Archive for the ‘Espaço’ Category

JOHN LENNON E YOKO DIZEM OS DIZERES CONTINUAM ATUAIS…

Janeiro 1, 2019

Anúncios

TESTAMENTO DE JUDAS 2018

Março 31, 2018

Depois de participar de uma magna manifestação contra a força opressiva do Império Romano, Judas Iscariotes, fazendo prevalecer o significado de seu nome “louvor a Deus”, encontrou Jesus Cristo, junto com seus companheiros do Movimento de Libertação das Almas Cativas (MOLAC) e falou de sua viagem ao Brasil.

Judas, disse a Jesus, que iria ao Brasil para apresentar seu Testamento 2018 na Praça dos Três Poderes com o intuito de aproveitar tanto o espírito da Semana Santa, como, também, para participar das manifestações em defesa da democracia e do Estado de Direito da República Brasileira. E, também, das manifestações dos democratas em defesa de Lula, condenado injustamente por personagens antinacionalistas que se submeteram à justiça norte-americana que ajudaram a quebrar a economia do país e entregar suas riquezas ao capital internacional comandado pela voracidade do capital do Tio Sam. Outro propósito seria de participara das manifestações em favor do Habeas Corpus de Lula que será julgado no dia 4 pelo Supremo Tribunal Federal. Um dia em que poderá iniciar a redemocratização do Brasil.

Lembrando que já havia conhecido o Brasil no ano passado, Cristo, beijou Judas desejando-lhe boa viagem e mandando lembranças e um forte abraço a Lula que conhecera ainda no tempo em que era metalúrgico e que o tinha como atuante companheiro.

Judas chegou à Praça dos Três Poderes, pela manhã, aplaudido pela imensa multidão e foi levado pelos organizadores da manifestação até ao palanque onde pronunciaria seu Testamento 2018.

Com um largo sorriso e um contagiante Bom Dia!, Judas iniciou seu pronunciamento.  

 

– Neste dia, nesta Praça,

Junto ao Povo Brasileiro

Inicio meu Testamento

Em Jesus meu companheiro.

 

– Que este povo amado e corajoso

Inteligente, otimista e lutador,

Jamais de submeterá

A sanha do golpista traidor.

 

– Por isso, indico o modelo,

Que deve ser imitado

O meu companheiro Lula

Que pelos crápulas, é invejado.

 

– O ódio que eles têm de Lula

É porque ele governa com o povo

Por isso, querem destruí-lo,

Para ele não voltar de novo.

 

– Querer de crápula não é poder

Só o povo tem poder concludente

Por isso, Lula será outra vez,

Eleito do povo presidente.

 

– Assim, ao companheiro Lula,

Homem que congrega a união

Deixo-lhe a incontestável

Vitória na eleição.

 

– E a minha companheira Dilma,

Cujo governo foi roubado

Deixo-lhe uma confortável

Vitória para o Senado.

 

– Ao golpista Michel Temer

Cujo futuro não muda

Deixo-lhe uma aconchegante cela

Na penitenciária da Papuda.

 

– Aos parceiros de Temer,

Conhecidos como golpistas,

Deixo vários documentos

Que implicam mais que nomes em listas.

 

– Para a golpista Rede Globo

Cujo atavismo é traição

Deixo-lhe como lembrança

A soberania dessa nação

 

– Para todas às mídias antidemocráticas

Submissas ao capital internacional

Deixo-lhes a incomunicabilidade

Como seu ocaso final.

 

– Para a série O Mecanismo

Que a Netfflix mostra

Deixo-lhe o incontestável fracasso,

O fascismo atolado na bosta.

 

– Ao candidato Bolsonaro

Cujo ideário é a violência

Deixo-lhe o trono e o cetro

Do deus de toda demência.

 

– Aos nazifascistas do Sul

Que contra Lula promoveram atentado

Deixo-lhes a concreta certeza

Que ele jamais será calado.

 

– Para todos nazifascistas

Cuja covardia é culto da morte

Deixo como lembrança

A democracia com seu livre porte.

 

– Aos companheiros Emanuele e Boulos

Que vão disputar a presidência

Deixo-lhes a minha torcida

Par que tenha essencial vivência.

 

– Para meus companheiros Marielle e Anderson,

Assassinados pela tara nazista

Deixo-lhes como lembrança

Do povo, a verdadeira Justiça.

 

– Ao governador Amazonino

Que da educação desconhece o sentido

Deixo meu Paulo Freire

A Pedagogia do Oprimido.

 

– Ao governador do Amazonas

Que não atende dos professores às reivindicações

Deixo-lhe contundente derrota

Nas próximas eleições.

 

– Ao governador Amazonino

Que se nomeia como ‘Ama’

Deixo-lhe a greve dos professores

Como a chama que inflama.

 

– Aos professores do Amazonas

Que por seus direitos entraram em greve

Deixo-lhes a profecia:

Amazonino será breve.

 

– Aos deputados do Amazonas,

Golpistas, inimigos da nação,

Deixo-lhes a voz povo

Para impedir a reeleição.

 

– Ao senador Eduardo Braga

Que também votou pelo golpe

Deixo-lhe a derrota nas urnas

Que já se mostra em galope.

 

– Ao prefeito de Manaus Arthur Neto

Cujos buracos mostram sua gestão

Deixo-lhe como lembrança inesquecível

O desprezo do povão.

