensala, que serão exibidos na ocasião.

 

  • O Centro Cultural Banco de Brasília exibe a partir da terça (28) e até 3 de julho a mostra “Cine-Concertos”onde os cinemas projetados serão acompanhados de execução musical ao vivo, feita por músicos profissionais franceses. O evento reunirá os grupos Le Workshop de Lyon e Baron Samedi, da Companhia ARFI – Association a la Recherche d´um Folklore Imaginaire. Na programação “Harry Langdon não é perigoso” com curtas do mestre; música sobre curtas-metragens de Buster Keaton, Charles Chaplin, Laurel e Hardy ; Nanook, o esquimó (NANOUK L‘ESQUIMAU)

Bumba-meu-boi: Amo do boi com o boi

  • São Luiz do Maranhão é uma festa só. Assim como todo o nordeste, o São João, e as festas juninas são um envolvimento de todos. A programação vai até o último dia do mês e continua… Até lá serão 86 grupos de bumba-meu-boi de orquestra, 48 sotaques da baixada, 47 de matraca, 70 grupos de tambores de crioula e 64 de dança portuguesa.

 

  • O festival Europalia que ocorrerá em outubro na Bélgica vai homenagear a cultura brasileira em 18 exposições em 15 museus e espaços culturais da Bélgica e países vizinhos. Contará também com 127 shows com músicos brasileiros, apresentações de teatrais, dança, mostras de cinema e conferências nas áreas de literatura, ciências sociais, artes, arquitetura, design e audiovisual . Segundo a ministra Ana de Hollanda mais de 2 milhões de pessoas que verão nossas riquezas e perceberão que o Brasil é protagonista não só economicamente, mas na produção cultural.

 

  • Hoje o projeto Cortinas Lyrcas no Teatro Oficina está com programação dupla. Primeiro será apresentado pela soprano Naomy Schölling e o pianista Gabriel Levy  o espetáculo “KURT WEILL: DE BRECHT À BROADWAY” que trata da obra do músico que trabalhou na Opera dos três vinténs com Bertold Brecht além de músicas como Speak Low, Surabaya-Johnny. Depois de Weil a apresentação de circense de trapézio-dança que promete um freio no anti-fluxo tanático capitalizado. E no domingo (26) é a vez de ALMA DEL CORE, um recital lírico-musical que traz diversas árias antigas (musica antiqua) como O Del Mio Dolce Ardor, Lungi Dal Caro Bene, Il Mio Bel Foco, dentre outras.

 

  • São Paulo vai ser palco para a invasão da subjetividade alegre e criadora da música paraense. É o festival “Terruá Pará” que traz a música de Dona Odete, Felipe Cordeiro, Pio Lobato, Sebastião Tapajos entre outros. É carimbo, tecnobrega, forró e muita alegria. O evento acontece no Auditório Ibirapuera com preço iodados a 30 reais.

  • A cantora e skatista americana Avril Lavigne está com todo o pique (e o mercado também não  quer perder) e seu novo novo disco “Goodbye Lullaby” lançado este ano já vai virar velho. A cantora já está com 8 faixas para seu novo álbum, que será o quinto de sua carreira relâmpago. Que esta vitalidade passe para suas música. Imagine ela dando uma…

 

  • Cuidado brincantes alegres das festas juninas. Um dos órgãos “reguladores” das músicas, o ECAD, quer lembrar que todos arraias deve pagar os direitos autorais. Já pensou todas a alegria ter de ser capitalizada pois é um evento público? Vai dar brincadeira.

 

  • O Itaú Cultural promove um encontro com tema Arte e tecnologia com a pesquisadora, professora e mídia-artista Giselle Beiguelman.Além deste, haverão muitos outros até o fim do ano. O encontro acontece na terça (28).

 

  • Nesta quinta feira (30) começa no Itaú Cultural o Simpósio Rumos Arte Cibernética que vai até o próximo sábado (2). O simpósio trabalhará com conceitos como interface, mídias digitais e arte colaborativa. Dentre as pesquisas envolvidas estão Uma Interface Multitoque para Processamento de Som em Tempo Real (Jerônimo Barbosa, 2009); Interfaces de Voz em Ambientes Hipermidiáticos (Martha Gabriel, 2006); Interfaces Gráficas Aplicadas à TV Digital no Brasil (João Paulo Amaral Schlittler, 2009).
  • Os músicos escoceses do Belle & Sebastian lançaram seu novo vídeo, que trata de uma animação digna de um bom cinema. Trata-se de “I Didn’t See It Coming” que foi criado por Lesley Barnes, podemos ver a produção. Aqui no esquizoblogmusicalassiste-se este vídeo.

 

  • Em São Luiz o arraial do Ceprama será animado e acorrerá em 13 lugares até o último dia do mês. Destaque para o Boizinho Barrica (28),Tambor de Crioula de Simei (29) Cacuriá de Dona Teté (29) e Boi de Ribamar de Matraca Boi Oriente (29).