 

– Para o povo do Amazonas

Comprometido com o estado

Deixo-lhe às vitórias

De Praciano, Waldemir José e Zé Ricardo.

 

– Agora, meus companheiros,

Para encerrar esse testamento

Desejo que o Brasil

Recupere seu grande momento.

Que os golpistas desapareçam

E levem a dor e o tormento.

 

Também desejo, companheiros,

Que o STF siga a razão

Julgando o HC de Lula

Com base na Constituição

Para que o país volte

A ser uma respeitada nação.

 

Não deve ser diferente

Já que o povo quer respeito

Lula livre para ir e vir

Presidente será reeleito

Pois um país só é soberano

Quando o povo é o Direito!

 

Avante, companheiros,

Vamos lutar pelo Brasil

Só uma democracia real

Pode derrota o que é vil!

GREVE GERAL!

Abril 28, 2017

Resultado de imagem para imagens de trabalhadores no século xix em greve

 ESTE BLOG ENCONTRA-SE EM GREVE!

“TAGARELANDO EM NIETZSCHE”, NOVO LIVRO DO FILÓSOFO MARCOS JOSÉ

Dezembro 14, 2016

img025

Marcos José capturado pela semiótica-imobilizadora do mundo promovida pelo Estado paranoico-capitalista hegeliano, onde tantos os objetos e as ideias representam signos da lógica dos princípios de identidade e da não contradição, pode ser identificado como filósofo, teatrólogo, músico e teórico da psiquiatria materialista, membro da Associação Filosofia Itinerante (AFIN) e autor de textos do Blog da Afin, Afinsophia. Referenciais-identidades resultantes da seleção, classificação e hierarquização dos papeis sociais tão importante para o sistema paranoico de controle. Identidades que servem para a vaidade, prepotência, arrogância-narcísica e glamour da nulidade burguesa. Todas as formas espectrais de reconhecimentos degenerados.     

Todavia, como nada é, mas devém-intensidades, devires, movimentos, repousos, lentidões, velocidades, longitudes e latitudes, como já sabiam os sofistas e os estoicos, Marcos José não é filósofo, teatrólogo, músico, teórico da psiquiatria materialista, membro da Afin e escritor de textos do Afinsophia, mas evanescências contínuas que se territorializam, se desterritorializam e se reatoritorializam em profusão de desejos práxis e poieses. Jamais estado de coisas-imóveis, capturados, como pretende a semiótica dogmática-sobrecodificadora do Estado-paranoico-capitalista com seus agenciamentos coletivos de enunciações que controla o sujeito-sujeitado, como sacam os filósofos Deleuze e Guattari.

São por essas contínuas ultrapassagens, como deslocamentos-políticos, que Marcos José pode afirmar que o Tagarelando em Nietzsche não tem qualquer intenção filosófica em discursar sobre o filósofo Nietzsche em forma de defesa ou negação. E que não há qualquer arroubo filosófico-intelectual-literário nesse sentido. O que se faz no livro é apenas se permitir deslocamentos desterritoriais provocados pelos sopros do filósofo e psicólogo da vontade de potência e do eterno retorno. Se deixar conduzir como uma lança se distribuindo em territórios onde a vida foi obliterada pelo niilismo do humano, demasiado humano contra a própria vida.

E nisso não há melhor corpo-movente para interpretar e avaliar a condição reativa dos homens fracos, ressentidos, de má consciência e ideal ascético, que predominam compulsivamente ainda hoje como simulação de saber, moral e saúde em todos os seguimentos da sociedade contemporânea tida como moderna, do que os sopros provocados por Nietzsche como boa estranheza. A estranheza que é estranha por não servir ao tagarelar que se toma como epistemológico, lógico e ético, sem sê-los.

Saber onde se encontram e como reagem – já que não agem – esses sujeitos-sujeitados produzidos por um agenciamento coletivo de enunciação paranoicamente dominante que os tornou homens cativos, portadores-replicantes dos corpos necessários à imobilização da vida, é o que as enunciações emergidas no Tagarelando em Nietzsche ligam tenuamente a Nietzsche.

Desta forma, Tagarelando em Nietzsche se mostra como enunciação filosófica heterogênea, encadeando potências que interpretam e avaliam a negatividade da existência reativa da linha dura que bloqueia os fluxos e refluxos desejantes através de seus territórios bem modelizados, serializados e registrados com o único propósito  de impedir, pelo medo, que a felicidade seja a confirmação de que ela é vida.

O livro também encadeia conceitos que se deslocaram pelos sopros nietzscheanos, como são os casos dos devires-filosóficos de Deleuze, Guattari, Clèment Rosset, Baudrillard, além de enunciações dos filósofos Spinoza e Marx. Todos se movimentando como corpos dissipadores do tagarelar-tautológico que se encontram como marcadores de poder e de controle na família, escola, trabalho, meios de comunicação, entretenimento, esportes, etc.

O livro Tagarelando em Nietzsche, como flecha que se desloca, é impulsionado por dois aforismos. Um no prólogo do segundo volume do Humano, Demasiado Humano, de 1879 e 1880, “livro para espíritos livres”, onde Nietzsche diz: “Devemos falar apenas do que não podemos calar; e falar somente daquilo que superamos – todo o resto é tagarelice, “literatura”, falta de disciplina. Meus escritos falam apenas de minhas superações”.

O outro aforismo encontra-se no primeiro volume do Humano, Demasiado Humano de 1876, que trata do Homem do Espirito Livre e do Homem do Espírito Cativo, esse o que tagarela. 

Tagarelando em Nietzsche encontra-se infestado do que Deleuze afirma sobre a impotência da palavra em um sistema dominante. “E, verdadeiramente, não há poder das palavras, mas somente palavras a serviço do poder: a linguagem não é informação ou comunicação, mas prescrição, ordenança e comando”.

 Ficha filosófica-literária-editorial.

 Livro – Tagarelando em Nietzsche.

 Autor – Marcos José.

 Páginas – 180.

 Editora Garcia Edizioni.

  Preço – R$ 30.

  Para adquirir o livro fora de Manaus basta usar o e-mail afinsophiaitin.@yahoo.com.br 

PERIFERIA VAI ÀS RUAS CONTRA TEMER COM O SLOGAN: “ORGANIZAR OS DE BAIXO PARA DERRUBAR OS DE CIMA”

Junho 21, 2016

3471007e-dfff-497a-9ace-96ac281c60e3

Movimentos sociais e coletivos das periferias de São Paulo, principalmente de Campo Limpo e Osasco, estão realizando seu primeiro Fora Temer com o slogan: “Organizar os de Baixo para Derrubar os de Cima”.

O Fora Temer da periferia tem alguns sinais diferentes das outras manifestações realizadas no Brasil, mormente nas grandes capitais, desde a implantação do golpe idealizado, elaborado e executado por indigentes parlamentares, mídias acéfalas capitalistas e parte do judiciário.

Enquanto essas manifestações contam com muitos representantes da classe média protestando contra o golpe em si, a periferia se manifesta contra o golpe, mas ligado principalmente às realidades cruéis de seus cotidianos como moradia, insegurança, saúde, educação, racismo, homofobia, violência contra as mulheres, entre outros, que foram aumentados com a realização do golpe ao tirar antigas garantias.

A forma que esses militantes moradores da periferia fazem uso para manifestarem seus protestos contra o ilegítimo Temer é a cultura expressada pela música, grafite, poesia, teatro, fotografia e dança. Tudo de forma mais radical.

“Na periferia, esse ato tem um tom mais radical. É na periferia que mais se sofre com os cortes nas políticas sociais, com a homofobia, com o machismo, o racismo que este governo também fomenta e estimula através de suas figuras públicas. A periferia não reconhece esse governo como legítimo.

A periferia, na nossa opinião, ainda não para a rua. Porque, se tiveram grandes atos – e é verdade – esses atoa poderiam ser ainda maiores com mais negros, mais mulheres se a periferia fosse às ruas. E a periferia vai às ruas por um projeto radical, porque ela precisa de mudanças radicais. Por isso, as periferias são Fora Temer e hoje é só o primeiro ”, observou a integrante do Movimento Luta Popular, Helena Silvestre.

Para o coordenador do Movimento Luta Popular, Avanilson Araújo, o Fora Temer tem como impulso a questão da moradia, já que já apresentado pelos golpistas uma mudança na política de moradia que vai atingir duramente as famílias.

“Em Osasco, a gente vem de uma ocupação, que já vai completar três anos, que estava avançando para uma negociação. Agora o proprietário acabou de pedir a reintegração, com o cumprimento da liminar novamente. Na nossa avaliação isso tem a ver com a falta de perspectiva de que os programas de moradia vão seguir com esse governo.

Onde tinha acordo, não vai ter mais acordo. Vai ter mais despejo, mais violência e vai ter um aumento de conflito social no país”, afirmou Avanilson.

Veja, ouça o vídeo e torne mais consistente sua consciência política-cultural

HUMORISTA GREGÓRIO DUVIVIER MAIS ARTISTAS, INTELECTUAIS E JURISTAS DE PORTUGAL REALIZAM ATO “PORTUGAL PELA DEMOCRACIA”

Maio 27, 2016

9e791ea1-c2a1-46ff-a6f7-d87a9038c809

A classe artística do Brasil, tirando a parte apelidada de artista, mas é totalmente alienada, tem mostrado que o artista é artista no momento da criação, porém quando sua obra encontra-se expressada em público, tornada objeto de vivência estética, ele é um cidadão. Um ser político. Não um representante de um partido, e sim um ser que atua em sociedade junto com seus demais semelhantes. Posto que o atuar é práxis e poiesis do existir originalmente.

Com essa vocação, os artistas-políticos do Brasil, muito antes da configuração do golpe perpetrado e executado pela maioria das aberrações do Congresso Nacional, parte do judiciário e as mídias sequeladas pró-capital internacional, já se encontravam produzindo shows com objetivo de defender a democracia. Todos os dias ocorriam shows em várias partes do Brasil, porque os artistas necessitam da liberdade que é o corpo maior da democracia, para realização e expressão de suas criações.  