 

  • A PUC de São Paulo organiza a partir desta quinta (27) até o dia 30 a Semana de Artes do Corpo 2011 no Tucarena.  A Semana promete uma produção de movimento não apenas pelos corpo, mas também pela desterritorialização dos enunciados que fujam da obviedade da noção de corpo. Confira a programação.

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

Junho 24, 2011
Arles, 24 de março de 1889
OS GRANDES MESTRES DA LITERATURA

CAMILLE  LEMONNIER




Van Gogh continua se recuperando. Neste tempo ele lembra dos amigos e tem as leituras como sua fiel companheira:

“Acho Signac bem calmo e dizem que ele é tão violento; ele me deu a impressão de ser alguém que tem firmeza e equilíbrio, eis tudo. Raramente ou nunca eu tive com um impressionista uma conversa de ambas as partes tão sem desacordos ou choques aborrecidos. Assim é que ele foi ver Jules Dupré e o reverencia. Sem dúvida você contribuiu para que ele viesse a melhorar um pouco meu moral, obrigado por isto. Aproveitei a minha saída para comprar um livro: “Os da Gleba”, de Camille Lemonnier. Já devorei dois capítulos- é de uma nobreza, de uma profundidade! Aguarde, eu o enviarei. É a primeira vez depois de muitos meses que eu pego um livro na mão. Isto me diz muito e me cura consideravelmente.”

Antoine-Louis-Camille Lemonnier ou apenas Camille Lemonnier foi um famoso poeta, escritor, contista e crítico de arte belga, sendo uma das personalidades na renascença literária francesa no séc. XIX, visto que viveu uma considerável parte de sua vida em Paris.

Nascido em 24 de Março de 1844 na cidade de Ixiles, filho do advogado da Corte de apelo, Louis-François, e de Marie Panneels, que morreu jovem, deixando os filhos ao cuidado da avó. Desde criança já toma gosto pela leitura, e cria seu próprio almanaque.

Em 1861 ele faz um preparativo para a faculdade de direito de Bruxelas, na qual nunca conseguiu terminar, o que fez ele se tornar um funcionário público.

Ele escreveu críticas literária no Salão de Arte de Bruxelas. Ele participou de um círculo de intelectuais, pintores e artistas franceses sendo amigo de Victor Hugo, Émile Zola, Félicien Rops, Alphonse Daudet, Os irmãos Goncourt, Gustave Flaubert, Guy de Maupassant entre outros.Apesar de sua afinidade com o naturalismo ele foi o mentor de grupo de jovens belgas.

Em 1871 ele se casa com Julie-Flore Brichot com quem teve dois filhos. Ele passa a trabalhar nos anos seguintes como crítico da revista L’Art Universel, onde passa também a publicar alguns de seus contos.

Ele escreveu sua primeira novela em 1881, “Um macho” sofreu influência do naturalismo de Émile Zola, o livro virou um escândalo na Bélgica, mas um sucesso em Paris. Assim como seus outros trabalhos é uma obra de grande violência, descrevendo os personagens em seus extintos e paixões, além dos conflitos trabalho e capital abordados em outras novelas, além de mostrar a pobreza rural e urbana.

Ainda em 1881 ele se separa de sua mulher, casando novamente dois anos depois como Valentine Collart, a sobrinha de Constantin Meunier. Em 1888 ele publica um estudo sobre Courbet, Stevens, Rops chamado “Os pintores da vida” ganhando o prêmio quinquenal de Literatura (Prix quinquennal de littérature pour La Belgique). Ele foi condenado a pagar direito de propriedade por ter um conto sido considerado plágio.

Em 1889 aparecem os contos intitulados Ceux de la glèbe que seguirá uma série de obras de contos e romances como um ensaio sobre seu sogro Meunier (1904), ensaio sobre Alfred Stevens e a escola belga de pintura (1906), L’Hallali, (1907), Édénie (1912) entre outros.

Ele morreu em 13 de Junho de 1913 em Bruxelas.


________________________________________________________________________
Às sextas e terças, esta coluna traz obras digitalizadas de outros pintores que influenciaram o pintor monoauricular Van Gogh e obras suas, mas tão somente as que forem citadas nas Cartas a Théo, acompanhadas da data da carta que cita a obra, bem como as citações sobre ela e uma pequena biografia de seu autor. Para outros olhares neste curso, clique aqui.

Viva São João: O Expresso Forrozeiro

Junho 24, 2011

Dentro do maior São João do mundo existe um evento que vem se destacando a cada ano. É o Expresso Forrozeiro, um passeio de trem que sai da cidade de Campina Grande-PB até o distrito de Galante, um lugarejo encantador, localizado numa região montanhosa e com uma bela paisagem bucólica. A saída é na estação velha, prédio antigo que abriga o museu do algodão. Durante o trajeto, muito forró  e animação nos vagões. Toda uma estrutura de restaurantes, pontos de apoio, ilhas de forró e passeios a cavalo e charrete