Agora, com a consumação do golpe, por enquanto, os artistas multiplicaram seus shows em defesa da democracia. São encenações de peças teatrais, exposições de fotografias, cantorias, hip-hop, hap, rock, samba, cinema, poesia, dança, conferências, debates, etc. Mas, não se reduz apenas aos palcos, praças e ruas do Brasil. Estão ocorrendo também manifestações artistas fora do país, como a que vem ocorrendo em Portugal no Palácio do Bolhão.

c7bcb299-1b06-4b3a-8fe9-686ef19f530fÉ lá, no Palácio do Bolhão, que o humorista e jornalista Gregório Duvivier está se apresentando no ato Portugal pela Democracia. Juntamente com o humorista também se apresentam portugueses, como José Soeiro, sociólogo político, António Capelo, ator, Capicua, cantora, Miguel Guedes, músico e ator, Catarina Martins, atriz e política, Rui David, cantor, Jorge Louraço, dramaturgo, Gonçalves Amorim, ator, Mário Moutinho, ator e produtor e Pedro Barcelar Vasconcelos, constitucionalista.

A confirmação que a arte é política. Como todo ato humano em sociedade.

“A MINHA LIBERDADE CUSTOU SANGUE”, DE GERMANO, RIBEIRO, TIRONE E SZEGERI SAMBA CONTRA O GOLPE TEM LECI, NELSON SARGENTO, MOACYR LUZ, NEI LOPES, CARLINHOS VEGUEIROS E OUTROS

Maio 26, 2016

image_largeO Brasil é composto por um povo de inesgotável capacidade criativa, assim como uma inesgotável capacidade de participação quando é provocado por atos irracionais e violentos. Sua capacidade criativa mais sua capacidade de participação se transforma, quando provocada, em um imbatível corpo de luta democrático. Uma disposição contagiante em que envolve todos os quadrantes expressivos de luta pela liberdade.

O golpe provocado pelas forças mais irracionais e brutas sintetizadas pela maioria do Congresso Nacional, as mídias capitalistas e entreguistas e parte do judiciário, serviu de excitação a essas capacidades de luta pela liberdade do povo brasileiro. São centenas – e por que não milhares? – de produções criativas que afloraram no país depois que foi arquitetado o golpe que afastou, por um breve momento, a presidenta Dilma Vana Rousseff, eleita com mais de 54 milhões de votos.

Todos os conteúdos, formas e expressões dessas produções criativas apresentam dois fatores contagiantes: a repulsa pelo golpista-maior: Temer, e a rejeição ao ato antidemocrático que exibe as partes mais sujas de seus executores. Por isso, total repulsa a um desgoverno ilegítimo formado por crápulas com pendências nas Justiças e na recente história do Brasil como grandes e soberbos canalhas.

Foi observando esse quadro pútrido e sua consequência no dia 17 de abril, quando os sórdidos parlamentares vomitaram suas entranhas pútridas na cara dos telespectadores que acreditavam neles e nos que não acreditavam, que os músicos Douglas Germano, Bruno Ribeiro, Fernando Szegeri e Arthur Tirone compuseram o samba A Minha Liberdade Custou Sangue que foi interpretado por um grupo de cantores e cantoras e divulgado pela página Roda Mundo, e ainda conta com as participações dos artistas Nelson Sargento, no auge de seus 92 anos, como Leci Brandão, Moacyr Luz, Carlinhos vergueiros, Hermínio Belo de Carvalho, Wilson Moreira, Wanderley Monteiro, Luiz Antonio Simas, Nei Lopes, Eduardo Galloti, Trajano, Didu Nogueira e Seu Dadinho.

Ouça e veja o vídeo e leia a entrevista com Bruno Ribeiro realizada por Gabriel Valery da Rede Brasil Atual. 

Como foi o processo de composição do samba?

O Douglas Germano, compositor reconhecido, teve a ideia de fazer essa ação entre amigos. Fez a primeira parte e passou para nós. Na ocasião eu estava em São Paulo. Foi na véspera da votação do processo do impeachment na Câmara dos Deputados. Naquela mesma noite ele já tinha pensado na melodia e, assim que acabou a votação, o Douglas pediu para continuarmos. Fomos compondo, cada um um trecho e no dia seguinte estava pronto.

A música foi feita no 17 de abril, e acabou tendo tom profético. A letra é extremamente atual.

Sim, tivemos essa preocupação. Quando ficou pronta a música, fizemos pensando que o golpe viria, já que não seria fácil reverter. Não divulgamos antes, inclusive por isso, para que ele não perdesse essa característica atemporal. Não queríamos limitar o samba como se ele tivesse sido feito como protesto em relação à votação dos deputados, mas que ele se tornasse um hino da luta que viria, após o golpe consumado.

Como surgiu a ideia de reunir tantos nomes para fazer um clipe?

A ideia surgiu no dia seguinte. Quando ficou pronta a música, no dia seguinte começamos a mostrar para os amigos. Na ocasião, estávamos com a produtora Ana Petta, que fez junto com o Paulo Celestino. Eles foram produtores e diretores. Já tinham experiência em outros vídeos de bastante sucesso e eles sugeriram, dizendo que a música conseguia traduzir o sentimento da população em relação ao golpe. Então veio a ideia do esforço coletivo e todos adoramos. Começamos a correr contra o tempo.

Temos contatos com alguns sambistas, eu fui jornalista, escrevia sobre música durante dez anos e também componho. Então tenho contato com gente como o Moacir Luz, também viabilizamos o Douglas Moreira, o Nelson Sargento, a Leci Brandão, enfim, conseguimos explicar a proposta e eles também pensam como nós. Então, compraram a ideia, gostaram da mensagem.

Achamos simbólico, inclusive, começar com o Nelson Sargento, que está com 91 anos. Ele tem uma trajetória no samba que sempre teve uma posição de esquerda, democrática. E por ele ser o mais velho, pensamos que ele deveria estar. Então fizemos este esforço e ainda bem que deu certo.

Qual a força e a importância do samba para amplificar a voz da resistência?

O samba é a grande voz da população brasileira. Foi ao longo da história um meio para que a população pudesse se expressar. Acho fundamental que o samba entre nesta luta pela democracia, justamente pelo peso simbólico que ele tem dentro da cultura. Também porque ele tem um alcance muito grande. Ele comunica com muita gente. Da mesma forma como ele sempre esteve presente. Na ditadura militar, por exemplo, ele foi um centro de resistência. Cartola, Dona Zica, Paulinho da Viola, o próprio Nei Lopes, que aparece no nosso vídeo. Eram todos sambistas engajados com posicionamento crítico. O samba não poderia ficar de fora desta vez. A adesão destes sambistas representativos, que estão no vídeo, da uma legitimidade que queríamos. Eles assinaram embaixo, então, o samba também está engajado na luta a partir destes mestres.

Em tempos difíceis de nossa história, a música teve expoentes, como na ditadura. Agora, o golpe pode se tornar tema e motivar uma linhagem de composições?

Se essa situação se prolongar, a tendência, não só no samba, é que no meio artístico e cultural, tenhamos uma produção de canções, poesia, teatro e cinema que denunciem essa situação. Isso não é algo programado mas acontece naturalmente, porque o artista tem esta inquietação, esse posicionamento crítico nos momentos decisivos, principalmente na política. Essas situações aguçam o desejo de dizer alguma coisa. Tenho sentido já que os artistas estão começando a produzir e a tendência é que apareçam mais composições que façam esta denuncia.

Como foi o processo de composição do samba?

O Douglas Germano, compositor reconhecido, teve a ideia de fazer essa ação entre amigos. Fez a primeira parte e passou para nós. Na ocasião eu estava em São Paulo. Foi na véspera da votação do processo do impeachment na Câmara dos Deputados. Naquela mesma noite ele já tinha pensado na melodia e, assim que acabou a votação, o Douglas pediu para continuarmos. Fomos compondo, cada um um trecho e no dia seguinte estava pronto.

A música foi feita no 17 de abril, e acabou tendo tom profético. A letra é extremamente atual.

Sim, tivemos essa preocupação. Quando ficou pronta a música, fizemos pensando que o golpe viria, já que não seria fácil reverter. Não divulgamos antes, inclusive por isso, para que ele não perdesse essa característica atemporal. Não queríamos limitar o samba como se ele tivesse sido feito como protesto em relação à votação dos deputados, mas que ele se tornasse um hino da luta que viria, após o golpe consumado.

Como surgiu a ideia de reunir tantos nomes para fazer um clipe?

A ideia surgiu no dia seguinte. Quando ficou pronta a música, no dia seguinte começamos a mostrar para os amigos. Na ocasião, estávamos com a produtora Ana Petta, que fez junto com o Paulo Celestino. Eles foram produtores e diretores. Já tinham experiência em outros vídeos de bastante sucesso e eles sugeriram, dizendo que a música conseguia traduzir o sentimento da população em relação ao golpe. Então veio a ideia do esforço coletivo e todos adoramos. Começamos a correr contra o tempo.

Temos contatos com alguns sambistas, eu fui jornalista, escrevia sobre música durante dez anos e também componho. Então tenho contato com gente como o Moacir Luz, também viabilizamos o Douglas Moreira, o Nelson Sargento, a Leci Brandão, enfim, conseguimos explicar a proposta e eles também pensam como nós. Então, compraram a ideia, gostaram da mensagem.

Achamos simbólico, inclusive, começar com o Nelson Sargento, que está com 91 anos. Ele tem uma trajetória no samba que sempre teve uma posição de esquerda, democrática. E por ele ser o mais velho, pensamos que ele deveria estar. Então fizemos este esforço e ainda bem que deu certo.

Qual a força e a importância do samba para amplificar a voz da resistência?

O samba é a grande voz da população brasileira. Foi ao longo da história um meio para que a população pudesse se expressar. Acho fundamental que o samba entre nesta luta pela democracia, justamente pelo peso simbólico que ele tem dentro da cultura. Também porque ele tem um alcance muito grande. Ele comunica com muita gente. Da mesma forma como ele sempre esteve presente. Na ditadura militar, por exemplo, ele foi um centro de resistência. Cartola, Dona Zica, Paulinho da Viola, o próprio Nei Lopes, que aparece no nosso vídeo. Eram todos sambistas engajados com posicionamento crítico. O samba não poderia ficar de fora desta vez. A adesão destes sambistas representativos, que estão no vídeo, da uma legitimidade que queríamos. Eles assinaram embaixo, então, o samba também está engajado na luta a partir destes mestres.

Em tempos difíceis de nossa história, a música teve expoentes, como na ditadura. Agora, o golpe pode se tornar tema e motivar uma linhagem de composições?

Se essa situação se prolongar, a tendência, não só no samba, é que no meio artístico e cultural, tenhamos uma produção de canções, poesia, teatro e cinema que denunciem essa situação. Isso não é algo programado mas acontece naturalmente, porque o artista tem esta inquietação, esse posicionamento crítico nos momentos decisivos, principalmente na política. Essas situações aguçam o desejo de dizer alguma coisa. Tenho sentido já que os artistas estão começando a produzir e a tendência é que apareçam mais composições que façam esta denuncia.

A SENSIBILIDADE, A INTELIGÊNCIA E A MORAL DOS DEPUTADOS E SENADORES GOLPISTAS MOSTRADOS PELA PROFESSORA DE SOPHIA

Maio 7, 2016

1 - camara-dos-deputados_0_0

Sophia é uma garotinha muito vivaz, inteligente, companheira, solidária e participativa. Atributos necessários a todos que acreditam que a existência só se justifica quando todos estão comprometidos com a sociabilidade como bem comum. Riquezas materiais e imateriais de todos.

Hoje é o dia da prova final da turma de Sophia. Como não era para ser diferente, ela estudou todos os conteúdos apresentados pela professora e, por tal realidade, encontra-se preparada para responder as questões que sua professora vier lhe perguntar.

Diante de uma sala repleta de crianças alegres e criativas, a professora abriu a porta, entrou, com cara de poucos amigos, ou nenhum amigo, e empurrou a porta com o pé direito. Sentou, abriu uma pasta com algumas folhas, olhou para a turma, já em silêncio, fez a chamada aos berros e disse que a primeira que iria ser examinada na arguição oral seria Sophia. A menina sorriu. A professora zombou do sorriso da garotinha e lhe lançou um olhar ameaçador.

A professora cuspiu no cesto de colocar papéis, pigarreou e com uma régua na mão direita, chamou Sophia. Ela, se levantou, foi até a mesa da professora, cumprimento-a, sorriu e jogou beijos para a turma.

Ameaçadora, a professora afirmou que iria fazer quatro perguntas. Uma de geografia, uma de português, outra de matemática e a última de história. Em sua vontade de saber como devir-criança, Sophia vibrou.

– Qual o maior estado da Região Norte? –perguntou a professora debochando de Sophia.

– Estado do Amazonas! – respondeu Sophia muito contente entre os aplausos da turma.

– Errado! – gritou a professora completando. – O maior estado do Norte é o Paraná, sua estúpida. Agora a pergunta de matemática. Quanto é dois mais três?

– Facílimo! Dois mais três cinco.

– Erradíssimo, sua bucéfala! Dois mais três é sete. Caceta, que ofensa à operação de somar. Pergunta de português. Fábio foi para casa. Quem é o sujeito da oração?

– O sujeito da oração é Fábio.

– Tapada, o sujeito da oração é, “foi para a casa”. Fábio é o morador da casa, sua energúmena! Meu Deus, essa é a tal Pátria Educadora? É preciso ter muita paciência com você, porque você é a burrice elevada ao quadrado. Última pergunta. Quem é o presidente do Brasil?

– Professora, eu não quero chamar sua atenção, mas não é presidente. É presidenta. Presidenta Dilma!

– Você além de bucéfala, tapada e burra, é totalmente analfabeta política. O presidente do Brasil é o Temer! Sua nota é zero! Você está reprovada! Você é a prova viva que comeu muita casca de queijo e coquinho de caroço de tucumã. Você não sabe nada! De sabedoria você só tem o nome. Seu nome deveria ser Juju, de jumenta. 

Sophia protestou afirmando que havia acertado todas as perguntas e não podia ser reprovada. Diante da violência da professora a turma não deixou barato. Solidarizou-se com Sophia e em coro gritou que a professora era uma carrasca autoritária. A professora a ameaçou a turma com a régua, mas desistiu logo ao receber uma laranja na cabeça lançada pelo aluno mais baixinho.

O diretor da escola, um homem bajulador e prepotente, ao ouvir o coro dos alunos, partiu babando de raiva para saber o que estava ocorrendo. Não precisou nem abrir a porta, pois a professora acovardada abriu a porta e em desabalada carreira esbarrou nele e os dois caíram rolando no chão, enquanto os alunos se divertiam pulando por cima dos dois, indo direto ao pátio da escola.

No pátio da escola uma garotinha tomou a palavra e discursou afirmando que a professora e o diretor da escola estavam tratando os alunos como os deputados e senadores que queriam derrubar Dilma sem que ela tivesse cometido qualquer crime. Ao ouvirem o discurso, os alunos da escola inteira gritaram: “Não vai ter golpe”! A garotinha continuou seu discurso afirmando que para os deputados e senadores suas posições eram iguais de sua professora: não adianta os alunos estarem certos que ela já tem sua opinião.

Sophia, que havia aberto o portão da escola, convocou todos os alunos da escola a irem às ruas protestar junto com os moradores do bairro contra o arbítrio e a falta de democracia da professora e do diretor.

Na janela de uma casa, uma senhora bradou que só com o povo nas ruas o Brasil pode defender a educação e a democracia. E lá foram os moradores pelas ruas discursando sobre os direitos do povo. Por onde passavam aumentava mais o cordão da democracia.

Quanto à diretora e o diretor, continuaram rolando no chão da mesma forma que os deputados e senadores rolam no chão sujo do golpismo.

respondendo que na região Norte. A professora bateu na mesa com raiva, dizendo que a resposta estava errada. Disse a sentença, “Pedro é burro”, e perguntou quem era o sujeito. Tikinha sorriu e respondeu que era Pedro. A professora se levantou, chutou a mesa e afirmou que a resposta estava errada. Então, fez a última pergunta para que Tokinha respondesse quando era 3 mais 2. Tikinha respondeu alegríssima que era 5. A professora subiu na mesa e gritou ensandecida que ela estava reprovada.

Tikinha junto com a turma protestou afirmando que acertará todas as perguntas, mas professora estava irredutível afirmando que ela estava reprovada. A turma começou a se rebelar, e professora foi chamar o diretor da escola. Ele entrou na sala esbravejando  dizendo que naquela sala quem mandava era a professora e fim de papo.

E para terminar, gritou que naquela escola quem sabia o que era certo e o que era errado era a professora e ele, diretor.

A turma deixou a sala, foi ao pátio da escola, convocou os outros alunos que estavam em suas salas de aula, e se dirigiram às ruas mostrar aos moradores que tipo de professores e escola queriam ensinar o conhecimento e a moral.

EM SUA SEXTA EDIÇÃO O PROGRAMA PALAVRAS CRUZADAS APESENTADO POR PAULO MARKUN NA TV BRASIL, POR SEU FORMATO CONSERVADOR, DESTOA DE OUTROS PROGRAMAS COMO ESPAÇO PÚBLICO

Abril 22, 2016

img_1675_copiar_grande

A TV Brasil é a única emissora de televisão do país que produz os corpos essenciais da comunicação: serviço público e o princípio cívico. Sua grade de programação, ao contrário das televisões comerciais como a TV Globo, proporciona aos telespectadores corpos sensoriais, cognitivos e éticos fundamentais para composição das relações comunitárias. O fator social precípuo para as existências dos meios de comunicação de massa. O que a torna uma emissora de grandeza social antagônica das emissoras que praticam a programação grotesca que cristaliza a sensibilidade, a cognição e a ética dos telespectadores tornando-os passivos e desativados sujeitos-sujeitados.

A rede de programação da TV Brasil, em seu corpo singular, é composta pela multiplicidade não numérica, mas qualitativa de programas que se manifestam em desejos infantis, juvenis e adultos. Da programação para crianças, passando pela juventude e os adultos, tudo é novidade. A criança é tratada como criança ativa e criativa, o mesmo ocorre com os jovens, principalmente os das periferias que continuamente mostram suas criações musicais, grafiteiras, funkeiras, rockeiras, cinematográficas e seus contagiantes poéticos saraus.

Reportagens nacionais e internacionais cujos personagens são camadas populares e trabalhos científicos que jamais serão exibidos nas televisões comerciais, fazem da TV Brasil uma emissora ganhadora de vários prêmios nacionais e internacionais.

A TV Brasil também proporciona ao seu público, programas de debates como o Espaço Público, apresentado todas às terças-feiras às 11 horas de Brasília, pelo jornalista engajado Paulo Moreira Leite. O Bralianas.org, apresentado todas às segundas-feiras também às 11horas de Brasília, pelo combativo e engajado jornalista Luiz Nassif. Todos esses programas convidam para participar do debate pessoas  comprometidas com as consciências políticas. Consciências politicas, porque não existem consciências políticas reacionárias, já que política é potência de vontade intensivamente produtora do novo. E não imobilidade conservadora do que já se encontra posto como defendem as consciências reacionárias.

O programa Palavras Cruzadas apresentado todas às quartas-feiras às 10:30, horário de Brasília, pelo jornalista Paulo Markun, chegou a sua sexta edição. O programa, além de ser apresentado por Paulo Markun, ex-apresentador do programa Roda Viva na TV Educativa, e que afirma se encontrar envolvido em política desde o ano de 1967, e escreveu o livro Meu Querido Vlado, sobre o jornalista Vladimir Herzog assassinado pelo ídolo de Bolsonaro, coronel Ustra Brilhante, também conta com três jornalistas convidados e a inteligente, corajosa, ilustre e honesta jornalista Tereza Cruvinel, representante da TV Brasil, para entrevistarem os convidados.

Salta diante da inteligência e do comprometimento político dos telespectadores da TV Brasil o caráter destoante do programa Palavra Cruzadas quando relacionado com os programas Espaço Público e Brasilianas.org. Enquanto os dois programas sempre convidam personagens conhecedoras dos temas no plano para além do senso comum e do tagarelar atual, permitindo cortes nas estruturas semióticas-apolíticas no corpo do poder dominante, o programa Palavras Cruzadas em suas edições foi quase todo configurado por personagens conservadores. Lógico que excluindo a participação de Tereza Cruvinel e poucos jornalistas como André Barrocal, da Carta Capital. No mais, são sempre funcionários de jornais reacionários como Estadão e Folha de São Paulo.

Entre os seis personagens convidados pelo jornalista Paulo Markun, ex- apresentador do programa Roda Viva da TV Educativa, para serem entrevistados, cinco são claramente conservadores. Ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, ex-deputado federal Ibsen Pinheiro, membro do partido golpista PMDB, Francisco Rezek, ex-ministro dos desgovernos de Fernando Henrique, Edinho, ministro da Secretaria de Comunicação do governo Dilma e o cientista político Marco Aurélio Nogueira, entrevistado da quarta-feira passada que se mostrou contra o pronunciamento da presidenta na Organização das Nações Unidas (ONU) contra o golpe, afirmou que os movimentos sociais estão deprimidos depois da votação da Câmara Federal, e afirmou, também, que há crime para o impeachment.

Como até as pedras que não rolam, por isso criam limo, sabem, se os golpistas depuserem Dilma, todas as produções populares criadas por Lula e Dilma vão ser implodidas. Até a TV Brasil, já que a televisão ímpar para os golpistas é o modelo TV Globo. O exemplo claro foi o que o PSDB de São Paulo fez com a TV Cultura. Significando que se a TV Brasil permanecer ela não terá mais sua essencialidade pública.

Daí, que o telespectador inteligente e comprometido, é levado a inferir que com o caráter conservador do programa Palavras Cruzadas, que por seu sentido conservador não cruza nenhuma palavra, visto que as palavras estão sempre em movimento, sempre abertas, sempre em variações, o jornalista Paulo Markun deverá ser o único que permanecerá com seu programa.

Paulo Moreira Leite e Luiz Nassif vão rolar. Para não dizer dançar, pois pode ser que eles não saibam dançar. Rolar é mais fácil.

MAIS UM HINO CONTRA O GOLPE – MÚSICA PELA DEMOCRACIA: GOLPE NÃO

Abril 15, 2016

golpe, não

A democracia é um regime político universal. Onde ela sofre atentado contra sua substância vozes se levantam em um único canto na defesa de si mesmas, já que todos, como substância-singular democrática, somos a unicidade democrática. Um único hino, em uma polivocidade.  

O que está ocorrendo em relação à democracia brasileira ameaçada por forças nazifascistas golpistas de todas facetas. Por causa dessa maquinação obscurantista que pretende render o Brasil às forças tirânicas, se compôs tanto no país como em outras partes do mundo ações para evitar a concretização da força da dor.

Organismos internacionais, como a Organização dos Estados Americanos (OEA), Organização das Nações Unidas (ONU), outras entidades internacionais, intelectuas, artistas, esportistas internacionais, e, principalmente, entidades brasileiras estão em posição geral de defesa da soberania da democracia-brasileira. Um breve exemplo internacional. Domingo, em Barcelona, organizações pela paz e movimentos sociais irão realizar um ato contra o golpe no Brasil praticado pelas direitas usurpadoras.

No Brasil, muitos compositores e atores criaram obras musicais protestando contra o golpe em defesa da democracia. E entre as muitas composições musicais se encontra o hino a Música pela Democracia, Golpe Não, que tem Chico César, Ava Rocha, Coruja BC1, Luiz Felipe Gama, Vanessa, Rico Dalasam, Max BO, LG Lopes, Pequeno Cidadão, Taciana Barros, Cacá Machado, Guisado, Ana Tréa, Lucas Santtana, Fioti, Arrigo Barnabé, Edgar Scandurra, Jovem Cerebral, Alice Caymmi, Liga do Funk, Drik Barbosa, passando pelo talentosíssimo João Donato.

Escute a música, se delicie, analise e forme sua opinião. Você também é a democracia.

Golpe Não.

GOLPE NÃO!

(Chico César/Coruja BC1/Luis Felipe Gama/Rico Dalasam/Vanessa/Drik Barbosa/LG Lopes)
.
O sistema é bruto, o processo é lento
Nosso sentimento, não vai recuar
Amor, liberdade, verdade, alimento
Não tinha e agora querem golpear
.
As velhas raposas querem o galinheiro
Roubaram dinheiro mas fingem que não
Querem que o petróleo seja do estrangeiro
Pra esconder ligeiro sua corrupção
.
Refrão:
Não, Não, Golpe Não!
Quem não teve voto tem de respeitar
Não, Não, Golpe Não!
Nossa voz na rua vem para lutar
.
Tentam nos cegar nas telas e nas bancas
Com papo de patrão, não vi a gente lá
Meu povo precisa ter a voz ativa
Golpe é fogo na favela, não vou apoiar
.
Mulher no front aqui tem voz de monte
E menos que isso não vou acatar
Avisa o gueto avisa o gueto, desperta que é golpe
Ninguém vai impedir o meu jeito de amar
.
(Refrão)
.
Eu não abro mão do que sonhamos juntos
De todas as cores que eu quero usar
De todas as formas de ganhar amores
De todos os amores que eu quero dar
.
Se eu uso vermelho ou vou de amarelo
Não tô num duelo, quero conversar
Mano, mina, mona todo mundo é belo
Nesse arco-iris todos têm lugar
.
(Refrão)
.
Golpe é ditadura, digo nunca mais
A vontade das urnas prevalecerá
Pois quem distorce os fatos em telejornais
Quer inflamar o ódio pro gueto sangrar
.
O machismo mata, a imprensa mente
Mas a internet é nosso canal
Somos a guerrilha na nova trincheira
A nação guerreira do bem contra o mal
.
(Refrão)
.
A Democracia é nossa bandeira
Golpe é uma história que já sei de cor
Todos nós queremos um País mais Justo
Todos nós queremos um País Melhor
.
Não queremos menos do que já tivemos
Nós queremos muito, muito, muito mais
Toda Liberdade, Amor, Paz, Respeito
E ninguém por isso vai andar pra trás
.
(Refrão 2x)